Postagens

Mostrando postagens de Novembro 17, 2010

Retrato de Família Estelar Leva Técnica de Imagem a Novos Extremos

Imagem
Uma imagem extraordinária do ESO revela o enxame estelar jovem Trumpler 14 em todo o seu esplendor. A quantidade de detalhes observados neste retrato, que mostra de forma magnífica a vida de uma grande família de estrelas, deve-se ao instrumento MAD (Multi-conjugate Adaptive optics Demonstrator) montado no Very Large Telescope do ESO. Nunca um pedaço tão grande de céu tinha sido fotografado anteriormente usando a técnica de óptica adaptativa, segundo a qual os astrónomos são capazes de remover a maior parte dos efeitos da atmosfera terrestre que tornam uma imagem turva. Leia a matéria completa em:http://www.eso.org/public/portugal/news/eso0947/ Fonte: http://www.eso.org

A Terra, a Lua e Júpiter Vistos Desde Marte - O Poder da Câmera HiRISE

Imagem
O instrumentoHiRISE que vasculha o planeta Marte seria um excelente telescópio se estivesse em qualquer lugar na Terra, por esse motivo é possível utilizá-lo para observar outros planetas a partir de Marte, como Júpiter, a Terra e outros.Essa imagem do conjunto Terra e Lua foi adquirida no dia 3 de Outubro de 2007 a uma distância de 142 milhões de quilômetros e que dá a ela uma escala de 142 km/pixel sendo a Terra com um diâmetro de 90 pixels e a Lua com um diâmetro de 24 pixels. O ângulo de fase é de 98 graus o que significa que menos da metade dos discos da Terra e da Lua estavam sendo diretamente iluminados. Só é possível fazer imagens do conjunto Terra/Lua com todo o disco iluminado quando eles estão no lado oposto do Sol a partir de Marte, mas nesse caso a distância é maior e a imagem consequentemente será menos detalhada. No dia que essa imagem foi feita a sonda japonesa Kayuga (Selene) estava cumprindo sua trajetória entre a Terra e a Lua e fez imagens e filmes espetaculares do…

M 86 - Uma galáxia em aproximação

Imagem
Localizada no enxame de galáxias da Virgem, M 86 (ou NGC4406) é uma enorme galáxia elíptica que se move a mais de 5 milhões de km/h através de gás quente difuso que semeia o aglomerado. O movimento supersónico de M 86 faz com que a galáxia perca gás no caminho, formando a cauda espectacular visível na imagem de raios-X obtida com o satélite Chandra. Esta galáxia é peculiar no sentido em que pertence ao pequeno grupo de galáxias que se está a aproximar da Terra, em vez de se estar a afastar devido à expansão do Universo. A expansão está a afastar o enxame da Virgem de nós a uma velocidade de 3 milhões de km/h, mas M 86 está a aproximar-se de nós, vinda do lado mais afastado do enxame, a uma velocidade de cerca 1,5 milhões de km/h.
Fonte: http://www.portaldoastronomo.org/npod.php

Super telescópio espacial é ameaçado por problemas de gestão

Imagem
Ciência boa, administração ruim

"Os problemas que estão causando a elevação dos custos e os atrasos no cronograma do Projeto JWST estão associados com problemas de orçamento e de gestão do programa, e não por questões de desempenho técnico."
Um dos objetivos do James Webb será identificar as mais distantes galáxias, que se formaram quando o Universo era muito jovem, e tentar ligar a formação da Via Láctea com o Big Bang. [Imagem: NASA]

É assim que começa um relatório independente que revisou o projeto do James Webb Space Telescope (JWST), um super telescópio que deverá substituir, e superar largamente, o telescópio espacial Hubble. A avaliação foi pedida pela senadora Barbara Mikulski, que afirma apoiar a astronomia espacial, mas não que não gosta de orçamentos furados. E ela parecia ter razão. A comissão independente avaliou que a própria NASA não percebeu erros no orçamento original e que tampouco os gerentes do projeto tomaram as medidas adequadas. A NASA respondeu que "…

A força gravitacional da Terra pode ter alterado a superfície da Lua

Imagem
Segundo um novo estudo, a Terra pode ter alterado a formação da superfície lunar. Os cientistas afirmam que a atração gravitacional do planeta distorceu a forma da Lua. Isso levou a um “abaulamento” no equador da Lua e pode explicar por que o seu lado escuro (não vísivel) é mais elevado do que o lado visível (o hemisfério voltado à Terra) até hoje. O lado escuro da Lua permanece um mistério em muitos aspectos. Essa área, com muitas crateras e algumas das planícies vulcânicas que caracterizam o lado visível da Lua com o qual os seres humanos estão familiarizados, é muito mais alta, vários quilômetros maior em alguns pontos.

Agora, os cientistas acreditam que a culpa disso é da Terra. Mais de quatro bilhões de anos atrás, logo após a Lua ter se formado, mas antes dela solidificar sua essência, sua crosta flutuava sobre um mar de magma. Durante este tempo, a Terra foi capaz de dar um “puxão” nesta crosta flutuante, distorcendo-a, em um processo parecido com os “puxões” que a Lua exerce s…

Imagem em alta definição revela cone de vulcão no Planeta Vermelho

Imagem
A imagem em alta definição revela o centro de um pequeno cone ao lado um de um dos grandes vulcões de Marte. Crédito: NASA/JPL-Caltech/Universidade do Arizona.
Quem estáacostumado a ver imagens da superfície de Marte nos tradicionais tonsavermelhados pode se surpreender com essa belíssima imagem, que mostra um pequeno cone ao lado de um dos maiores vulcões do planeta. Num primeiro momento parece que estamos vendo a Terra, tamanha semelhança com nossas paisagens. A imagem divulgada pela agência espacial americana (Nasa) é datada de maio de 2007 e revela algumas camadas de rocha dura que compõem o cone, mas apesar da aparência a maior parte é composta de material relativamente macio. Segundo os cientistas, este parece um exemplo de um cone composto por pedaços de lava lançados durante uma pequena erupção vulcânica. Normalmente, as erupções produzem lava derretida. Esse material pode ter sido resfriado entre a pilha de pedras soltas misturada à lava, resultando no aspecto rochoso da image…

Sonda coletou em asteroide mineral que não existe na Terra

Imagem
A cápsula continha 1.500 partículas de poeira do asteroide Itokawa, a maioria das quais medindo menos do que 10 micrômetros de diâmetro. [Imagem: JAXA]
Poeira de asteroide
Depois de uma reentrada espetacular na atmosfera da Terra, houve grande decepção quando se descobriu que a cápsula da sonda japonesa Hayabusa estava praticamente vazia. Ela deveria estar cheia de pó de rocha escavada do asteroide Itokawa, sobre o qual a Hayabusa fez um pouso acidentado em 2005.Mas uma análise mais detalhada revelou que a cápsula não estava totalmente vazia. E ela não só continha 1.500 partículas de poeira de asteroide, como algumas dessas partículas contêm pelo menos um mineral que não existe naturalmente na Terra. A maioria das partículas mede menos do que 10 micrômetros de diâmetro, e só foram identificadas com o uso de um microscópio eletrônico.
Mineral extraterrestre
Mas como os técnicos descobriram que a poeira no interior da cápsula era mesmo do asteroide, e não fruto de contaminação aqui da Terra…

Reull Vallis em Marte

Imagem
Crédito: ESA/DLR/FU Berlin (G. Neukum).
Imagem tridimensional do Reull Vallis, em Marte, obtida pela sonda europeia Mars Express a 15 de Janeiro de 2004, a uma altitude de 273 quilómetros. O Reull Vallis está situado a Este da bacia Hellas com latitude 41º Sul e longitude 101º Este. A imagem representa uma área com cerca de 100 quilómetros e a sua resolução é de 12 metros por pixel. O Reull Vallis foi provavelmente formado por água corrente. Fonte:http://www.portaldoastronomo.org

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...