Postagens

Mostrando postagens de Setembro 14, 2011

Os relâmpagos em Vênus são semelhantes aos da Terra?

Imagem
Impressão artística de relâmpagos em Vênus. Crédito: ESA Apesar das enormes diferenças entre as características e as composições das atmosferas de Vênus e da Terra, os cientistas descobriram que há mecanismos muito semelhantes a produzir relâmpagos nestes dois mundos. A freqüência das descargas, a intensidade e a distribuição espacial dos relâmpagos são comparáveis e assim os pesquisadores foram buscar um melhor entendimento sobre a química, dinâmica e a evolução das atmosferas dos dois planetas. Este tema foi abordado pelo Dr. Christopher Russell no Congresso Europeu de Ciência Planetária em 23 de setembro de 2010.
A história da pesquisa
Missões anteriores, como as das sondas Venera, seguidas posteriormente pela Pioneer Venus Orbiter e mais recentemente pela espaçonave Galileu, relataram evidências de ondas óticas e eletromagnéticas produzidas Vênus que podem ter sido originadas em tempestades de raios. Isto foi também confirmado por telescópios terrestres que capturaram relâmpagos em …

Glóbulo de Bok

Imagem
Imagem de glóbulos de Bok na região HII (telescópio espacial Hubble).
Os glóbulos de Bok são nuvens escuras de poeira densa e gás em que, ocasionalmente, nascem estrelas. Encontrados nas regiões H II - tipicamente, possuem uma massa de cerca de 2 a 50 massas solares contida num espaço de, aproximadamente, um ano luz de extensão - eles são compostos por hidrogênio molecular (H2), óxidos de carbono e hélio e cerca de 1% (de massa) de poeira de silicato. Os glóbulos de Bok, comumente, resultam na formação de sistemas estelares duplos ou múltiplos. Inicialmente, os glóbulos foram observados pelo astrônomo Bart Bok, nos anos de 1940. Em artigo de 1947, Bok e E. F. Reilly aventaram a hipótese de que essas nuvens seriam 'semelhantes a casulos de insetos' que estivessem submetidos a colapsos gravitacionais para formar novas estrelas, das quais nasceriam estrelas e aglomerados estelares. Essa hipótese era difícil de comprovar devido às dificuldades observacionais que não permitiam verifi…

NASA lança sondas gêmeas à Lua

Imagem
A NASA lançou duas sondas lunares gêmeas construídas para mapear a gravidade da lua em detalhes sem precedentes. O lançamento foi adiado duas vezes: primeiro devido às más condições atmosféricas, depois devido a uma falha no sistema de foguetes propulsores Delta 2. Na terceira tentativa, mesmo com fortes ventos, as sondas partiram à sua missão. As duas naves espaciais não tripuladas devem chegar à lua por volta do dia do Ano Novo, quando começarão a investigar a composição da lua, da crosta ao núcleo. As observações devem ajudar os cientistas a entender melhor como a lua se formou e evoluiu. A missão vai revelar pistas não só da história da lua e da Terra, mas irá fornecer dados importantes para uma futura exploração lunar. Uma vez lançadas, as sondas gêmeas embarcam em uma tortuosa viagem de três meses e meio para a lua através de um ponto gravitacionalmente estável entre nosso planeta e o sol. Esta rota é eficiente em termos energéticos e, assim, ajuda a manter os custos da missão a…

Nebulosa da Bolha e o Aglomerado Estelar M52

Imagem
Créditos e direitos autorais : Lóránd Fényes Para os olhos, essa composição cósmica graciosamente equilibra a Nebulosa da Bolha na parte inferior direita da imagem com o aglomerado aberto de estrelas M52. Embora o par seja desequilibrado em outras escalas. Mergulhada em um complexo de poeira e gás interestelar e inflada pelos ventos de uma única e massiva estrela do tipo O, a Nebulosa da Bolha, também conhecida como NGC 7635, tem somente 10 anos-luz de largura. Por outro lado, o M52, é um rico aglomerado aberto de estrelas composto aproximadamente por milhares de estrelas. O aglomerado tem aproximadamente 25 anos-luz de diâmetro. Observada na direção da borda norte da constelação da Cassiopeia, a distância estimada para a Nebulosa da Bolha e para o complexo de nuvem associado é de aproximadamente 11000 anos-luz, enquanto o aglomerado estelar M52 localiza-se a somente 5000 anos-luz de distância da Terra. O vasto campo telescópico da imagem acima se espalha por aproximadamente 1.5 graus …

Futuro do Universo pode estar influenciando o presente

Imagem
Quando se pensa o Universo a partir das leis da mecânica quântica começam a fazer sentido algumas ideias aparentemente inconcebíveis.[Imagem: Anne Goodsell/Tommi Hakala]
Influências do futuro sobre o passado
Uma reformulação radical da mecânica quântica sugere que o Universo tem um destino definido, e que esse destino já traçado volta no tempo para influenciar o passado, ou o presente. É uma afirmação alucinante, mas alguns cosmólogos já acreditam que uma reformulação radical da mecânica quântica, na qual o futuro pode afetar o passado, poderia resolver alguns dos maiores mistérios do universo, incluindo a forma como a vida surgiu. E, além da origem da vida, poderia ainda explicar a fonte da energia escura e resolver outros enigmas cósmicos. O que é mais impressionante é que os pesquisadores afirmam que recentes experimentos de laboratório confirmam de forma dramática os conceitos que servem de base para esta reformulação.
Recentemente, cientistas descobriram uma conexão surpreendente en…

Estrela está fritando planeta com raios X

Imagem
Este gráficomostra a estrelaCoRoT-2a, que temum planeta emórbita próximaà sua volta.A separaçãoentre elesé de cerca de3 por cento dadistância entre aTerra eo Sol, provocandoalguns efeitosexóticas nãovistono nosso sistemasolar. O disparo de alta energia está arrancando cerca de 5 milhões de toneladas de matéria do planeta a cada segundo.[Imagem: NASA/CXC/M.Weiss]
Canhão de raios X

Uma estrela próxima de nós está batendo firme em seu planeta mais próximo, usando como chicote uma saraivada de raios X cem mil vezes mais intensa do que a Terra recebe do Sol. Essa radiação de alta energia está causando a evaporação de cerca de 5 milhões de toneladas de matéria do planeta a cada segundo. O quadro inédito mostra que, em algumas famílias planetárias, a vida não é tão fácil quanto no nosso amigável Sistema Solar.
Planeta frito
O planeta, conhecido como CoRoT-2b, tem uma massa cerca de 3 vezes a de Júpiter (1.000 vezes a da Terra) e orbita sua estrela-mãe, a CoRoT-2a, a uma distância cerca de dez ve…

Quarenta Mil Origens de Meteoros Espalhadas pelo Céu

Imagem
Créditos e direitos autorais : SonotaCo Network, Japan De onde vêmos meteoros? Os meteoros visíveis são tipicamente gelo e pedra do tamanho de grãos de areia que em algum momento se fragmentaram de um cometa. Muitas chuvas de meteoros têm sido associadas a cometas conhecidos, apesar de algumas intriganteschuvas órfãs existirem. Recentemente, um grupo de entusiastas de meteoros criou uma rede de mais de 100 câmeras de vídeo colocadas em 25 localidades bem separadas, espalhadas pelo Japão. Esta rede sem precedentes não somente gravou 240.000 meteoros opticamente observáveis ao longo de dois anos, como também quase 40.000 meteoros vistos em mais de uma estação. Estes eventos observados em mais de uma localidade são particularmente interessantes, pois eles permitiram aos observadores extrapolarem as trajetórias dos meteoros de volta ao Sistema Solar. O mapa de radiantes resultante pode ser visto acima, com muitas chuvas de meteoros bastante conhecidas identificadas pelas três primeiras le…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...