Postagens

ALMA explora disco de restos de Fomalhaut

Imagem
Fomalhaut é uma das estrelas mais brilhantes do céu. A cerca de 25 anos-luz de distância, esta estrela encontra-se muito perto de nós, podendo ser observada a brilhar intensamente na constelação do Peixe Austral. Esta imagem obtida pelo Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) mostra a Fomalhaut (ao centro) circundada por um anel de restos poeirentos — é a primeira vez que uma imagem assim é capturada a tão elevada resolução e sensibilidade nos comprimentos de onda milimétricos. O disco da Fomalhaut é constituído por uma mistura de gás e poeira cósmica de cometas do sistema Fomalhaut (exocometas), libertados quando os exocometas passam uns pelos outros ou chocam entre si. Este meio turbulento assemelha-se a um período primordial do nosso Sistema Solar conhecido por Bombardeamento Intenso Tardio, que ocorreu há cerca de 4 mil milhões de anos atrás. Nesta altura um grande número de objetos rochosos viajava pelo Sistema Solar interior e colidia com os jovens planetas terrestres…

No Centro da Nebulosa da Lagoa

Imagem
O centro da Nebulosa da Lagoa é um turbilhão espetacular de formação de estrelas. Pode ser visível na parte inferior esquerda, no mínimo duas nuvens em forma de funil, cada uma delas com aproximadamente meio ano-luz de comprimento, formadas pelos ventos estelares extremos e pela intensa luz estelar energética. O impressionante brilho da estrela próxima, a Herschel 36, ilumina a área. Vastas paredes de poeira escondem e avermelham estrelas jovens quentes. À medida que a energia dessas estrelas invadem o gás e poeira fria, as grandes diferenças de temperatura nas regiões adjacentes podem ser criadas gerando ventos que criam os funis. Essa imagem se espalha por cerca de 5 anos-luz e foi feita em 1995 pelo Telescópio Espacial Hubble. A Nebulosa da Lagoa é conhecida também como a M8, localiza-se a cerca de 5000 anos-luz de distância da Terra na direção da constelação de Sagittarius. Fonte: https://apod.nasa.gov/apod/ap170521.html

Nebulosa do Caranguejo no LCD

Imagem
Essa bela imagem mostra a famosa Nebulosa do Caranguejo em cores vibrantes. A imagem foi produzida combinando os dados de telescópios que cobrem quase todo o espectro eletromagnético, desde as ondas de rádio até os raios-X. O Karl G. Jansky Very Large Array (VLA) forneceu dados nas ondas de rádio, mostrados em vermelho na imagem, o Telescópio Espacial Spitzer da NASA fez as imagens em infravermelho, mostradas em amarelo, o Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA forneceu os dados na luz visível, mostrados em verde, o telescópio XMM-Newton da ESA observou a nebulosa no ultravioleta, com seus dados mostrados em azul, e o Observatório De Raios-X Chandra da NASA adquiriu os dados em raios-X, mostrados em roxo. A Nebulosa do Caranguejo está localizada a aproximadamente 6500 anos-luz de distância da Terra, na constelação de touro, e é o resultado de uma explosão de supernova que foi observada pelos chineses e por outros astrônomos, no ano de 1054. No centro da nebulosa está um pulsar, uma est…

Cientistas podem ter encontrado evidência de que universos paralelos existem

Imagem
A chamada Mancha Fria (do original “Cold Spot”) é uma área de 1,8 bilhões de anos-luz de diâmetro no espaço, com 13 bilhões de anos, que é 0,00015 graus Celsius mais fria do que o seu entorno. Agora, astrônomos da Universidade de Durham, na Inglaterra, estão sugerindo que essa região insondável pode ser a primeira evidência de um multiverso. Os pesquisadores não foram capazes de explicar a causa deste enorme espaço frio, e o novo estudo afirma que não deveria existir. “Não podemos excluir inteiramente que a Mancha Fria seja causada por uma flutuação improvável explicada pelo modelo padrão da física de partículas. Mas se essa não é a resposta, então há explicações mais exóticas. Talvez a mais emocionante é que a Mancha Fria foi causada por uma colisão entre nosso universo e outro universo-bolha. Se análises mais detalhadas provarem que este é o caso, então a Mancha Fria pode ser tomada como a primeira evidência do multiverso”, explicou um dos coautores do estudo, Tom Shanks. 2% aleatório, …

Alimentando uma estrela bebê com um hambúrguer poeirento

Imagem
Esta imagem curiosa pode parecer uma coleção de bolhas coloridas, mas na realidade trata-se de uma imagem de alta resolução de uma estrela recém nascida envolvida em poeira. Situada a apenas 1300 anos-luz de distância, na constelação de Orion, a estrela HH212 é muito jovem. A vida média de uma estrela de pequena massa como esta é de cerca de 100 bilhões de anos, mas esta jovem estrela tem apenas 40 000 anos de idade — uma bebê em termos estelares. Nos núcleos das vastas nuvens moleculares nas regiões de formação estelar, é travada uma batalha constante entre a gravidade e a pressão do gás e da poeira. Se a gravidade ganha, o gás e a poeira colapsam para formar um núcleo denso quente que eventualmente se acende, dando origem a uma protoestrela.  O gás e a poeira restantes formam um disco em rotação em torno da estrela recém nascida e, em muitos sistemas estelares, estes discos dão eventualmente origem a planetas. Estes discos protoestelares extremamente jovens têm sido difíceis de observ…

Pela primeira vez, cientistas observam uma gigantesca “ponte magnética” que liga galáxias

Imagem
Os cientistas já sabiam que uma ponte de gás se estendia por cerca de 75.000 anos-luz entre as nossas duas galáxias vizinhas, a Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães. Embora já tivessem predito a chamada “ponte de Magalhães”, esta é a primeira observação de seu campo magnético, o que poderia nos ajudar a entender como tais objetos se formam. O estudo da ponte foi liderado por pesquisadores da Universidade de Sydney, na Austrália, e vai ser publicado na revista Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. Ponte magnéticaNossos vizinhos galácticos mais próximos, a Grande e a Pequena Nuvem de Magalhães estão a 160.000 e 200.000 anos-luz da Terra, respectivamente. Os pesquisadores sabem há muito tempo sobre a ponte de Magalhães que existe entre elas, um caminho formado por estrelas e gases.  Até agora, muito pouco era conhecido sobre o seu campo magnético, no entanto. A equipe mostrou que ele possui um milionésimo da força do próprio escudo magnético protetor do nosso planeta, e poder…

Astrónomos perseguem BURACO NEGRO SUPERMASSIVO desertor

Imagem
Impressão de artista do buraco negro em fuga. Crédito: raios-X - NASA/CXC/NRAO/D.-C. Kim; ótico - NASA/STScI; ilustração - NASA/CXC/M. Weiss
Os buracos negros supermassivos são geralmente objetos estacionários, localizados nos centros da maioria das galáxias. No entanto, usando dados do Observatório de raios-X Chandra da NASA e outros telescópios, os astrónomos recentemente caçaram o que poderá ser um buraco negro supermassivo em movimento. Este possível buraco negro em fuga, que contém cerca de 160 milhões de vezes a massa do nosso Sol, está localizado numa galáxia elíptica a mais ou menos 3,9 mil milhões de anos-luz da Terra. Os astrónomos estão interessados nestes buracos negros supermassivos em movimento porque podem revelar mais sobre as propriedades destes objetos enigmáticos.  Este buraco negro pode ter "recuado", na terminologia usada pelos cientistas, quando dois buracos negros supermassivos mais pequenos colidiram e fundiram-se para formar um ainda maior. 
Ao mesmo t…

A assustadora morte de nosso universo

Imagem
A ciência já nos mostrou algumas vezes que nosso universo, um dia, em um futuro muito, muito distante, vai acabar. Mas como isso vai acontecer? No vídeo abaixo, o físico teórico Robbert Dijkgraaf, professor do Instituto de Estudos Avançados em Princeton, explica como o universo vai encontrar a sua morte. Basicamente, o que ele diz é que os buracos negros vão destruir tudo. Eu acho que a maior descoberta da teoria de Einstein é que o universo está se expandindo. Mas aprendemos algo ainda mais dramático nos últimos anos.  Aprendemos que ele não está apenas se expandindo, mas há uma força dentro do espaço vazio que o ajuda a se afastar. Isso na verdade está acelerando a expansão dele, e essa expansão terá consequências realmente dramáticas. Significará que a parte distante do universo começará a se afastar tão rápido em um ponto, que será mais rápida do que a velocidade da luz”, explica. Essa aceleração trará consequências para a nossa via láctea. Todas as nossas galáxias vizinhas vão desa…

Carta feroz sobre as origens do universo é assinada por Stephen Hawking e outros 32 físicos proeminentes

Imagem
Como nosso universo começou? Essa é uma questão que ainda não está totalmente resolvida na comunidade científica, mas, até pouco tempo atrás, havia uma espécie de consenso. Agora, o debate acabou de esquentar: 33 dos físicos mais famosos do mundo publicaram uma carta feroz defendendo uma das principais hipóteses que temos para a origem do universo, em resposta a um artigo escrito em fevereiro no qual três físicos criticaram pesadamente a teoria da inflação – a ideia que o universo expandiu apenas como um balão logo após o Big Bang. Os dois ladosO artigo, divulgado na Scientific American, chegou a afirmar que o modelo “não pode ser avaliado usando o método científico” – o equivalente acadêmico de dizer que não é ciência de verdade. Ele foi assinado por Paul Steinhardt e Anna Ijjas, da Universidade de Princeton, e Abraham Loeb da Universidade de Harvard. Em resposta, 33 dos maiores físicos do mundo, incluindo Stephen Hawking, Lisa Randall e Leonard Susskind, publicaram uma resposta na mesm…

Dois buracos negros vão colidir na constelação de Virgem

Imagem
A COLISÃO DE DOIS BURACOS NEGROS PROPAGA ONDAS GRAVITACIONAIS PELO TECIDO DO ESPAÇO-TEMPO (FOTO: SWINBURNE ASTRONOMY PRODUCTIONS | REPRODUÇÃO)
E m uma região muito distante da Terra, nas profundezas da constelação de Virgem, dois buracos negros monstruosos estão prestes a se chocar. O evento cataclísmico vai ocorrer a 3,5 bilhões de anos luz daqui, e quando digo que eles estão “prestes a se chocar”, não se engane - estou falando em termos cósmicos. A colisão deve acontecer só daqui a 100 mil anos. Para a escala de tempo humana, isso é uma eternidade, mas quando o papo é sobre estrelas ou buracos negros, esse período não passa de um piscar de olhos.
 tem mais: no momento crítico em que as duas estruturas colidirem, tamanha violência deve liberar uma grande quantidade de ondas gravitacionais, que são deformações propagadas pelo tecido do espaço-tempoprevistas pela teoria da relatividade geral de Einstein. Até agora, muitos tentaram, mas ninguém conseguiu detectar essas perturbações. Este…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...