Postagens

Mostrando postagens de Abril 28, 2011

Como funcionam as galáxias 3 - Galáxias ativas

Quando você observa uma galáxia normal, a maior parte da luz vem das estrelas em comprimentos de ondas visíveis e se distribui uniformemente por toda a galáxia. Mas, quando observamos determinadas galáxias, vemos luz intensa oriunda de seus núcleos. E, caso elas sejam observadas nos comprimentos de onda de raios X, ultravioleta, infravermelho e de rádio, parecem estar emitindo quantidades imensas de energia, aparentemente oriunda do núcleo. Trata-se das galáxias ativas, que representam uma porcentagem muito pequena do total de galáxias. Existem quatro classificações de galáxias ativas, mas o tipo que observamos pode depender mais de nosso ângulo de visão do que de diferenças estruturais reais. •Galáxias Seyfert, •Radiogaláxias, •Quasares, •Blazares . Para explicar as galáxias ativas, os cientistas precisam explicar como elas emitem tamanhas quantidades de energia de áreas tão pequenas quanto os núcleos galácticos. A hipótese mais aceita é a de que, no centro de cada uma dessas galáxia…

A cerca de 100 milhões de anos-luz de distância, NGC 474 a curiosa galáxia da Concha e sua vizinha azulada a espiral NGC 470 brilham no céu

Imagem
Arp 227, NGC 474 e NGC 470 nos limites da constelação de Peixes
Esta visão cósmica bastante colorida apresenta um sistema peculiar de galáxias catalogado como ARP 227 cerca de 100 milhões de anos-luz de distância. Dentro dos limites da constelação de Peixes, Arp 227 é composto por duas galáxias proeminentes à esquerda, a curiosa galáxia da Concha NGC 474 e sua vizinha azulada a espiral NGC 470. O desaparecimento dos arcos espirais da NGC 474 a galáxia da conchas poderia ter sido formado por um encontro gravitacional com o vizinho NGC 470. Outra alternativa é que as conchas falhadas podem ser causadas por uma fusão com uma galáxia menor produzindo um efeito análogo às ondulações sobre a superfície das conchas espirais. Notavelmente, a grande galáxia no lado direito da imagem de profundidade, NGC 467, parece estar cercada por cascas fracas em formato de concha, a prova de outra interação gravitacional com uma galáxia. Galáxias ao fundo com formas intrigantes estão espalhados ao redor do …

Astrônoma brasileira divulga estudo sobre primeiras estrelas do Universo

Imagem
Astros giravam mais rápido e tinham mais massa que o nosso Sol. Estudo sobre o assunto foi divulgado na revista 'Nature'. Um estudo na revista "Nature" desta semana feito por astrônomas brasileiras revela um possível modelo para explicar como eram as primeiras estrelas a povoarem o Universo, pouco após o Big Bang. A dupla é parte de um grupo internacional de pesquisadores. Com autoria principal de Cristina Chiappini, cientista radicada atualmente no Instituto Astrofísico de Potsdam, na Alemanha, o artigo mostra como estrelas com massas muito maiores que a do Sol deram origem a gases usados na formação de outras estrelas, menores e mais parecidas com o astro do Sistema Solar. O aglomerado estelar NGC 6522 contém os oito astros analisados no artigo com participação de astrônomas brasileiras sobre um possível modelo para as primeiras estrelas do Universo. (Foto: David Malin / Observatório Astronômico Australiano)
"Nosso modelo mostrou que estrelas de grande massa, de …

No braço espiral da nossa Via Láctea conhecido como Perseus estrelas supermassivas se desenvolvem

Imagem
Evolução de estrelas massivas revelam os estágios da vida estrelar em Perseus
No braço espiral da nossa Via Láctea conhecido como Perseus, no lado oposto do centro da galáxia, encontra-se a nebulosa SH 2-235. Como visto na luz visível, SH 2-235 parece ser uma pequena nuvem de poeira de cor âmbar que se estende por cerca de um décimo do tamanho da lua cheia. Leia a matéria completa em:http://www.astrofisicos.com.br/constelacoes/evolucao-estrelar-supermassivas-braco-espiral-perseus-da-via-lactea/index.htm ASTROFÍSICOS

Cintilando

Imagem
Créditos e direitos autorais : Juergen Michelberger Em 4 de Junho de 2010, Regulus, a estrela alfa da constelação de Leão, e o planeta andarilho Marte estavam com quase o mesmo brilho aparente e separados no céu por 1,5 graus. Uma engenhosa e criativa exposição de 10 segundos de uma câmera balançando gravou os rastros giratórios deste emparelhamento celeste. Você saberia dizer qual rastro pertence à estrela e qual ao planeta? Dica: a turbulência atmosférica faz a imagem da esterla cintilar ou variar em brilho e cor mais rapidamente que do planeta. A cintilação é mais pronunciada porque a estrela é efetivamente uma fonte pontual de luz vista como um feixe estreito de raios de luz. A mudança rápida da refração devido a turbulência ao longo da linha de visada afeta cores diferentes da luz em quantidades diferentes e em geral produz um efeito de cintilação nas estrelas. Mas Marte está muito mais próximo que as distantes estrelas e é uma fonte de luz extensa. Apesar de pequena, seu disco …

Agência espacial europeia fotografa galáxia Andrômeda

Imagem
A ESA (Agência Espacial Europeia) divulgou nesta quarta-feira a foto da galáxia Andrômeda, também conhecida como M31. Ela é uma combinação de várias imagens que são feitas por diferentes telescópios espacias, como o Planck e o XMM-Newton. Com esse cruzamento de imagens, os astrônomos conseguem estudar os vários estágios de uma estrela porque cada um dos telescópios registra uma nuance da galáxia que geralmente não é visível por olhos humanos. O XMM-Newton acompanha, por meio de raios-X e ultravioletas, as estrelas que estão se formando ou se encontram quase extintas na Andrômeda desde 2002.
Foto da galáxia Andrômeda é uma combinação de imagens tiradas por diferentes telescópios espaciais
Fonte:http://www.folha.uol.com.br

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...