Postagens

Mostrando postagens de Julho 4, 2011

O Nascer do Sol Na Cratera Tycho na Lua

Imagem
© NASA (imagem do nascer do Sol na cratera Tycho na Lua) Recentemente, a sonda LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter) registrou uma impressionante imagem do nascer do Sol na cratera Tycho na Lua. A cratera Tycho é um alvo muito popular para os astrônomos amadores e está localizada em 43,37°S, 348,68°E e tem aproximadamente 82 quilômetros de diâmetro. O cume do seu pico central se ergue a 2 quilômetros acima do interior da cratera, e esse interior se localiza a aproximadamente 4,7 quilômetros abaixo do anel da cratera. Muitos clastos de tamanho variando de 10 metros até centenas de metros estão expostos nos taludes do pico central. Foram esses distintos afloramentos formados como o resultado de um choque e deformação da rocha à medida que o pico central crescia no interior da cratera? Ou eles representam camadas de rochas pré-existentes que ficaram intactas na superfície? As feições observadas na cratera Tycho são tão íngremes e definidas pelo fato dessa cratera ser considerada jovem com re…

Constelação de ANDRÔMEDA

Imagem
Mapa da Constelação de Andromeda/Foto: Reprodução Andrômeda é vizinha de Pégaso. Uma das constelações gregas originais, figura a filha da rainha mítica Cassiopéia, representada pela constelação ao seu norte. A cabeça de Andrômeda é assinalada por Alfa Andrômeda, que também forma um ângulo do Quadrado de Pégaso – outrora essa estrela era considerada partilhada com Pégaso. Galáxia de Andrômeda

O mais distante objeto normalmente visível a olho nu, esta galáxia aparece como mancha tênue e enevoada, alongada por estar inclinada num ângulo para nós. Binóculos revelam mais de sua extensão e com telescópio se divisam seus braços espirais.
Traços de Interesse:
GAMA ANDROMEDAE: Espetacular estrela dupla composta de uma estrela gigante laranja de magnitude 2,3 em contrate com companheira azul de magnitude 4,8; facilmente separável com telescópio pequeno.
M31 (GALÁXIA DE ANDRÔMEDA): Enorme galáxia espiral a cerca de 2,5 milhões de anos-luz, similar em tamanho e natureza à Via Láctea.
NGC 752: Aglomera…

Curiosidades sobre Vênus

Imagem
Vênus realiza uma volta em torno de seu próprio eixo num período maior que o necessário para completar uma volta em torno do Sol. Pense bem acerca dessa afirmação: isso significa que um dia em Vênus é maior que um ano. A rotação de Vênus se dá no sentido oposto à maioria dos outros planetas. Assim, em Vênus o Sol surge do Oeste e se põe no Leste. Porém, a velocidade de rotação é muito lenta. Do nascer ao pôr-do-sol são quase 116 dias terrestres. Por outro lado, enquanto a nossa atmosfera leva cerca de 24 horas para dar a volta no planeta, acompanhando a rotação, em Vênus bastam 4 dias terrestres, contra os 243 de sua rotação completa. É a super-rotação da atmosfera, provocando ventos de altíssima velocidade. Vênus reflete 2/3 da luz que recebe do Sol, um esplendor que lhe valeu o apelido deestrela-d’Alva. Povos antigos imaginavam tratar-se de dois astros: Lúcifer, a estrela da manhã, e Vésper, a estrela da tarde. Em latim, Lúcifer significa “o que leva a luz” e apenas na tradução cris…

Artigos Científicos Discutem O Evento LHB na Lua e as Suas Consequências na Determinação da Idade do Nosso Satélite

Imagem
Imagem deixada por Alexandros Diamantis, Grécia e imagem da direita por Howard Eskildsen, Florida Uma das questões sobre a ciência lunar que causa grandes debates é a realidade do chamado bombardeamento pesado final, ou na sigla em inglês LHB. Essa teoria propõem que a maior parte das bacias de impacto na Lua e as grandes crateras se formaram num furor de colisões ocorridas a aproximadamente 3.9 bilhões de anos atrás. Assim, bacias morfologicamente jovens como a Orientale e a Imbrium podem ser somente 10 milhões de anos mais jovens do que bacias mais degradadas como o Mar Serenitatis. A interpretação mais velha é que ocorreu um grande declínio na taxa de formação de crateras entre 4.4 e 3.9 bilhões de anos atrás isso daria centenas de milhões de anos de diferença entre as bacias. Dois diferentes tipos de evidências foram apresentados na Lunar & Planetary Science Conference em Houston em Março de 2011 sobre a questão LHB. No primeiro trabalho mostrado abaixo os cientistas alemães M.…

R 136: As Estrelas Massivas da 30 Doradus

Imagem
Créditos: J. Trauger (JPL), J. Westphal (Caltech), N. Walborn (STScI), R. Barba' (La Plata Obs.), NASA No centro da região de formação de estrelas 30 Doradus localiza-se um enorme aglomerado que possui as maiores, mais quentes e mais massivas estrelas conhecidas. Essas estrelas, conhecidas como o aglomerado de estrelas R136, e parte da nebulosa ao redor são capturadas nessa bela imagem na luz visível feita pelo Telescópio Espacial Hubble. As nuvens de gás e poeira na 30 Doradus, também conhecida como Nebulosa da Tarântula, têm sido esculpidas tomando uma forma alongada graças aos poderosos ventos e à radiação ultravioleta desse quente aglomerado de estrelas. A Nebulosa 30 Doradus localiza-se dentro da galáxia vizinha, da Grande Nuvem de Magalhães, localizada a meros 170000 anos-luz de distância da Terra. Fonte:http://apod.nasa.gov/apod/ap051211.html

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...