Postagens

Mostrando postagens de Março 15, 2012

Cinco nebulosas que valem (estas sim!) uma espiadinha

Imagem
Os leitores devem perdoar o trocadilho bobo, mas são as nebulosas as verdadeiras estrelas do céu. Formadas por gás e poeira que ficam no espaço interestelar, atuam frequentemente como berçários estelares. Não são tão grandes para serem consideradas galáxias, nem tão pequenas para serem consideradas meros sistemas estelares. E, mesmo ocupando uma posição intermediária no ranking de classificação dos objetos astronômicos, conquistam especialistas e leigos.
Abaixo, uma seleção de algumas das mais bonitas nebulosas já fotografadas
1 – Nebulosa de Órion – NGC 1976
Não é apenas a sua beleza que chama a atenção. É a beleza e a proximidade. Esta imensa nuvem interestelar está localizada ao sul do Cinto de Órion, casa das famosas ‘Três Marias’, na constelação do equador celeste, a apenas (considerando distâncias astronômicas) 1.500 anos-luz da Terra. Além disso, possui muitas estrelas energéticas capazes de criar ondas de choque luminosas, abrindo a visão do que seria bloqueado pela presença de g…

Erupção de um sol furioso

Imagem
Créditos da Imagem e Direitos Autorais: Alan Friedman (Averted Imagination) A região que você vê na foto se chama Região Ativa 1429 (RA 1429), e é uma das piores regiões de manchas solares dos últimos anos. E ela não só parece furiosa; a região de fato tem lançado algumas das mais poderosas chamas e ejeções de massa coronal do atual ciclo solar. As plumas estendidas dessas explosões até choveram partículas na magnetosfera da Terra, que resultaram em auroras coloridas. Na foto acima, RA 1429 foi capturada em grande detalhe na cromosfera do sol há três dias. Os cientistas isolaram a cor da luz emitida principalmente pelo hidrogênio. A imagem resultante é mostrada em uma cor falsa, sendo que as regiões escuras são as mais brilhantes e quentes. Envolvendo o chão da cromosfera do sol, tubos de gás quente gigantes magneticamente canalizados, alguns maiores do que a Terra, podem ser vistos. Eles são conhecidos como espículas. Conforme nos aproximamos do máximo solar, que será nos próximos an…

Sistema Planetário Compacto

Imagem
Crédito de imagem: NASA/ JPL-Caltech A imagem acima é na verdade um desenho artístico que tem por objetivo mostrar um sistema planetário tão compacto que ele se parece mais com Júpiter e com suas luas do que com uma estrela com planetas. Os astrônomos usaram dados da missão Kepler da NASA e de telescópios baseados em terra para recentemente confirmar a existência do sistema, chamado de KOI-961, que hospeda os três menores planetas conhecidos até hoje orbitando uma estrela que não seja o Sol. Um exoplaneta é o nome dado a um planeta que reside fora do Sistema Solar. A estrela, que está localizada a aproximadamente 130 anos-luz de distância na constelação de Cygnus é uma estrela do tipo anã vermelha que tem um sexto do tamanho do Sol, ou seja, é apenas 70% maior que Júpiter. A estrela é também mais fria que o Sol, emite mais luz vermelha que amarela. O menor dos três planetas, chamado de KOI-961.03, está na verdade localizado mais distante da estrela e é mostrado no desenho acima em prim…

A Flare Solar No Céu de Raios-Gamma

Imagem
Créditos: NASA, DOE, International Fermi LAT Collaboration O que brilha no céu no comprimento de onda dos raios-gamma? A resposta é que normalmente os mais exóticos e energéticos ambientes astrofísicos, como galáxias ativas energizadas por buracos negros supermassivos, ou pulsares incrivelmente densos, ou seja, a parte giratória remanescente de uma explosão de estrelas emite energia nessa faixa e brilham com intensidade quando olhamos para o céu nos raios-gamma. Mas no dia 7 de Março de 2012, uma poderosa flare solar, parte de uma série de recentes explosões no Sol dominou o céu de raios-gamma em energias superiores a 1 bilhão de vezes a energia emitida pelos fótons da luz visível.  Os dois painéis acima ilustram a intensidade dessa flare solar em imagens feitas de todo o céu e registradas pelo Telescópio Espacial de Raios-Gamma Fermi. No dia 6 de Março de 2012, como na maioria dos dias, o Sol estava quase que invisível nos detectores de imagem do Fermi. Mas durante a energética emissã…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...