Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 13, 2011

Estrelas antigas cheias de metais pesados intrigam astrônomos

Imagem
Não está em uma galáxia muito distante, e sim na nossa própria Via Láctea, e chama a atenção dos astrônomos: um conjunto de estrelas antigas, datadas da “infância” de nossa galáxia, apresenta uma série de densos elementos químicos que os astrônomos só esperam encontrar em astros muito mais jovens. As investigações sobre o assunto foram feitas por cientistas da Universidade de Copenhague (Dinamarca), a partir de análises em um observatório no sul do Chile. Eles programaram os equipamentos para detectar, nas estrelas, elementos como ferro, ouro, urânio e platina, entre outros metais.

Foi descoberto, dentro do conjunto de estrelas “fossilizadas” na periferia da Via Láctea, que entre 1% e 2% desses corpos celestes são compostos por grandes quantidades de ferro e outros elementos. Ainda não se sabe, no entanto, o motivo dessas ocorrências, já que o senso comum indicava tais estrelas como portadoras apenas de gases, e não metais em abundância. As teorias para explicar o fenômeno remontam às…

Buracos negros ressuscitam e espantam astrônomas

Imagem
Buraco negro galáctico com emissão interrompida, em seus últimos suspiros.[Imagem: Aurore Simonnet/Sonoma State University]
O retorno do buraco negro
Uma equipe de investigadores do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, em Portugal, detectou um tipo raro de galáxias ativas (AGNs), simultaneamente com características de AGNs jovens e de antigas. Acredita-se que esta aparente discrepância seja devida a uma espécie de "religação" da atividade do buraco negro central. A descoberta ocorreu por acaso quando a equipe, composta essencialmente por astrônomas portuguesas, partiu de um catálogo de mais de 13 mil enxames de galáxias na banda de rádio, à procura de uma conexão entre as galáxias ativas e os respectivos enxames de galáxias. "O nosso projeto inicial era estudar radiogaláxias em enxames. Por sorte, encontramos oito fontes de rádio com estruturas extensas (com jatos e lóbulos visíveis na banda rádio) que não apareciam na banda do visível, o que estranhamos," …

Essa rosa vermelha esconde o objeto mais rápido do universo: a bola de canhão cósmica

Imagem
A foto dessa rosa linda mostra na verdade a Puppis A, os restos de uma supernova que explodiu 3.700 anos atrás, deixando uma poeira vermelha brilhante no em torno. A Puppis A é um dos objetos mais brilhantes e maiores do céu no espectro de raios-X. Esta imagem foi tirada pelos quatro detectores infravermelhos da nave Explorer da NASA. E a Puppis A é realmente especial: os restos dessa estrela morta escondem a “bola de canhão cósmica”. É assim que os astrônomos chamam a estrela de nêutrons que se move no seu interior a incríveis 5 milhões de quilômetros por hora. A NASA chama isso de “velocidade absurda”, e diz que os cientistas não podem explicar por que o objeto estelar se move tão rápido; até por isso foi apelidado de bola de canhão cósmica. Eles especulam que a bola de canhão cósmica foi formada por parte da matéria da estrela que explodiu, mas não sabem porque ela começou a girar a essa velocidade tremenda. Maravilhas do universo, não? Fonte:http://hypescience.com
[Gizmodo]

Físicos anunciam ter 'encurralado' a 'partícula de Deus'

Imagem
Bóson de Higgs seria responsável por massa dos átomos. Dados foram apresentados na Suíça nesta terça. Ilustração de uma colisão entre partículas promovida pelo acelerador LHC. É com experimentos como esse que os cientistas estudam partículas como o bóson de Higgs (Foto: Cern)
Os físicos do Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (Cern, na sigla em francês) "encurralaram" a partícula conhecida como “bóson de Higgs” – apelidada de “partícula de Deus”, segundo anúncio feito nesta terça-feira (13), em Genebra, na Suíça. Os pesquisadores ressaltam, no entanto, que não há dados suficientes para se confirmar que ela foi “descoberta”.  O “bóson de Higgs” é uma partícula hipotética que seria a primeira com massa a existir após o Big Bang e responsável pela existência de massa em outras partículas do Universo. Para encontrá-la, os cientistam colidem prótons (que ficam no núcleo dos átomos) e procuram entre as partículas que surgem desse impacto. Dois grupos independentes procuram o Higgs…

Será Vesta o planeta terrestre mais pequeno

Imagem
As cores falsas da imagem abaixo denotam topografia, onde indicam alturas que variam entre -22 km e +19 km por cima de uma elipsóide de referência.Crédito: NASA
A sonda Dawn da NASA passou os últimos quatro anos a viajar até Vesta - e pode ter descoberto um planeta. Tal como a Terra e os outros planetas terrestres, Vesta tem fluxos de lava basáltica à superfície e um grande núcleo de ferro. Tem também características tectónicas, cordilheiras, desfiladeiros, montes e uma montanha gigante. Vesta foi descoberto há mais de duzentos atrás e, até à chegada da Dawn, foi visto apenas como uma bola desfocada e considerado pouco mais que um grande corpo rochoso. Agora, os instrumentos da sonda estão a revelar a verdadeira e complexa natureza deste mundo antigo. "Vemos enormes montanhas, vales, montes, desfiladeiros, cordilheiras, crateras de todos os tamanhos e planícies," afirma Chris Russell, investigador principal da Dawn. "Vesta não é uma simples bola de rocha. Este é um mundo…

Imagem do Hubble mostra região central do aglomerado NGC 6642

Imagem
Créditos:ESA/Hubble & NASA A natureza compacta dos aglomerados globulares é uma faca de dois gumes. Por um lado, tendo tantas estrelas de idades similares isso dá aos astrônomos detalhes sobre a química da nossa galáxia no início de sua vida. Mas, ao mesmo tempo, a grande densidade de estrelas no interior dos aglomerados globulares também torna difícil para os astrônomos identificar estrelas de forma individual. O núcleo do NGC 6642, mostrado na imagem acima feita pelo Telescópio Espacial Hubble, é particularmente denso, fazendo desse aglomerado um alvo observacional difícil para a grande maioria dos telescópios. Além disso, ele ocupa um posição bem central na nossa galáxias, o que significa normalmente captura-se imagens de muitas estrelas que não pertencem a esse aglomerado. Contudo, usando o poder da Advanced Camera for Surveys do Hubble, os astrônomos podem identificar e remover essas estrelas que não pertencem ao aglomerado e assim conseguem fazer uma imagem com incrível detal…

Nas vizinhanças da Nebulosa do Cone

Imagem
Créditos e direitos autorais :Dieter Willasch (Astro-Cabinet) Estranhas formas e texturas podem ser encontradas nas vizinhanças da Nebulosa do Cone. As formas pouco comuns se originam de fina poeira interestelar que reage de forma complexa com a luz energética e com o gás quente que está sendo expelido por estrelas jovens. A estrela mais brilhante à direita na imagem acima é a S Mon, enquanto que a região abaixo dela é apelidada de Nebulosa Fox Fur (Nebulosa da Pele da Raposa), devido a sua cor e a sua estrutura. O brilho azul diretamente ao redor da S Mon resulta da reflexão, onde a poeira vizinha reflete a luz da estrela brilhante. O brilho vermelho que envolve toda a região, resulta não somente da reflexão da poeira mas também da emissão do gás hidrogênio ionizado pela luz das estrelas. A estrela S Mon é parte de um jovem aglomerado estelar aberto denominado NGC 2264, localizado a aproximadamente 2.500 anos-luz distância da Terra na direção da constelação do Unicórnio (Monoceros). …

Estudo mostra que a vida é possível em 'grandes regiões' de Marte

Imagem
Cientistas australianos, que desenvolveram um modelo das condições de Marte para examinar quais regiões seriam habitáveis, afirmaram em um artigo publicado na edição desta segunda-feira da revista científica Astrobiology que "vastas regiões" do planeta vermelho poderiam abrigar a vida. A equipe de Charley Lineweaver, da Universidade Nacional Australiana, comparou modelos de condições de temperatura e pressão com as de Marte para calcular quanto do planeta seria habitável para organismos similares aos terrestres. Enquanto apenas 1% do volume da Terra - do centro à alta atmosfera - abriga vida, Lineweaver disse que seu modelo inédito demonstrou que 3% de Marte são habitáveis, embora a maior parte deste percentual esteja no subterrâneo.

"O que tentamos fazer, simplesmente, foi pegar quase toda a informação de que dispunhamos, juntá-la e dizer 'a ideia geral é consistente com a existência de vida em Marte?'", disse o astribiólogo à AFP. "E a resposta simple…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...