Postagens

Mostrando postagens de Novembro 30, 2009

Espaço sideral

Espaço sideral é todo o espaço do universo não ocupado por corpos celestes e suas eventuais atmosferas. É a porção vazia do universo, região em que predomina o vácuo. O termo também pode ser utilizado para se referir a todo espaço que transcende a atmosfera terrestre.
Conceituações
Em astronomia, usa-se a denominação "espaço externo" ou "espaço sideral" para fazer referência a todo espaço que transcende o espaço englobado pela atmosfera terrestre. O espaço sideral é frequentemente subdividido em três subespaços:
1.Espaço interplanetário designação usada sobretudo para se referir aos espaços existentes entre os planetas do nosso próprio sistema solar. Por extensão, inclui as distâncias entre os eventuais planetas de qualquer sistema estelar, inclusive o nosso.
2.Espaço interestelar designação usada para se referir às porções de quasi-vácuo existentes entre as estrelas. Refere-se sobretudo aos espaços entre as estrelas da nossa própria galáxia: a Via Láctea.
3.Espaço inte…

Enxame aberto NGC 7129

Imagem
Crédito: 2MASS,S. Van Dyk (IPAC). Telescópio: 1,3 m Telescope at Mount Hopkins. Mosaico de imagens da região do aglomerado de estrelas NGC 7129, construída a partir do atlas de imagens do 2MASS (2 Micron All Sky Survey). São imagens em infravermelho e coloridas da seguinte maneira: banda J (1,2 mícrones) a azul, banda H (1,6 mícrones) a verde e banda Ks (2,2 mícrones) a vermelho. No jovem aglomerado NGC 7129, o processo de formação estelar continua ocorrendo. A estrela brilhante embebida em cima e à esquerda na imagem é a estrela Herbig Ae/Be LkH 234, fonte de jactos moleculares. Os muitos filamentos são também indicativos de jactos moleculares das estrelas, que por sua vez são características de objectos muito jovens.
Fonte:portaldo astronomo.org

O que é uma Supernova

Imagem
Supernova de Kepler Supernova é o nome dado aos corpos celestes surgidos após as explosões de estrelas (estimativa) com mais de 10 massas solares, que produzem objetos extremamente brilhantes, os quais declinam até se tornarem invisíveis, passadas algumas semanas ou meses. Em apenas alguns dias o seu brilho pode intensificar-se em 1 bilhão de vezes a partir de seu estado original, tornando a estrela tão brilhante quanto uma galáxia, mas, com o passar do tempo, sua temperatura e brilho diminuem até chegarem a um grau inferior aos primeiros. Uma supernova possui todos os elementos da tabela periódica, consequetemente pode causar a extinção dos seres da Terra, mas também pode gerar vida. A explosão de uma supernova pode expulsar para o espaço até 9/10 da matéria de uma estrela. O núcleo remanescente tem massa superior a 1,5 Massas solares, a Pressão de Degenerescência dos elétrons não é mais suficiente para manter o núcleo estável; então os elétrons colapsam com o núcleo, chocando-se com …

Montes Apenninus

Imagem
Os Montes Apenninus são uma cadeia montanhosa na Lua, que limitam o extremo sudeste do Mare Imbrium e o separam do Mare Serenitatis, do lado direito na imagem. Nesta imagem, obtida quando a Lua se encontrava em quarto crescente, o Mare Imbrium, à esquerda, ainda se encontra na zona de escuridão não sendo por isso visível. Na imagem podemos ainda ver as crateras Archimedes, quase na sombra, e o par Aristillus e Autolycus aproximadamente ao centro e por cima dos Apenninus. A imagem foi obtida pelo astrónomo amador Mário Santiago ao início da noite de dia 19 de Dezembro de 2004, com uma câmara Atik ATK-2HS equipada com um filtro IR, no foco primário de um telescópio Maksutov-Cassegrain de 180mm. Crédito: Mário Santiago

Telescópio: Maksutov-Cassegrain STF Mirage7 Deluxe

Supernova SN 1987A

Imagem
Anéis circunstelares ao redor da SN 1987A SN 1987A foi uma supernova que teve lugar nas redondezas da Nebulosa da tarântula (NGC 2070), situada na Grande Nuvem de Magalhães, galáxia anã próxima, pertencente ao Grupo Local. Ocorreu aproximadamente a 168 000 anos-luz (51,4 kiloparsecs) da Terra, o suficiente para a tornar vísivel a olho nu. Foi a supernova mais próxima observada desde a SN 1604, que apareceu na Via Láctea. Fonte:Portal do astronomo

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...