Postagens

Mostrando postagens de Junho 8, 2011

A Nebulosa da Cabeça do Cavalo e a Grande Nebulosa na Constelação de Orion

Imagem
Esse mosaico constituído de quatro imagens mostra dois dos mais famosos objetos no céu de inverno do hemisfério norte, localizados na constelação de Orion, a Nebulosa da Cabeça do Cavalo na parte central esquerda da imagem e a Grande Nebulosa de Orion na parte superior direita. Eles estão a aproximadamente 1500 anos-luz de distância e são bem conhecidos por serem verdadeiros berçários estelares onde novas estrelas se formam a uma elevada taxa. Eles também são suficientemente brilhantes para serem observados usando binóculos poderosos ou até mesmo pequenos telescópios. Em imagens de longa exposição, como essa acima, pode-se ver que a Nebulosa da Cabeça do Cavalo e a Grande Nebulosa de Orion estão na verdades conectadas e são parte do mesmo imenso sistema de nebulosa. É possível notar ainda na parte superior esquerda duas estrelas brilhantes que são duas das três estrelas do Cinturão de Orion. A estrela da esquerda, Alnilam (na parte superior esquerda) é aproximadamente 375000 vezes mai…

Luas como a da Terra podem ser comuns

Imagem
Segundo um novo estudo, cerca de um cada dez planetas rochosos que ficam em torno de estrelas como o nosso sol pode hospedar uma lua proporcionalmente tão grande quanto à da Terra. Antes, os cientistas achavam que a nossa lua era desproporcionalmente grande (mais de um quarto do diâmetro da Terra), e que isso era raro. Agora, através de simulações computadorizadas de formação de planetas, os pesquisadores mostraram que os impactos grandiosos que resultaram na nossa lua podem ser na verdade comuns. Os cientistas criaram uma série de simulações para observar como os planetas se formam a partir de gases e pedaços de rocha, chamados planetesimais.
A teoria mais comum é de que nossa lua se formou no início da história da Terra, quando um planeta do tamanho de Marte se chocou conosco, resultando em um disco de material fundido que rodeia a Terra (eventualmente esse material se uniu para formar a lua como a conhecemos). A equipe usou os resultados do estudo inicial para descobrir a probabili…

Mapa detalhado da lua revela seu passado violento

Imagem
Cientistas da NASA desenvolveram um mapa detalhado das mudanças nos contornos da lua de polo a polo, e esse conjunto completo de mapas dos declives e crateras da superfície lunar está revelando pistas sobre a história – violenta – da nossa lua. Segundo os pesquisadores, estudar a rugosidade dessas características revela mais sobre a idade e formação do satélite. Ao contrário da Terra, onde o vento e a água frequentemente moldam as características geológicas, a paisagem da lua é menos volátil. Características de centenas de milhões ou até bilhões de anos atrás ainda estão visíveis. Já outros eventos são recentes, como as crateras que se formaram quando cometas e asteroides colidiram com a lua. O mapeamento da superfície fornece pistas da idade dos locais de impacto. As bordas das crateras mais velhas mudaram mais e mais conforme rochas espaciais as bombardearam, enquanto as mais novas têm uma borda nítida mais definida. Outros processos ocorreram de forma gradual. As partes escuras mai…

Tempestade solar pode causar interferências eletromagnéticas

Imagem
A violenta explosão solar ocorrida nas primeiras horas de terça-feira arremessou ao espaço uma das maiores cargas de massa coronal já registrada. Apesar de não representar qualquer perigo, esperam-se distúrbios de radiopropagação nas faixas de baixa frequência e desvios significativos em bússolas localizadas principalmente no hemisfério norte. Animação registrada pelo observatório solar SOHO mostra a gigantesca explosão solar ocorrida às 06h17 UTC do dia 7 de junho de 2011. Os pontos que parecem brilhar de forma aleatória são partículas altamente carregadas - prótons e elétrons - que atingiram o CCD do instrumento de observação a bordo do satélite. O ponto que se desloca da esquerda para direita é planeta Mercúrio, que no momento cruza o campo de observação do telescópio. Crédito: Nasa/ESA/SOHO/Apolo11.com. A poderosa explosão ocorreu às 03h17 de terça-feira e teve como origem a mancha solar 1226, localizada na borda do disco solar. Devido a essa posição limítrofe, a maior parte das par…

As Primeiras Imagens do VLT Survey Telescope

Imagem
O VST e a OmegaCAM de 268 milhões de pixels começam as operações
A imagem VST lançado pela primeira vez mostra a espectacular região de formação estelar Messier 17, também conhecida como Nebulosa Omega ou da Nebulosa do Cisne, como nunca foi visto antes.Créditos: ESO/INAF-VST/OmegaCAM. Acknowledgement: OmegaCen/Astro-WISE/Kapteyn Institute
O VLTSurvey Telescope (VST), recentemente instalado no Observatório do Paranal do ESO, divulgou as suas primeiras imagens do céu austral. O VST é um telescópio de 2,6 metros de última geração, que dispõe de uma enorme câmara de 268 megapixels, a OmegaCAM. Esta câmara foi concebida para mapear o céu de modo rápido e com uma excelente qualidade de imagem. É um telescópio que trabalha no visível e que complementa perfeitamente o VISTA, o telescópio de rastreio no infravermelho do ESO. As novas imagens da Nebulosa Ómega e do enxame globular Omega Centauri demonstram bem o poder deste novo instrumento.

Um novo telescópio e uma nova câmara

O VLT Survey Teles…

Fotos mostram região polar de Marte durante a primavera

Imagem
A missão de monitoramento da superfície de Marte pela sonda Mars Express completou oito anos. Para comemorar a data, a ESA (sigla de Agência Espacial Europeia) divulgou nesta terça-feira fotos da região sul polar do planeta. Atualmente é verão em Marte e o inverno só começará em março de 2012, quando as temperaturas vão cair novamente e haverá maior acúmulo de gelo. A Mars Express deve fazer mais fotos no local quando tiver início a estação.

As imagens, produzidas em janeiro deste ano, retratam a primavera marciana
Missão de monitoramento do solo marciano, pela sonda Mars Express, completou oito anos Cores em roxo indicam regiões baixas do solo marciano e as cinzas, as altas Foto tirada da superfície da região polar de Marte em janeiro deste ano Depósitos de gelo em falésia marciana; frio deve aumentar em março de 2012, quando começa o inverno
Fonte:http://www1.folha.uol.com.br/ciencia

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...