Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 17, 2011

Galeria de Imagens - Os Mais Estranhos Planetas Alienígenas 2

Imagem
O mais novo exoplaneta conhecido
                                           Crédito: NASA
O mais novo exoplaneta já descoberto Coku Tau 4,é uma estrela que fica a  420 anos-luz de distância. Astrônomos descobriram a presença do planeta a partir de um enorme buraco no disco de poeira que circunda a estrela. O buraco é de 10 vezes o tamanho da órbita da Terra em torno do Sol e, provavelmente, causado por um espaço do planeta  na órbita da estrela. O mais leve                                            Crédito: David A. Aguilar / Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica Um planeta mais leve que uma bola de cortiça é um dos planetas extras solar mais leve conhecido atê a data. Chamado HAT-P-1, o planeta é cerca de metade da massa de Júpiter, mas cerca de 1,76 vezes maior ou 24 por cento maior do que o previsto pela teoria. Ela poderia flutuar na água, se havia uma banheira grande o suficiente para segurá-la.    Super Netuno                                                            Crédito: D…

Imagem tirada por telescópio mostra disco de estrelas e poeira

Imagem
Conjunto de estrelas está a 46 milhões de anos-luz de distância da Terra. Pontos brilhantes na imagem mostram estrelas de diferentes idades.
Foto de 2010, divulgada nesta quinta-feira, feita pelo telescópio espacial Hubble mostra galáxia espiral NGC 2841 A Nasa, agência espacial americana, divulgou nesta quinta-feira uma imagem em formato de disco feita pelo telescópio espacial Hubble em 2010, com quatro diferentes filtros de luz ultravioleta. A foto é, na verdade, o registro de várias estrelas e camadas de poeira estelar que estão na galáxia espiral NGC 2841. Com uma formação de estrelas relativamente baixa se comparado a outras espirais, a NGC 2841 fica a 46 milhões de anos-luz da constelação Ursa Maior. Fonte:http://www1.folha.uol.com.br

A Vida na Lua

Imagem
Cortesia da NASA
                                                                   Esboço de um observatório lunar tripulado
Desde que o programa Apollo colocou a Lua ao nosso alcance, estabelecer um posto lunar avançado pareceu ser o passo lógico seguinte. O satélite natural da Terra oferece inúmeras vantagens em relação à luas mais exóticas, como o Titan de Saturno. Primeiro, é relativamente perto, o que significa que as tripulações poderiam ir e vir em poucos dias. Também significa que a comunicação entre os colonizadores e os comandantes da missão na Terra não sofreriam atrasos significativos. A Lua também funcionaria como um aeroporto espacial ideal porque os foguetes seriam capazes de escapar de sua baixa gravidade sem gastar muita energia. Por fim, um observatório baseado na Lua tornaria mais fácil estudar o universo e aprender mais sobre para onde nossas futuras viagens devem nos levar. Mas viver na Lua não seria, digamos assim, um piquenique. Sem atmosfera, ela possui tempera…

Núcleo da Lua é parecido com o da Terra

Imagem
A Lua, o vizinho mais próximo da Terra, tem sido estudada há muito tempo para nos ajudar a entender o nosso próprio planeta. No momento, o que tem atraído grande interesse é o interior luna, que pode abrigar pistas de suas origens. Numa tentativa de extrair informações do interior mais profundo da Lua, uma equipe de pesquisadores liderados pela NASA aplicou uma nova tecnologia a antigos dados sísmicos obtidos pelas missões Apollo. Esses dados foram reanalisados e confirmou-se aquilo que os cientistas já previam: a Lua tem um núcleo. E ele é bem parecido com o da Terra.
Nasa/MSFC/Renee Weber Concepção artística do núcleo da Lua como
revelado nas novas descobertas da Nasa

Saber como é formado o núcleo da Lua pode ajudar os cientistas a entender o funcionamento do seu dínamo - um processo natural pelo qual nossa lua pode ter gerado e mantido seu próprio campo magnético forte. Os resultados obtidos pela equipe da Nasa, publicados na edição online de janeiro de 2011 da revista Science, sugere…

Phoebe - cometa capturado por Saturno?

Imagem
Crédito: Cassini Imaging Team, SSI, JPL, ESA, NASA.
Numa altura em que se preparava para a sua aproximação final a Saturno, a sonda Cassini obteve esta imagem da lua Phoebe. Imagens como esta têm levado os cientistas a por a hipótese de Phoebe se ter formado nas partes mais recônditas e afastadas do Sistema Solar e de ter, um dia, sido um cometa. De facto, a sua face irregular, a sua baixa densidade e a grande quantidade e variedade de crateras parecem ser consistentes com a hipótese de esta lua de Saturno ter sido um dia um cometa que terá sido, mais tarde, capturado pelo planeta gigante. Phoebe tem cerca de 200 km de diâmetro e esta imagem foi tirada pela sonda Cassini quando esta se encontrava a cerca de 30000 km de distância. Fonte:http://www.portaldoastronomo.org/npod.php?id=3056

Quais são as maiores luas do sistema solar?

Por ordem decrescente, as cinco maiores são: Ganimede,Titan, Calisto, Io e a Lua "original", a da Terra. As luas, ou satélites naturais, são astros que circulam em torno de um planeta. Existem cerca de 160 no sistema solar - só em volta de Júpiter são 63! Tem luas de todos os tamanhos. Ganimede e Titan chegam a ser maiores que o planeta Mercúrio - que tem 4 880 quilômetros de diâmetro. Já Deimos, em Marte, uma das menores luas conhecidas, tem apenas 12,6 quilômetros de diâmetro. Há várias explicações para o surgimento dos satélites naturais. A nossa Lua provavelmente pertenceu ao mesmo corpo da Terra até que um terceiro astro atingiu o bloco e o separou em dois pedaços. "Como a massa que ficou no pedaço da Terra era muito maior, a Lua foi atraída e passou a circular em volta do planeta", afirma o astrônomo Rundsthen Vasques. Origem diferente têm Io, Ganimede e Calisto, provavelmente atraídas por Júpiter após a explosão que criou o sistema solar. "Há ainda saté…

NASA Lança Imagens de Cratera Feita Pelo Homem no Cometa Tempel 1

Imagem
A sonda da NASA, Stardust, retornou novas imagens do cometa Tempel 1, mostrando uma cicatriz resultante do encontro que outra sonda da NASA, a Deep Impact, teve com o mesmo cometa em 2005. As imagens também mostram que o cometa tem um núcleo frágil e fraco.
Leia a matéria completa em: http://cienctec.com.br/wordpress/?p=8639
Créditos:Ciência e Tecnologia

Uma Labareda de Classe X no Sol

Imagem
Créditos: NASA / Goddard / AIA Team SDO
NoDia dos Namorados 14 de fevereiro de 2011o Soldesencadeouuma dasmais poderosas explosões, uma labareda da classe X. A explosão foi de longe a maior no atual ciclo solar. A erupção aconteceu na região ativa conhecida como AR1158 no hemisfério sul do Sol, a labareda pôde ser registrada numa imagem do extremo do ultravioleta pelo satélite Solar Dynamics Observatory (SDO) e é aqui reproduzida. A intensa explosão de radiação eletromagnética momentaneamente saturou os sensores do SDO causando uma linha vertical na imagem. Essa labareda de classe X foi também acompanhada por uma ejeção de massa coronal (CME), uma massiva nuvem de partículas carregadas viajando a uma velocidade aproximada de 900 quilômetros por segundo. Os observadores localizadas nas altas latitudes já receberam o alerta de que auroras podem acontecer essa noite (17 de Fevereiro de 2011). Fonte:http://apod.nasa.gov/apod/ap110217.html

A Remanescente de Supernova E0102-72 Vista Em Perspectiva Por Meio da Integração de Diferentes Dados

Imagem
A imagem acima mostra uma composição colorida da parte remanescente de uma supernova conhecida como E0102-72. Essa composição é feita com raios-X, representados em azul, com dados ópticos representados em verde e com dados de rádio, representados em vermelho. A E0102-72 é a parte remanescente de uma estrela que explodiu em uma galáxia próxima conhecida como Pequena Nuvem de Magalhães. A galáxia está a aproximadamente 190000 anos-luz de distancia da Terra, então estamos olhando para essa parte remanescente de uma supernova como ela era há 190 mil anos atrás, aproximadamente mil anos depois da explosão ter acontecido. A estrela explodiu a uma velocidade que excede os 20 milhões de quilômetros por hora e colidiu com o gás ao redor. Essa colisão produziu duas ondas de choque, ou explosões sônicas cósmicas, uma viajando para fora, para o espaço e outra rebatendo e voltando em direção ao material ejetado durante a explosão. A imagem feita por meio de ondas de rádio foi registrada usando o Au…

Galáxia NGC 520

Imagem
Crédito: Gemini Obs., AURA, NSF. Pensa-se que a estranha forma adotada pela galáxia NGC 520 seja o resultado de uma colisão ocorrida entre duas galáxias espirais há cerca de 300 milhões de anos atrás e que ainda hoje faz sentir os seus efeitos. Esta imagem foi obtida pelo Observatório Gemini situado no Havai e mostra bem a longa cauda de estrelas que se estende por milhares de anos-luz e uma grande faixa de poeira na região central distorcida pela colisão. NGC 520 é também conhecida por Arp 157 e é visível com a ajuda de um pequeno telescópio na direcção da constelação dos Peixes. Fonte: http://www.portaldoastronomo.org/npod.php?id=3058

Neptune/Triton Orbiter

Imagem
Neptune Orbiter é um projeto da NASA de uma sonda espacial não tripulada para explorar o planeta Netuno. A previsão de lançamento inicial era para meados de 2016 e levaria 8 a 12 anos para chegar ao planeta, porém a previsão de lançamento atual é para 2035.
Missão

A Netuno Orbiter foi projetada para responder muitas perguntas que ainda cercam o planeta. Sua missão principal é estudar a atmosfera e o clima, suas luas e particularmente Tritão. A missão deve levar aproximadamente 10.25 anos para chegar a Netuno, e preve passagem por Vênus e Júpiter para obter impulso gravitacional. O estudo inicial previa também a sua passagem por Urano, mas isso foi julgado desnecessário e retirado dos planos. A missão ao todo, após a chegada ao planeta, deve durar de 3 a 5 anos. A missão deve lançar duas sondas atmosféricas sobre Tritão para analisar a composição da superfície seu interior, e a possível atmosfera de nitrogênio como também procurar qualquer água líquida e formas de vida microscópicas. Emb…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...