Postagens

Mostrando postagens de Julho 12, 2010

Galeria de Imagens - As 7 luas mais bizarras do Sistema Solar

Imagem
Satélites podem ser até parecidos com planetas em relação ao tamanho, mas quando se trata de “personalidade”, eles com certeza são mais excêntricos. Há mais de 20 luas para cada planeta no Sistema Solar e elas são extremamente diferentes uma das outras. Há luas tão complexas como a Terra, como a famosa Titã. Há também possíveis ninhos para a vida, como a gelada Europa.
Conheça as luas mais bizarras do Sistema Solar:
1. O inferno gelado: Banhada de radiação e cheia de vulcões em erupção constante, a lua Io é considerada o inferno do Sistema Solar. Ela é uma lua de Júpiter e é o astro com mais vulcões conhecido pelo homem (ela expele 100 vezes mais lava do que todo o material que os vulcões da Terra conseguiriam expelir) – apesar de ser muito fria e estar coberta por uma camada de gelo sulfuroso. Io também tem belos lagos de pedra derretida. O mais famoso é Loki Patera, que tem mais de 200 km de largura. Atualmente parece que Io está ficando mais “fresquinha” porque sua órbita está menos e…

Galáxia M 81 (NGC 3031) vista pelo Spitzer

Imagem
Crédito: NASA/JPL-Caltech/S. Willner (Harvard-Smithsonian Center for Os magníficos braços espirais da galáxia M 81 são postos em evidência nesta imagem de infravermelho obtida com o Telescópio Espacial Spitzer da NASA. Localizada na direcção da constelação Ursa Maior, esta galáxia é facilmente visível com a ajuda de uns binóculos ou de um pequeno telescópio. Imagens de infravermelho como esta permitem uma estimativa da quantidade total de poeira existente na galáxia, bem como dos locais onde novas estrelas se estão a formar. M 81 situa-se a cerca de 12 milhões de anos-luz de distância. Possui um diâmetro óptico de cerca 100000 anos-luz e uma massa de 50000 milhões de massas solares. Fonte:http://www.portaldoastronomo.org/

NGC 2261 - Nebulosa Variável de Hubble

Imagem
A Nebulosa Variável de Hubble (NGC 2261) é assim chamada em homenagem a Edwin Hubble, que a estudou no início do século XX. Trata-se de uma nebulosa de reflexão, ou seja, cujo brilho se deve ao facto da poeira reflectir a luz de uma ou mais estrelas nela embebidas. Esta nebulosa é iluminada por uma estrela muito jovem, R Monocerotis (R Mon), que se encontra no canto inferior da imagem. R Mon não é observável directamente, mas somente através da luz dispersada pelos grãos de poeira da nebulosa. Já Edwin Hubble tinha reparado que esta nebulosa se alterava em apenas algumas semanas. A melhor explicação para a variabilidade da Nebulosa Variável de Hubble consiste em admitir que nódulos muito densos de poeira, e por isso opacos, passam perto de R Mon, provocando sombras que se deslocam sobre a poeira do resto da nebulosa. Esta nebulosa encontra-se na direcção do Unicórnio a cerca de 2500 anos-luz e estende-se por 1 ano-luz. Crédito: NASA & The Hubble Heritage Team (STScI/AURA). Fonte:po…

Imagem - Cometa Hyakutake

Imagem
Crédito: H. A. Weaver (Applied Research Corp.), HST Comet Hyakutake Observing Team, NASA Estas são imagens do cometa Hyakutake obtidas pelo Telescópio Espacial Hubble. Ao contrário da maioria das imagens de cometas, estas imagens mostram em grande detalhe um pequena região muito perto do núcleo do cometa. Do lado direito podem-se ver duas imagens zoom da região central do cometa, podendo-se ver, em baixo, pedaços do cometa que se fragmentou. Os cometas são "bolas" sujas de gelos e poeiras que vagueiam pelo Sistema Solar desde os primórdios da sua formação. O cometa Hyakutake passou junto da Terra em 1996. . Fonte: www.portaldoastronomo.org

Luas Além dos Anéis de Saturno

Imagem
O que aconteceu com aquela lua de Saturno? Nada -- a lua Rhea, de Saturno, só está parcialmente escondida atrás dos anéis do planeta. Em abril, a espaçonave robótica Cassini que agora está orbitando Saturno, tirou esta foto em ângulo fechado na direção dos mais famosos anéis do sistema solar. Os anéis que podem ser vistos em primeiro plano incluem o fino anel F, por fora, e os anéis A e B, bem mais largos, no interior dele. Embora pareça pairar sobre os anéis, a lua de Saturno Janus está na verdade bem além deles. Janus é uma das menores luas de Saturno e mede apenas cerca de 180 quilômetros de extensão. Bem mais longe da câmera está a lua Rhea, coberta de crateras e muito maior, medindo 1.500 quilômetros de extensão. O topo de Rhea pode ser visto apenas por entre as falhas nos anéis. A missão da Cassini em torno de Saturno foi prolongada até 2017 para um estudo mais profundo do complexo sistema planetário à medida em que muda de equinócio para solstício. Fonte:apod.astronomos.com.br

Sonda Roseta fotografa asteroide de perto

Imagem
Esta é a foto mais próxima tirada do Lutécia pela sonda Rosetta. Nos próximos dias, os especialistas devem se debruçar sobre os dados coletados, antes de anunciar qualquer conclusão sobre o asteroide. [Imagem: ESA]
A sonda Rosetta, da Agência Espacial Europeia (ESA), cruzou o caminho do asteroide Lutécia a uma distância de pouco mais de 3 mil quilômetros e enviou uma enorme quantidade de dados científicos de volta à Terra neste sábado. A rocha de cerca de 120 km de extensão na sua dimensão mais longa é o maior asteroide já investigado por um satélite. Imagens enviadas pela sonda mostram que o Lutécia parece ter um formato bastante irregular e sua superfície é marcada por um grande número de crateras, abertas por impactos com outros corpos, além de algumas reentrâncias que intrigaram os cientistas. O encontro espacial aconteceu a cerca de 454 milhões de quilômetros da Terra, além da órbita de Marte. A expectativa dos cientistas é de que os dados gerados pela nave ajudem a identificar as or…

Cientistas japoneses esclarecem sobre o conteúdo do interior da Lua

Imagem
Através da sonda japonesa Kaguya os cientistas encontraram 245 pontos com evidências da presença do mineral olivina, oriundo do interior lunar, distribuídos nos anéis das crateras principais, tais como a cratera Schrödinger, mostrada aqui. Os pesquisadores têm uma boa idéia dos minerais que formam a superfície da Lua, graças as milhares de rochas lunares trazidas pelos astronautas das missões Apollo e vastas quantidades de informação coletadas através de sensoriamento remoto. Mas o que fica abaixo da crosta lunar? Os cientistas japoneses acreditam ter uma resposta parcial: dados compilados pela sonda orbital lunar japonesa Kaguya sugere que o material do interior lunar, um mineral relativamente pesado chamado olivina, poderia ser encontrado nos anéis de suas crateras principais. Em geral os cientistas planetários concordam que a lua se formou a partir de escombros lançados no espaço quando um planeta errante do tamanho de Marte chamado Théia colidiu com a Terra há cerca de 4,5 bilhões …

Telescópio Hubble registra show de luzes em buraco negro

Imagem
A explosão de luz veio de uma bolha de matéria chamada HST-1- Foto: Nasa/Divulgação
O telescópio espacial Hubble, da Nasa (agência espacial americana), testemunhou um verdadeiro show de luzes vindo de um buraco negro no centro de uma galáxia. A explosão de luz veio de uma bolha de matéria chamada HST-1, embutida em um jato de matéria, um poderoso e estreito raio de gás quente produzido por um buraco negro que fica no centro de uma galáxia elíptica e gigantesca, a M87. O HST-1 é tão brilhante que está ofuscando até o centro brilhante da galáxia M87, cujo buraco negro é um dos maiores já descobertos. A massa de gás brilhante tem dado um espetáculo para astrônomos. Os cientistas observaram o brilho estável do HST-1 por vários anos, até que ele se apagasse. E então o HST-1 se reacendeu e agora os astrônomos afirmam que é difícil prever o que vai acontecer. O telescópio Hubble está observando esta atividade nos últimos sete anos, fornecendo imagens detalhadas dos eventos. O telescópio dá aos …

Novo tipo de buraco negro tem 500 vezes o tamanho do Sol

Imagem
Ilustração mostra o HLX-1, que pode ajudar os cientistas a entender as origens dos buracos negros supermassivos Foto: Heidi Sagerud/ESA/Divulgação
Uma equipe internacional de cientistas descobriu uma nova classe de buracos negros médios, com tamanho 500 vezes superior ao do Sol. O novo tipo, batizado de HLX-1 (Hyper Luminous X-Ray source 1) fica em uma galáxia situada a 290 milhões de anos-luz da Terra e foi detectado pelo Observatório Newton X-ray, da ESA, agência espacial europeia. As informações são do jornal espanhol El Mundo. Os responsáveis pelo estudo, do Centro de Estudos Espaciais des Rayonnements de Toulouse, na França, disseram que o achado indica um importante avanço para entender as origens dos buracos negros supermassivos que se encontram no centro da Via Láctea, onde fica a Terra, e em outras galáxias. Apesar da comunidade internacional ter dúvidas sobre a existência de uma categoria com tamanho intermediário, os responsáveis pela investigação acreditam que esta prova se…

Buracos negro proximo a terra

Imagem
Nasa registra fusão de buracos negros próxima à Terra
Na imagem, o ponto brilhante no centro representa os buracos negros interagindo e a poeira cósmica (em vermelho, laranja e amarelo) são os dados captados pelos instrumentos do Chandra X-ray

Foto: NASA/Divulgação A Nasa, agência espacial americana, divulgou nesta quarta-feira a imagem de uma fusão entre dois buracos negros a apenas 3 mil anos-luz de distância da Terra. A interação no sistema NGC 6240 foi registrada a partir de fotos captadas pelo observatório espacial Chandra X-ray e pelo telescópio Hubble.Na imagem, o ponto brilhante no centro representa os buracos negros e a poeira cósmica (em vermelho, laranja e amarelo) são os dados captados pelos instrumentos do Chandra X-ray. Segundo os cientistas, os buracos negros estavam próximos um do outro e se atraíram por estarem no meio de um espiral durante um processo que começou há cerca de 30 milhões de anos. A estimativa dos astrônomos é que os dois devam se fundir em algumas dezena…

Mapa da Lua

Imagem
Estamos tão acostumados com a presença da Lua no céu que às vezes nem a percebemos. Ela está ali, natural, como sempre esteve. Algumas vezes, no entanto, especialmente durante a fase cheia, sua beleza e brilho ímpares são difíceis de não serem notados. O problema é que, mesmo estando sempre disponível, poucas pessoas são capazes de reconhecer as crateras e os mares que formam a paisagem lunar. Os locais de pouso das missões Apollo são ainda mais desconhecidos pela maioria da população. Para dar uma mãozinha a quem tem interesse na observação do nosso satélite, seja à vista desarmada ou através de algum instrumento, essa pequena carta lunar poderá ajudar a dar os primeiros passos na exploração da Lua, mesmo bem longe dela. As legendas mostram os acidentes geográficos vistos com mais facilidade enquanto os círculos amarelos numerados indicam os locais em que as missões Apollo fizeram as explorações humanas entre 1969 e 1975. Copérnicus - Uma cratera muito fácil de observar. Tem 92 km de …

HD 209458 b: VLT detecta pela primeira vez uma super tempestade em exoplaneta

Imagem
Impressão artística do exoplaneta HD 209458 b por L. Calçada (ESO)
Pela primeira vez os astrônomos conseguiram avaliar uma mega-tempestade na atmosfera de um exoplaneta, um “Júpiter quente”. As observações do comportamento atmosférico do monóxido de carbono mostraram que este gás se move em um turbilhão de alta velocidade que se desloca do lado diurno super aquecido para o lado noturno mais frio. Além disso, os astrônomos descobriram algo inédito: mediram a velocidade orbital do próprio exoplaneta, permitindo assim a determinação direta de sua massa. “HD 209458 b claramente não é um local hospitaleiro. Ao estudar o venenoso monóxido de carbono com precisão, descobrimos evidências de um super vento, que sopra a uma velocidade espantosa de 5.000 a 10.000 km por hora,” disse Ignas Snellen, que lidera a equipe de astrônomos.
Em rotação sincrônica com seu sol
HD 209458 b, também conhecido como Osiris, é um exoplaneta gigante gasoso com massa de 0,64 (± 0,09) MJ (Massa de Júpiter), que orbita…

ÁGUA PERCORREU MARTE HÁ MUITO MENOS TEMPO DO QUE SE PENSAVA

Imagem
Glaciares derreteram e formaram rios em Marte há poucas centenas de milhões de anos atrás. Esta imagem mostra um rio que nasceu de um antigo glaciar de uma cratera ainda sem nome a latitudes médias em Marte.

Crédito: NASA/JPL/MSSS Investigadores afirmam agora que a água percorreu Marte tão recentemente quanto há várias centenas de milhões de anos, quando a luz solar derreteu uma fina camada de gelo glacial. A evidência baseia-se em dúzias de canais em Marte, escavados pelo derreter do gelo glacial durante o período mais frio e seco que dominou o Planeta Vermelho durante os últimos 3,5 mil milhões de anos, afirmam os cientistas. Tais jovens provas surpreenderam os investigadores, porque sugere que a água corrente existia em Marte há muito menos tempo do que se pensava. "Nós pensamos que Marte é muito, muito frio e muito, muito seco, por isso o facto de existirem estes canais, nestes tipos de condições, está a mudar o modo como vemos a história da água no planeta," afirma o líde…

Vênus pode ter sido habitável

Imagem
Em suas mais absurdas fantasias, cientistas espaciais podem pensar em formar colônias humanas na Lua ou em Marte, mas não cogitam Vênus. Hoje em dia o planeta é inóspito, devido à altíssima temperatura da superfície e sem ter praticamente nenhuma umidade. Mas não foi sempre assim. Cientistas da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) afirmam que Vênus pode já ter sido possuidor de largos oceanos e rios caudalosos, que permitiriam a vida de uma população tão variada quanto a que temos aqui na Terra. A teoria é que a água foi se esvaindo devido à radiação ultravioleta do sol, que quebrava as moléculas de água (sim, separava o “H2” – Hidrogênio – do “O” – Oxigênio – e fazia os átomos evaporarem e se perderem no espaço), o que foi minando a água pouco a pouco, ao longo de milhões de anos. No entanto, isso é uma teoria, os cientistas afirmam que não se pode dizer, com certeza, que de fato havia oceanos. De qualquer maneira, o planeta foi se modelando, e aquela superfície que sup…

Buracos negros monstruosos resultam de colisões entre galáxias

Imagem
Buracos negros massivos são as maiores fontes de radiação do Universo e, aparentemente, são criados quando acontece uma colisão entre duas galáxias. Os cientistas notaram isso quando perceberam que algumas galáxias podem gerar uma energia radioativa muito maior do que seria possível apenas com a presença de estrelas e de outros planetas – e elas conseguiam gerar mais energia do que toda a Via Láctea junta, mas em um espaço menor do que o nosso sistema solar. Agora os astrônomos suspeitam que isso seja resultado da absorção da matéria através de buracos negros – que, de tão grandes, podem ser bilhões de vezes maiores do que nosso Sol. O novo estudo reforça a idéia de que esses núcleos ativos seriam resultado da junção de duas galáxias, que por sua força gravitacional, se tornam apenas uma. As colisões também resultariam em bastante material para que um enorme buraco negro pudesse ser alimentado e crescesse– quando não “engole” matéria, o buraco negro vai perdendo as forças até desapare…

Buraco negro expele enormes bolhas de gás

Imagem
Um buraco negro recém descoberto foi encontrado liberando uma quantidade estrondosa de energia pelos pares de jatos mais poderosos já vistos em um objeto cósmico como esse.Os astrônomos disseram que os jatos fortes desse tipo de buraco negro, chamado microquasar, se chocam em volta dos gases interestelares, os aquecendo e criando uma bolha gigante de gás quente que tem mil anos-luz de diâmetro. Confira a foto abaixo: Microquasares são buracos negros com jatos de partículas de alta velocidade. Alguns são conhecidos por produzir bolhas de gás graças a interação entre os jatos e o meio interestelar, mas estas bolhas são relativamente pequenas – menores que dez anos-luz de diâmetro. A bolha de gás observada é duas vezes mais larga e dez vezes mais poderosa do que as outras. É impressionante a quantidade de energia injetada neste buraco negro. Segundo os pesquisadores, ele é feito de apenas várias massas solares, mas é a versão em miniatura do quasar e do rádio mais poderosos da galáxia, qu…

Foto incrível: onde está Plutão?

Imagem
Apesar de não ser mais considerado um planeta e sim um planeta anão, Plutão ainda tem muitos astrônomos em seu encalço. Nessa época é muito difícil avistá-lo, já que ele está passando pelo campo de estrelas de Sagitário e pelo centro da Via Láctea que, por serem muito povoados de estrelas, podem esconder o ex-planeta. E você, consegue vê-lo nessa foto? Ele está bem no centro, marcado por dois pequenos riscos (um vertical e outro horizontal). Achou? Os astrônomos só conseguiram identificá-lo por ele estar atravessando uma nebulosa escura, a Banard 92, que o destacou dos demais astros. A paisagem que preenche o resto da fotografia é o aglomerado de estrelas de Sagitário. [Nasa] Fonte:hypescience.com

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...