Postagens

Mostrando postagens de Abril 3, 2012

As bizarras diferenças entre a Via Láctea e nossa vizinha rival Andrômeda

Imagem
A Via Láctea e Andrômeda são irmãs: duas grandes espirais que dominam nosso grupo local de galáxias. Elas têm quase a mesma massa total e até hoje tinham conseguido nos passar a perna, fazendo com que acreditássemos que fossem quase gêmeas. Mas a farsa acabou. “Conforme olhamos mais detalhadamente, observamos que elas são bem diferentes”, afirma o astrofísico Alan McConnachie, do Instituto Herzberg de Astrofísica, em Vitória, no Canadá. Andrômeda é a filha preferida. É mais brilhante, com um disco mais amplo de estrelas.

 O buraco negro localizado em seu coração é cem vezes maior que o nosso e, enquanto nossa galáxia é coberta por aproximadamente 150 dos mais brilhantes cúmulos globulares (coleção esférica de estrelas que orbita o núcleo galáctico tal qual um satélite), Andrômeda exibe mais de 400. E agora o leitor deve se perguntar se Andrômeda seria então um espécime exemplar de galáxia. Ao que parece, não. Em 2007, o astrofísico François Hammer e seus colegas, do Observatório de Par…

Ejeções de plasma causam terremotos na superfície do Sol

Imagem
Astrônomos analisaram terremoto solar mil vezes mais potente do que o que atingiu o Japão em março de 2011
Imagem de um fenômeno conhecido como 'ejeção de massa coronal', que ocorreu em 15 de fevereiro de 2011 no Sol (NASA/SDO) A primeira observação de um terremoto solar foi divulgada nos anos 1990. Assim, foi descoberto que explosões na atmosfera do Sol, conhecidas como erupções solares, podem produzir ondas sísmicas, à maneira dos terremotos que atingem o planeta Terra. Agora, um estudo liderado pelo University College London, na Inglaterra, descobriu um tipo específico de erupção solar capaz de causar tais abalos. Os terremotos solares são formados pelo impacto de poderosos raios de partículas que viajam no interior do Sol. A nova pesquisa – divulgada nesta sexta-feira durante a conferência National Astronomy Meeting 2012, na cidade britânica de Manchester – mostrou pela primeira vez que erupções conhecidas como 'ejeções de massa coronal' são capazes de produzir os t…

Buraco negro “comum” descoberto a 12 milhões de anos-luz de distância

Imagem
Uma equipe internacional de cientistas descobriu um buraco negroburaco negro. Um buraco negro é um objecto cuja gravidade é tão forte que a sua velocidade de escape é superior à velocidade da luz. Em Astronomia, distinguem-se dois tipos de buraco negro: os buracos negros estelares, que resultam da morte de uma estrela de massa elevada, e os buracos negros galácticos, que existem no centro das galáxias activas.“comum” na galáxiagaláxia. Um vasto conjunto de estrelas, nebulosas, gás e poeira interestelar gravitacionalmente ligados. As galáxias classificam-se em três categorias principais: espirais, elípticas e irregulares.Centaurus A, a 12 milhões de anos-luzano-luz (al). O ano-luz (al) é uma unidade de distância igual a 9,467305 x 1012 km, que corresponde à distância percorrida pela luz, no vácuo, durante um ano. de distância. Esta é a primeira vez que um buraco negro de tamanho normal é detectado fora da vizinhança imediata da nossa própria galáxia. O doutorando Mark Burke irá apresen…

Imagem da Via Láctea revela detalhes de um bilhão de estrelas

Imagem
Detalhe daáreade formação de estrelasnaVia Láctea.(Crédito:MikeRead (WFAU),UKIDSS/ GPSeVVV)
Um pedaço da Via Láctea que abriga mais de um bilhão de estrelas pode ser visto em uma única figura, que é resultado de um conjunto de imagens registradas por telescópios em ambos os hemisférios. Pela primeira vez, uma parcela tão ampla do espaço é capturada em detalhes. O trabalho coordenado por cientistas da Universidade de Edimburgo (Escócia) é um projeto desenvolvido há dez anos, que compilou registros de telescópios infravermelhos no Chile, no Havaí, no Reino unido e na Europa continental. Juntas, as imagens fornecem um panorama da Via Láctea no qual é possível identificar grandes estruturas, tais como nuvens de gás e poeira, de onde as estrelas se originam e são extintas. Os astrônomos explicam que esta perspectiva mais abrangente de nossa galáxia será útil para estudos futuros do espaço. Fonte:http://www.sciencedaily.com

M46 & M47: Aglomerados Estelares Jovem e Velho

Imagem
Créditos e direitos autorais : Sergio Eguivar (Buenos Aires Skies) Muitas estrelas se formam em aglomerados. Aglomerados galácticos ou abertos de estrelas são enxames relativamente jovens de estrelas brilhantes nascidas juntas próximas ao plano de nossa Via Láctea. Separados por cerca de um grau no céu, dois belos exemplos são M46 (acima à esquerda) a 5.400 anos-luz de distância e M47 (direita inferior) a apenas 1.600 anos-luz através da constelação náutica da Popa. Com cerca de 300 milhões de anos, o jovem M46 contém algumas centenas de estrelas numa região com cerca de 30 anos-luz. Com idade de 80 milhões de anos, M47 é um aglomerado menor, porém menos fechado de cerca de 50 estrelas se espalhando por 10 anos-luz. Mas este retrato da juventude estelar também contém um antigo intruso. O pequeno e colorido pacote de gás brilhante em M46 na verdade é a nebulosa planetáriaNGC 2438 - a fase final da vida de uma estrela solar com bilhões de anos de idade. A distância de NGC 2438 é estimad…

Compostos orgânicos que criaram vida na Terra podem ter se formado ao redor do sol

Imagem
Esta imagem do telescópio espacial Hubble mostra um disco protoplanetário de poeira em torno a estrela Fomalhaut (HD 216956). Crédito: NASA, ESA, P. Kalas, J. Graham, E. Chiang, E. Kite (University of California, Berkeley), M. Clampin (NASA Goddard Space Flight Center), M. Fitzgerald (Lawrence Livermore National Laboratory), e K. Stapelfeldt e J. Krist (NASA Jet Propulsion Laboratory Os planetas do sistema solar, de acordo com as teorias mais aceitas, teriam se formado por volta de 4,5 bilhões de anos atrás. A formação aconteceu a partir do choque entre pequenas partículas, que pouco a pouco foram se juntando e formando rochas, até que se tornaram massivas o bastante para ter gravidade e “nascerem” como planetas. Mas como se criaram as moléculas orgânicas que proporcionam a vida? Um estudo recente, conduzido por dois geofísicos da NASA, sugere que a matéria necessária para que haja vida foi resultante de dois compostos: inicialmente, as substâncias resultantes de um disco de poeira que…

África do Sul e Austrália disputam direito de abrigar telescópio

Imagem
Países brigam pelo SKA, que será o telescópio mais potente do mundo, que tem um projeto de 4,87 bilhões de reais Concepção artísticados pratosmatrizes do Square Kilometre Array.Crédito:SPDO/TDP/DRAO/SwinburneAstronomy Rivais nos campos de rúgbi, de críquete e no setor de mineração, a África do Sul e a Austrália agora protagonizam uma nova disputa: ambos querem ter o direito de abrigar o telescópio mais potente do mundo. Os dois países são finalistas de uma concorrência para ter em seu território o equipamento, conhecido como SKA (Square Kilometre Array), que será 50 vezes mais sensível e 10 mil vezes mais rápido do que qualquer outro telescópio do planeta, de acordo com o consórcio internacional que financia o projeto de 2 bilhões de euros. A briga ficou séria. A África do Sul acusa a Austrália de jogar sujo e os australianos questionaram a segurança de se desenvolver um projeto tão caro na África do Sul, um país com altas taxas de crimes violentos. A África do Sul acusou a Austrália in…

Nebulosa planetária NGC 40

Imagem
Crédito: WIYN/NOAO/NSF. A nebulosaplanetária NGC 40 situa-se na constelação do Cefeu, a cerca de 4000 anos-luz de distância da Terra. A estrela central é relativamente brilhante, tem uma massa correspondente a cerca de 70% da massa do Sol, e é muito mais quente do que seria de esperar, considerando as propriedades da nebulosa que a rodeia. Isto porque a sua temperatura de 90000 graus deveria de ser suficiente para excitar a nebulosa para um estado mais elevado de ionização do que aquele em que se encontra. As nebulosas planetárias formam-se quando estrelas com massas semelhantes à do Sol terminam a sua vida, expulsando as suas camadas gasosas para o espaço exterior. Fonte: http://www.portaldoastronomo.org

Galáxias espirais podem ajudar a entender a matéria escura

Imagem
Um estudo realizado no Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG) da USP analisou a luz emitida por galáxias espirais próximas observadas pelo Gassendi H Alpha survey of Spirals (GHASP), um programa francês de observação sistemática de galáxias espirais. “O meu trabalho foi apenas uma parte do projeto maior envolvendo pesquisadores brasileiros e franceses. A partir dos dados obtidos pelas observações do GHASP, que são feitas na França, fiz a análise fotométrica para entender as diferentes componentes das galáxias espirais e quanto cada uma delas emite de luz”, conta o astrônomo Carlos Eduardo Barbosa, autor da dissertação de mestrado defendida no IAG em outubro, sob orientação da professora Cláudia Lucia Mendes de Oliveira.
O disco da galáxia espiral emite mais luz do que o bojo, localizado na parte central
A pesquisa analisou a emissão de fótons na banda R, correspondente à região vermelha da luz visível, que é emitida principalmente pelas estrelas de baixa massa.…

Estrela explode e vira do avesso

Imagem
(Crédito:Ilustração:NASA /CXC/M.Weiss;X-ray: NASA /CXC/ GSFC/U.Hwang&J.Laming)
Há cerca de 300 anos (há pouco tempo, em termos espaciais), uma estrela explodiu na constelação de Cassiopeia, a aproximadamente 11 mil anos-luz da Terra. A movimentação que gerou a supernova resultante, chamada de Cassiopeia A (ou Cas A), está sendo reconstituída no observatório Chandra, da NASA (satélite lançado em 1999). Aparentemente, a estrela “virou do avesso” depois de explodir. Como uma estrela pode virar do avesso depois de explodir?  Isso acontece devido aos elementos químicos que a estrela formou durante sua vida.

O que os cientistas fizeram foi analisar imagens de raio-X que mostram o que sobrou da estrela explodida há três séculos, e comparar com a composição da estrela ainda inteira, antes da explosão. A estrela antiga, conforme projeção dos pesquisadores, possuía ferro no núcleo, seguido por uma camada de enxofre e silício, e uma externa de oxigênio, neônio e magnésio. A superfície da estr…

Porque é que se diz que somos filhos das estrelas?

Imagem
Crédito: ESO Inicialmente o Universo era constituído por apenas dois elementos: Hidrogénio e Hélio. Os átomos destes dois elementos são muito simples, pois o seu núcleo possui apenas um protão, no caso do Hidrogénio, e dois protões mais dois neutrões, no caso do Hélio. A vida, tal como a conhecemos, é constituída por compostos químicos com base no Carbono, que tem seis protões e seis neutrões no seu núcleo. Então de onde vieram os protões e neutrões adicionais? O carbono, tal como todos os restantes elementos químicos até ao Ferro, é produzido no núcleo das estrelas, através das reacções de fusão nuclear. Quanto aos restantes, mais pesados que o Ferro, ou seja, com mais partículas no seu núcleo, são, na sua quase totalidade, criados nas explosões das estrelas gigantes, a que se dá o nome de supernovas. Assim, podemos afirmar que somos filhos das estrelas, porque os átomos que nos compõem foram criados nas estrelas. Fonte:http://www.portaldoastronomo.org

Uma Galáxia Espiral em Hidra

Imagem
Créditos:ESA/Hubble & NASA (galáxia NGC 4980) Essa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble das Agências Espaciais NASA e ESA mostra a NGC 4980, uma galáxia espiral localizada na constelação do sul de Hydra. A forma da NGC 4980 aparece levemente deformada, algo que é normalmente um sinal de interações de maré recentes com outra galáxia. No caso dessa galáxia, contudo, isso não parece ser a causa, já que não existem outras galáxias na vizinhança imediata dela. A imagem acima, foi produzida como parte de um programa de pesquisa para se entender os bulbos galácticos, o centro brilhante e denso das galáxias elípticas. Bulbos clássicos, são relativamente desordenados com estrelas orbitando o centro galáctico em todas as direções. Em contraste, em galáxias com os chamados pseudo bulbos, ou bulbos do tipo de disco, o movimento dos braços espirais é preservado perto do centro da galáxia. Embora a estrutura espiral seja relativamente sútil nessa imagem, os cientistas têm mostrado que a …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...