Postagens

Mostrando postagens de Abril 8, 2011

Zoológico de Planetas

Imagem
“Gigantes quentes”, um enigma

Como um planeta enorme, 280 vezes maior do que a Terra e seis vezes mais próximo de sua estrela do que Mercúrio está do Sol, consegue se formar e continuar existindo? Essa questão não pára de intrigar os astrônomos desde que, há um ano e meio, foi descoberto um planeta rondando a estrela 51 da Constelação de Pégaso. Peg-51, para os íntimos. Os astrônomos imaginavam, até então, que um corpo celeste com esses traços estaria fadado a desaparecer, sugado pela imensa força gravitacional da estrela vizinha. “Trata-se de um bicho raro no zoológico planetário”, comentou o astrônomo Geoffrey Marcy, um dos autores da descoberta. O espanto dos cientistas se tornou ainda maior quando foi achado, pouco depois, outro planeta com as mesmas características, ao redor de uma estrela na Constelação de Rho de Câncer. Atualmente, os bichos raros já somam quatro, e os astrônomos calculam que nada menos do que 5% de todos os planetas da nossa Galáxia sejam desse tipo. Para expli…

Em Busca da “zona habitável”

Imagem
Escala de uma região do espaço que teoricamente poderia haver zonas habitáveis composta por estrelas de diferentes tamanhos (nosso sistema solar está no centro).
Tudo bem, já se sabe que o nosso Sol não é a única estrela a possuir planetas ao seu redor. Mas não é exatamente este o motivo principal que leva a humanidade a apontar telescópios para o céu. Os planetas só constituem um foco de interesse na medida em que apenas eles podem abrigar seres vivos.  Não há chance de se encontar organismos vivos em cometas, nem em estrelas, nem na maioria dos planetas encontrados. O que estamos procurando são planetas na chamada “zona habitável” – isto é, com condições semelhantes às existentes na Terra. Não podem estar muito longe de sua respectiva estrela, o que os tornaria gelados como Saturno ou Netuno, nem demasiado perto, sob pena de virar verdadeiras fornalhas, como Mercúrio ou Vênus.

Objetos do tipo “Júpiter quente” são, como a expressão indica, tão pouco hospitaleiros quanto ele próprio. O…

Galáxia do Escultor - galáxia espiral NGC 253

Imagem
A Galáxia do Escultor (NGC 253) é uma galáxia espiral intermediária na constelação do Escultor. É uma das galáxias mais próximas além de nossa vizinhança local de galáxias. Galáxia NGC 253 apresenta estruturas complexas, tais como nuvens de gás, faixas de poeira escuras e aglomerados de estrelas jovens luminosas. Esses elementos são típicos de galáxias espirais. Proximidade da galáxia com Via Láctea, a torna um alvo ideal para astrônomos amadores para aqueles interessados ​​em aprender mais sobre a composição dessas cidades impressionante de estrelas. A Galáxia do Escultor está actualmente a atravessando um período de formação de estrelas vigoroso que o torna também uma galáxia starburst. Apenas uma supernova foi detectada dentro da Galáxia do Escultor, apesar do fato de que as supernovas são geralmente associados com as galáxias starburst, Galáxia do Escultor, que lembra um pouco visualmente, como Andrômeda, visto próximo à borda, seus braços espirais são carregados com poeira intere…

Telescópio da NASA Procura Por Exoplanetas Que Podem Ser Imageados Diretamente

Imagem
Os astrônomos têm uma nova maneira de identificar estrelas próximas e apagadas com o satélite Galaxy Evolution Explorer da NASA. A técnica deve ajudar na caça por planetas que se localizam além do nosso Sistema Solar, e pelo fato de estarem próximas elas podem ser o lar de exoplanetas mais fáceis de serem identificados.
Leia a postagem completa em:http://cienctec.com.br/wordpress/?p=10228
Créditos:Ciência e Tecnologia

Satélite observa oscilações de luz em estrelas parecidas com o Sol

Imagem
Estudo destas diferenças pode levar à descoberta de novos planetas Gabriel Diaz/Instituto de Aastrofisica de Canarias O satélite Kepler da Nasa detectou variações na luminosidade de 500 estrelas parecidas com o Sol do nosso sistema. Estas observações, que serão publicadas na edição desta semana da revista Science, auxilia os astrônomos a entenderem a natureza e evolução destes astros. Estas observações dão uma ideia da massa, raio e idades destas estrelas, assim como sua estrutura. Os cientistas já identificaram a oscilação em cerca de 25 estrelas com tamanho, idade e composição similares ao Sol. Mas a principal missão do Kepler é ajudar na localização de planetas parecidos com a Terra, que poderiam ser habitáveis. As oscilações da luz ajudam nesta localização porque podem indicar que há um planeta orbitando estes astros. Para este tipo de observação, o satélite tem um fotômetro, instrumento que mede a intensidade da luz. Este fotômetro inclui um telescópio e uma câmera de 95 megapixel.…

Encontrados sinais de água líquida em cometas

Imagem
Cientistas encontraram indícios de água líquida no passado dos cometas, desbancando a ideia de que eles nunca experimentaram calor suficiente para derreter o gelo que forma a maior parte de sua massa. Ao contrário do que se pensava, há um passado quente na história dos cometas, o que permitiu que eles contivessem água em estado líquido. [Imagem: NASA/JPL-Caltech]
Poeira de cometas
Os pesquisadores fizeram a descoberta analisando grãos de poeira do cometa Wild-2, trazidos de volta à Terra pela sonda Stardust. Lançada em 1999, a sonda Stardust capturou minúsculas partículas lançadas da superfície do cometa em 2004, usando um material super leve, chamado aerogel, e as trouxe de volta à Terra em uma cápsula que aterrissou no estado de Utah, nos Estados Unidos, dois anos depois. Esta é a segunda vez que os resultados coletados pela Stardust alteram a teoria sobre a formação dos cometas:
Minerais dão sinais de água líquida

"Na nossa amostra, encontramos minerais que se formam na presença d…

Estudo de Ponta Confirma A Causa das Explosões de Raios-Gamma de Curta Duração

Imagem
Uma nova simulação de supercomputador mostra que a colisão de duas estrelas de nêutrons podem produzir naturalmente as estruturas magnéticas que acredita-se fornecem energia aos jatos de partículas de alta velocidade associadas com curtas explosões de raios-gamma (GRBs). O estudo fornece uma visão mais detalhada das forças que dirigem algumas das explosões mais energéticas do universo.
Leia a postagem completa em:http://cienctec.com.br/wordpress/?p=10223
Créditos:Ciência e Tecnologia

Os Ecos das Profundezas de Uma Estrela Gigante Vermelha

Imagem
Créditos e direitos autorais : Pieter Degroote (Leuven University) Crédito: Paul Beck, Joris De Ridder, Conny Aerts (Leuven University), et al., ERC, PROSPERITY
Uma jornada ao centro de uma estrela gigante vermelha é algo bem determinado no reino da ficção científica. Já na vida real, a ciência da asterosismologia pode explorar as condições ali existentes. A técnica consiste em medir o tempo das pequenas variações no brilho da estrela registrado pela sonda caçadora de planetas Kepler. Variações regulares indicam oscilações estelares, análogas a ondas de som, que comprimem e expandem o gás gerando as mudanças de brilho. Como foi recentemente descoberto nas estrelas gigantes vermelhas, algumas das oscilações detectadas têm períodos que as fariam penetrar no núcleo estelar. Nesse ambiente extremo elas na verdade se tornam mais intensas e podem retornar até a superfície da estrela. Esses ecos do núcleo das estrelas gigantes vermelhas estão ilustrados nessa imagem obtida a partir de uma ani…

A Evasiva Nebulosa Medusa

Imagem
Normalmente tênue e difícil de ser encontrada, a Nebulosa Medusa foi captada nesta vista telescópica sedutora e em falsas cores. Ladeada por duas estrelas brilhantes, Mu e Eta Geminorum, aos pés de um gêmeo celeste, a Nebulosa Medusa é a brilhante crista de emissão em arco com tentáculos dependurados abaixo e à direita do centro. Na verdade, a medusa cósmica é considerada parte do remanescente de supernova IC 443 em forma de bolha, a nuvem de escombros em expansão de uma estrela massiva que explodiu. A luz da explosão chegou ao planeta Terra pela primeira vez há mais de 30.000 anos. Da mesma forma que seu primo em águas astrofísicas, o remanescente de supernova Nebulosa do Caranguejo, IC  433 é conhecida por hospedar uma estrela de nêutrons, remanescente de um núcleo estelar que entrou em colapso. A nebulosa de emissão Sharpless 249 preenche o campo acima e à esquerda. A Nebulosa Medusa está a cerca de 5.000 anos-luz de distância. A essa distância, esta imagem teria cerca de 300 anos-…

Asteroide com 400 m de diâmetro passa pela Terra em novembro

Imagem
Imagem de radar do asteroide 2005 YU55, que vai se aproximar da Terra na data provável de 8 de novembro Um asteroide com 400 metros de diâmetro vai passar perto da Terra no início de novembro, provavelmente no dia 8, segundo previsões iniciais.  "A aproximação com a Terra do asteroide 2005 YU55 é incomum pela curta distância e pelo seu tamanho. Em média, ningúem esperaria que um objeto deste porte passasse tão perto em 30 anos", comenta Don Yeomans, da Nasa. Pela sua dimensão e trajetória próxima à Terra, o 2005 YU55 entrou para a lista de asteroides "potencialmente perigosos" na definição do centro planetário de Cambridge, em Massachusetts, noticia o site www.space.com. Os cientistas, entretanto, estão ansiosos com a notícia, vista como uma "oportunidade única". "Em um sentido real, fornecerá uma resolução de imagem comparável ou até melhor do que um missão de uma nave espacial', diz Lance Benner, pesquisador do JPL (Laboratório de Jato de Propu…

Telescópios espaciais unem-se para explicar explosão variável

Imagem
O gráfico mostra as mudanças no brilho do evento, gravados pelo telescópio de raios X Swift.[Imagem: NASA/Swift/Penn State/J. Kennea]
Erupções de raios gama
A NASA convocou toda a sua cavalaria astronômica para tentar entender um fenômeno nunca antes visto no céu. Os telescópios espaciais Hubble, Swift e Chandra X-ray juntaram-se para estudar uma das explosões cósmicas mais intrigantes já observadas - uma super explosão pulsante. Mais de uma semana depois de seu início, a radiação de alta energia que caracteriza o corpo celeste continua a brilhar e esmaecer, seguidamente. Geralmente, as erupções de raios gama marcam a destruição de uma estrela maciça, mas as emissões desses eventos nunca duram mais do que algumas horas. Os astrônomos afirmam que nunca viram nada assim tão brilhante, duradouro e variável antes.
Buraco negro giratório
Embora a pesquisa ainda esteja em curso, os astrônomos afirmam que a explosão incomum provavelmente surgiu quando uma estrela passou muito próximo ao buraco n…

Astrônomos descobrem asteroide que acompanha a Terra

Imagem
Astrônomos descobriram que um asteroide está seguindo a Terra em seu movimento ao redor do Sol, pelo menos durante os últimos 250 mil anos. A descoberta, feita por cientistas do Observatório de Armagh, na Irlanda do Norte, indica que este asteroide pode estar intimamente relacionado com a origem do nosso planeta. O asteroide SO16 tem um movimento orbital ao redor do Sol muito parecido com o da Terra - mas, quando visto da Terra, ele parece lentamente traçar um formato de ferradura no céu.[Imagem: RAS] Ferradura espacial
O asteroide chamou a atenção dos astrônomos Apostolos Christou e David Asher logo depois que ele foi descoberto pelo observatório WISE, da NASA.  "Sua distância média do Sol é idêntica à da Terra", diz o Dr. Christou, "mas o que realmente me impressionou na época foi como a sua órbita se parece com a da Terra." A maioria dos asteroides próximos da Terra têm órbitas muito excêntricas, em formato oval, o que os faz mergulhar rumo ao interior do Sistema S…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...