Postagens

Mostrando postagens de Novembro 18, 2010

Irmãs do céu empoeirado

Imagem
Esbarrando em nuvens de poeira cósmica localizadas a aproximadamente 400 anos-luz de distância da Terra estão as amáveis Plêiades ou as Sete Irmãs, um aglomerado de estrelas muito bem conhecido pelo fato de brilhar como uma nebulosa de reflexão azul. No céu empoeirado na direção da constelação de Taurus e no Braço de Orion da Via Láctea, essa impressionante imagem mostra o famoso aglomerado de estrelas no canto superior esquerdo. Mas menos conhecida as nebulosas empoeiradas localizadas ao longo da fértil região da nuvem molecular, dentro de um campo de 10 graus de largura incluindo a imagem da feição em forma de pássaro conhecida como LBN 777, próximo ao centro da imagem. A nebulosa de reflexão azulada VdB 27 no canto inferior direito está associada com a estrela nova e variável RY Tau. Considerando a distância das Plêiades o mosaico se espalha por 70 anos-luz de comprimento. Fonte:http://antwrp.gsfc.nasa.gov/apod/ap101118.html

Hubble detecta nascimento de estrelas em galáxias envelhecidas

Imagem
Fusão com galáxias menores rejuvenesce as antigas galáxias elípticas
Cientistas costumavam acreditar que galáxias elípticas era relíquias antigas, onde o auge do surgimento de novas estrelas teriam ficado bilhões de anos no passado. No destaque, o núcleo de NGC 4150, com a região de novas estrelas em azul.HST/Nasa-ESA Mas novas observações do Telescópio Espacial Hubble estão ajudando a mostrar que as galáxias elípticas ainda têm algum vigor juvenil, graças ao contato com galáxias menores. Imagens do núcleo da galáxia NGC 4150, feitas na faixa do ultravioleta próximo, revelam fiapos de poeira e gás e aglomerados de jovens estrelas azuis, com bem menos de um bilhão de anos de idade. A evidência indica que o nascimento de estrelas foi desencadeado pela fusão com uma galáxia anã. O novo estudo ajuda a reforçar a ideia de que a maioria das galáxias elípticas tem estrelas jovens. "Acreditava-se que as galáxias elípticas já haviam produzido todas suas estrelas bilhões de anos atrás",…

Westerlund 1

Imagem
O exameaberto Westerlund 1 foi descoberto na Austrália em 1961 pelo astrónomo sueco Bengt Westerlund, o qual foi posteriormente Director do ESO (1970-74). Este enxame encontra-se por trás de uma enorme nuvem interestelar de gás e poeira, que bloqueia a maior parte da radiação visível. O fator de obscurecimento é de mais de 100 000, e é a razão pela qual se demorou tanto tempo a descobrir a verdadeira natureza deste enxame tão particular. Westerlund 1 é um laboratório natural único no estudo da física estelar extrema, ajudando os astrónomos a descobrir como vivem e morrem as estrelas de maior massa da nossa Via Láctea. A partir de observações, os astrónomos concluíram que este enxame extremo deve conter, muito provavelmente, nada menos do que 100 000 vezes a massa do Sol, e todas as suas estrelas se situam numa região com menos de 6 anos-luz de comprimento. Westerlund 1 parece ser assim o enxame jovem de maior massa mais compacto identificado na galáxia da Via Láctea. Todas as estrelas…

Estrelas Supermassivas

Imagem
Após as camadas externas de uma estrela crescerem mais do que cinco massas solares, ela se inchará em uma supergigante vermelha. O núcleo começa a perder para a gravidade e a encolher. Quanto mais ele encolhe, mais se torna quente e denso e uma nova série de reações nucleares começa a ocorrer. Essas reações fundem progressivamente elementos pesados, temporariamente adiando o colapso do núcleo. As camadas "tais como de uma cebola" de uma estrela massiva próxima do colapso de seu núcleo. (fora de escala)
Eventualmente, a estrela prossegue para elementos mais pesados na tabela periódica, fusão silício para ferro-56. Até então, a estrela tinha sido mantida pela energia liberada pelas reações de fusão de elementos mais leves, mas o ferro não pode fornecer energia através da fusão; ao invés disso, a fusão do ferro absorve energia. Uma vez que isto ocorra, não haverá mais o fluxo de energia para se contrapor à enorme força da gravidade, e o interior da estrela colapsa quase instantan…

Imagem de uma estrela de nêutrons

Imagem
A estrela de nêutrons tem o campo magnético mais forte do universo
Agência Espacial Européia (ESA) divulgou a imagem de uma estrela de nêutrons que tem o campo magnético mais forte do universo. Segundo a agência Européia, o telescópio espacial XMM-Newton tem descoberto novos dados sobre as explosões que emitem campo magnético. O Magnetar (estrela do nêutrons) tem um campo magnético de 100 trilhões de Gauss e está a 20 mil anos-luz de distância, em direção a constelação de Vulpecula. Fonte:http://noticias.terra.com.br/ciencia/

Novas Imagens do WISE Revelam Estranha Criatura no Oceano Cósmico

Imagem
Essa imagem é uma composição mostrando duas visões da estrela moribunda, ou da nebulosa planetária conhecida como NGC 1514. A visão da esquerda é obtida pelos telescópios baseados na Terra e feita com a luz visível, e a imagem da direita mostra o objeto na luz infravermelha, como vista pelo Wide-field Infrared Survey Explorer ou WISE da NASA. Crédito da Imagem: NASA/JPL – Caltech/UCLA
Uma nova imagem feita pelo Wide-field Infrared Survey Explorer da NASA mostra o que parece ser uma água-viva brilhante flutuando no fundo de um mar negro. Na realidade, essa criatura pertence ao universo – ela é uma estrela moribunda que está envolta por um gás fluorescente e dois anéis bem incomuns. Eu me lembrei da exibição de águas-vivas no Monterey Bay Aquarium – belas coisas flutuando na água, exceto por essa que está flutuando no espaço”, disse Edward Wrigth, o principal pesquisador da missão WISE na UCLA, e o coautor de um artigo que relata essa descoberta no Astronomical Journal. O objeto é conheci…

Detalhe da Nebulosa do Haltere

Imagem
Close-Up de M27, a Nebulosa do Haltere. Crédito: NASA / ESA e da equipe do Hubble (STScI / AURA)
Uma estrela já velha em seu último suspiro está criando nós brilhantes de gás que parecem estar listrando o espaço nessa imagem detalhada da Nebulosa do Haltere feita pelo Telescópio Espacial Hubble.A Nebulosa do Haltere é uma nebulosa planetária próxima, localizada a 1200 anos-luz de distância da Terra e é o resultado de uma velha estrela que está perdendo suas camadas mais externas e que estão brilhando em diferentes cores. A nebulosa também é conhecida como o objeto Messier 27, ou M27, e foi a primeira nebulosa planetária descoberta pelo astrônomo francês Charles Messier que a registrou em 1764.
Fonte: http://spacefellowship.com/news/art23886/picture-of-the-day-close-up-of-the-dumbbell-nebula.html

Cientistas descobrem estrelas duplas que estão prestes a explodir

Imagem
Anãs brancas dos sistemas binários descobertos estão a ponto de se fundir em explosões de supernova Ilustração do processo de transferência de massa entre componentes de binária./Divulgação Pesquisadores que rastreavam estrelas supervelozes que estão escapando da Via-Láctea anunciam que a busca também revelou uma dezena de sistemas de estrelas duplas, metade dos quais pode explodir como supernovas num futuro astronomicamente próximo.
Todas as estrelas binárias recém-descobertas consistem em pares de anãs brancas. Uma anã branca é o núcleo que resta depois que uma estrela semelhante ao Sol expele suas camadas externas e morre. Essas estrelas são muito densas, reunindo uma massa próxima à do Sol num volume comparável ao da Terra. "Esses são sistemas bizarros: objetos do tamanho da Terra que orbitam um ao outro a uma distância menor que o raio do Sol", disse o astrônomo Warren Brown, principal autor dos dois artigos científicos que descrevem as descobertas, do Centro de Astrofísi…

Constelação Cabeleira de Berenice

Imagem
Características da constelação:
Uma pequena e fraca constelação adjacente a Boieiro, que foi introduzida por Tycho Brahe por volta de 1602. A constelação é notável pelo número de galáxias que contém, que pertencem aos enxames de galáxias da Cabeleira de Berenice e de Virgem. As estrelas que formam a constelação não são muito interessantes para se olhar, pois são apenas estrelas de 4ª magnitude, incluindo três estrelas de Bayer. No entanto existem uns razoáveis binários, oito objectos de Messier e o enxame da Cabeleira. De Denébola (beta Leonis) desenhe uma linha até à brilhante estrela a sudeste, Arcturo (alpha Bootis). Alpha Comae encontra-se nesta linha mais ou menos a meio. Agora proceda norte de alpha Comae até beta Comae e depois oeste mais ou menos a mesma distância até gamma Comae.
 Estas três estrelas formam metade de um rectângulo quase perfeito. Não são muito brilhantes, e precisará de ter um céu bem escuro para as estudar. Alpha Comae, por vezes chamada Diadem, tem o mesmo di…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...