Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 14, 2011

VISTA Perscruta as Profundezas da Lagoa Azul

Imagem
Estanova visãode infravermelhoda região deformação estelarMessier8,muitas vezes chamado deNebulosada Lagoa,foicapturadapelo telescópioVistaemParanaldo ESO, no Chile.Estaimagema coresfoicriadoa partir deimagens obtidascomJ, HeKsfiltrosde infravermelho próximo, e queforamadquiridos comopartede umapesquisaampladas partescentraisdaVia Láctea.O campo devisãoécerca de34por15minutos de arco. Esta nova imagem infravermelha da Nebulosa da Lagoa foi obtida num estudo da Via Láctea que durará 5 anos e que está a ser realizado com o telescópio VISTA do ESO instalado no Observatório do Paranal, no Chile. Esta é uma pequena parte duma imagem muito maior da região que rodeia a nebulosa, a qual é por sua vez apenas uma parte dum enorme rastreio. Os astrónomos utilizam actualmente o telescópio VISTA (acrónimo do inglês Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy) do ESO para esquadrinhar as regiões centrais da Via Láctea procurando objectos variáveis e mapeando a sua estrutura com um det…

Missão da ESA divulga dados iniciais de mapa completo do céu

Imagem
Imagem feita com Telecópio Planck, ainda incompleta, mostra casulos nunca vistos antes onde estrelas estão se formando A AgênciaEspacial Europeia (ESA) divulgou na terça-feira, 11, novos dados coletados pela missão do Telescópio Planck do mapa inicial de todo o céu e de sua radiação cósmica. O catálogo inclui casulos empoeirados nunca vistos antes onde estrelas estão se formando e algumas dos mais enormes conglomerados de galáxias já observados.A missão partiu para o espaço em maio de 2009 com o objetivo de detectar luz de poucos milhares de anos após o Big Bang, evento que se acredita tenha criado o Universo. No entanto, os detectores de última geração serão usados para fazer uma vistoria de todo o céu pelo menos quatro vezes, medindo sua radiação cósmica de fundo, ou a radiação derivada do Big Bang. Esses dados irão ajudar os cientistas a entender melhor a evolução e o destino do nosso Universo. Embora os resultados das leituras do telescópio só fiquem prontos em dois anos…

Nasa encontra mais distante aglomerado de galáxias do universo

Imagem
Objeto astronômico é também o mais jovem, pois é visto quando o Universo, ele mesmo, ainda era muito jovem O descobrimento de galáxias acontece de forma relativamente frequente e não costuma ser um tópico muito especial, mas a recente descoberta das galáxias mais distantes conhecidas está atraindo uma atenção significativa. Foram necessários vários telescópios multi comprimento de onda ultra-potentes para avistar o aglomerado de galáxias, que fica aproximadamente 12,6 bilhões anos-luz da Terra e foi chamado de COSMOS AzTEC3. Dado que o próprio universo é estimado em apenas 13,7 bilhões de anos, isso significa que nós estamos vendo a luz de uma galáxia que apareceu logo um bilhão de anos após o Big Bang – e a vida moderna como a conhecemos demorou aproximadamente um bilhão de anos apenas para evoluir de organismos simples a multicelulares. Para encontrar o aglomerado, telescópios procuraram super buracos negros, do tipo que emite radiação que rompe nuvens de gases e leva a formação de e…

Cassiopeia A: A Morte de Uma Estrela Gerou Essa Surpreendente Remanescente de Supernova

Imagem
Essa impressionante imagem em cores falsas mostra os muitos lados da remanescente de uma supernova conhecida como Cassiopeia A. Essa composição foi montada a partir de imagens feitas com três grandes observatórios da NASA, usando três diferentes bandas de frequência da luz. Dados infravermelhos vieram do Telescópio Espacial Spitzer e foram coloridos em vermelho, dados da faixa visível do espectro foram coletados pelo Telescópio Espacial Hubble e foram coloridos em amarelo, e dados de raios-X foram coletados pelo Observatório de Raios-X Chandra e foram coloridos em verde e azul. Localizada a 10000 anos-luz de distância na direção da constelação de Cassiopeia, a Cassiopeia A é a parte remanescente de uma estrela massiva que morreu por meio de uma violenta explosão de supernova há 325 anos atrás.

Ela consiste de uma estrela morta, chamada de estrela de nêutrons e uma concha de material ao redor que foi expelido pela estrela à medida que ela morria. Essa parte remanescente marca a mais re…

Um Aglomerado Estelar Massivo e Escondido Inundado com Estrelas Supergigantes Vermelhas

Imagem
O céu é como uma caixa de joias cheio de estrelas brilhantes que podem ser vistas nessa imagem em infravermelho. O detalhe da imagem é formado por 14 estrelas localizadas na fronteira de explodirem como supernovas. Essas estrelas residem no mais massivo aglomerado estelar da Via Láctea. O aglomerado azulado dentro da caixa branca na imagem maior, mostra a região estelar estudada ao redor. Essas grandes estrelas são uma pista sobre a massa do jovem aglomerado. Os astrônomos estimam que o aglomerado é no mínimo 20000 vezes mais massivo que o Sol. Cada estrela supergigante vermelha é aproximadamente 20 vezes mais massiva que o Sol.

A composição colorida maior foi feita pelo Telescópio Espacial Spitzer para o projeto Galactic Legacy Infrared Mid-Plane Survey Extraordinaire (GLIMPSE). A pesquisa penetrou a poeira escura através do espesso disco da nossa galáxia para revelar estrelas e aglomerados estelares nunca antes vistos. As falsas cores na imagem correspondem às emissões de luz infrav…

Combinação de Dados Lunares Revelam Diferenças na Elevação de Dois Mares (Tranquilidade e Serenidade)

Imagem
Créditos da imagem; Tom Harradine,
Do mesmo modo como tratamos dados da Terra, por exemplo, combinando imagens de diferentes satélites, fontes e origens, na Lua, podemos também fazer essa combinação o que nos permite observar nosso satélite natural com outros olhos. Essa imagem, aqui reproduzida, mostra a combinação, de uma foto saturada da Lua Cheia com mapas de terrenos obtidos recentemente pelo equipamento LOLA 64 DEM a bordo da sonda Lunar Reconnaissance Orbiter. Para criar essa visualização foi necessário processar os dados, o que atualmente não é muito crítico devido ao poderio computacional à disposição. O Sol ilumina a Lua nessa imagem com um ângulo de incidência de 1 grau e essa visão foi construída para mostrar uma perspectiva impossível de se obter quando observamos a Lua a partir da Terra. O ponto de vista é a partir das Montanhas Taurus, com o Mar da Serenidade (avermelhado à direita) e o Mar da Tranquilidade em azul à esquerda. Devido ao ângulo de iluminação e ao ângulo d…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...