Postagens

Mostrando postagens de Setembro 30, 2010

Mimas e o sistema de anéis de Saturno

Imagem
Crédito: Cassini Imaging Team, SSI, JPL, ESA, NASA. Nesta espectacular e única imagem obtida pela sonda Cassini em órbita em torno de Saturno podemos ver parte do sistema de anéis deste gigante do Sistema Solar, bem como um dos seus satélites, Mimas, visível na parte de cima, à direita da imagem. Mimas tem apenas 400 km de diâmetro, mas possui na sua superfície uma cratera com ... 130 km de diâmetro! A altura das paredes desta cratera ultrapassa os 5 km, fazendo dela a maior cratera do Sistema Solar quando comparada com as dimensões do astro progenitor. Um cratera semelhante na Terra teria de ter 4000 km de extensão! Pensa-se que esta cratera se deverá ter formado devido ao impacto de um enorme asteróide. Fonte: Portal do Astronomo

Um Espetáculo Galáctico

Imagem
As galáxias Antenas, estão localizadas a aproximadamente 632 milhões de anos-luz de distância da Terra e são aqui mostradas numa composição feita pelos Grandes Observatórios da NASA, que consiste no Observatório de Raios-X Chandra (azul), o Telescópio Espacial Hubble (dourado e marrom) e o Telescópio Espacial Spitzer (vermelho). As galáxias Antenas possuem esse nome pois têm braços em forma de antenas que só são vistos em imagens amplas do sistema. Essas feições como antenas foram produzidas por violentas forças de maré geradas durante a colisão entre as galáxias. A colisão que começou a mais de 100 milhões de anos atrás e ainda está acontecendo disparou a formação de milhões de estrelas em nuvens de gás e poeira nas galáxias. A mais massiva dessas jovens estrelas já finalizou sua evolução em alguns milhões de anos e explodiu como supernova. Fonte: http://www.nasa.gov/multimedia/imagegallery/image_feature_1771.html

O Coração Negro do Rei

Imagem
O Wide-field Infrared Survey Explorer da NASA, ou WISE, registrou essa imagem de uma nuvem escondida de formação de estrelas complexa de gás e poeira localizada na constelação de Cepheus. Cepheus, pai de Andromeda, foi o rei mitológico na Grécia antiga. Essa imagem da nebulosa escura localiza-se próximo do coração do rei como era imaginado pelo gregos antigos. A poeira nessa nebulosa bloqueia a luz que passa através dela e a nuvem e seu conteúdo ficam ainda mais escondidos quando observados na luz visível. O que aparece a olho nu como a escuridão total do espaço é de fato uma nebulosa escura. A visão infravermelha do WISE consegue penetrar pela poeira e observar as estrelas dentro da nuvem bem como detectar o brilho da poeira que constitui a nuvem. Diferentes partes desta nebulosa tem uma grande variedade de nome em diferentes catálogos astronômicos. A porção central é conhecida como IRAS 22298+6505. A sigla IRAS está relacionada com o projeto Infrared Astronomical Satellite, um antec…

O Pólo Sul da Lua

Imagem
O pólo sul da Lua é um dos lugares mais tentadores de todo o Sistema Solar. Essa região da Lua é importante tanto para os cientistas lunares e engenheiros que planejam futura explorações humanas ao satélite. Os elevados maciços da Bacia Aitken no Pólo sul podem ser acessados e esses maciços contém material derretido pelo impacto que darão a oportunidade aos cientistas de determinar sem dúvida a idade dessa imensa bacia. Além disso, com as cratera permanentemente escondidas no lado escuro da Lua, sem receber a luz solar, elas podem armazenar verdadeiros reservatórios de gelo e outros compostos voláteis que podem ter uma valor para futuras explorações. Adicionalmente a isso esses depósitos voláteis podem conter um registro sem preço da composição da água que data do início do nosso Sistema Solar, sem dúvida alguma uma conjunto de dados sem comparação para ajudar nas investigações astrobiológicas. Finalmente, alguns picos de montanha próximo ao pólo são iluminados por períodos extensos c…

Conheça o diamante de 10 bilhões de trilhões de quilates

Imagem
Você já viu algum diamante que parecesse uma estrela? E uma estrela que é um diamante? Pois saiba que astrônomos descobriram, brilhando no céu, uma estrela de 10 bilhões de trilhões de quilates. O diamante cósmico é um pedregulho de carbono cristalizado (diamante) de 4mil quilômetros de diâmetro e localiza-se a 50 anos luz de distância da Terra, na constelação de Centauro. Ele é, na prática, o centro comprimido de uma velha estrela que, em algum dia remoto, foi como o nosso Sol. Mas desde que a energia da estrela acabou ela foi se comprimindo e acabou virando esse enorme diamante. Ela pode ser conhecida como uma “anã branca” cristalizada, que é como os astrônomos chamam as sobras do centro de uma estrela que morreu. Como esses interiores são feitos de carbono, os cientistas já suspeitavam que eles pudessem se cristalizar na forma de diamantes, mas provar isso só se tornou possível recentemente. Os astrônomos a batizaram de “Lucy”, em homenagem à música dos Beatles “Lucy in the sky wit…

Sonda da NASA mostra imagens de uma misteriosa cauda de Mercúrio

Imagem
Os cometas não são os únicos objetos do sistema solar que tem um rabo: a missão STEREO, da NASA, detectou uma cauda de gás brilhante se esticando para fora do planeta Mercúrio. Ele é cercado por uma camada suspensa de gás muito fino, e a radiação do sol empurra a cauda dos átomos dessa camada por mais de 1,61 milhões de quilômetros. Os dois satélites envolvidos na missão STEREO foram projetados para observar a atmosfera do sol a partir de posições na órbita da Terra que seguem na frente e por trás do nosso planeta. Ian Musgrave, um pesquisador australiano, estava olhando o banco de dados e imagens on-line da STEREO, quando notou que as imagens gravadas também mostravam as emissões da cauda de Mercúrio. Quando ele comentou com cientistas do Centro da Universidade de Boston de Física Astronômica o que tinha visto, os profissionais ficaram intrigados. Segundo eles, esse é mais um dos vários casos de detecções por ambos os satélites da STEREO: o “rabo” não é exatamente novo. Alguns anos a…

Nova descoberta sugere que Via Láctea pode ter bilhões de planetas habitáveis

Imagem
Gliese 581g tem tamanho, gravidade e temperatura compatíveis com a vida, dizem descobridores Astrônomos descobriram um planeta de tamanho próximo ao da Terra orbitando dentro da chamada "zona habitável" de uma estrela. Trata-se do segundo planeta encontrado na zona habitável de Gliese 581. Segundo os autores, a descoberta abre a possibilidade de haver dezenas de bilhões de mundos potencialmente habitáveis na galáxia. Ilustração de Gl 581g, planeta potencialmente habitável                                                             Zina Deretsky/AP A zona habitável é definida como a distância da estrela onde a energia que atinge o planeta é suficiente para manter água em estado líquido, na superfície ou logo abaixo do solo. O planeta é um de dois novos astros encontrados em órbita da estrela Gliese 581, a 20 anos-luz da Terra. Chamado Gliese 581g, o planeta tem um período orbital de 36,6 dias, uma massa que pode estar entre 3,1 vezes e 4,3 vezes a massa da Terra e um raio até 50…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...