Postagens

Mostrando postagens de Junho 1, 2012

Trânsito de Vênus ajudará a encontrar exoplanetas habitáveis

Imagem
O par de trânsitos de Vênus 2004/2012 só se repetirá a partir de 2017. [Imagem: NASA]
Última chance - Cientistas e astrônomos amadores de todo o mundo preparam-se para observar o planeta Vênus passando à frente do Sol. É o chamado trânsito de Vênus. Do ponto de vista da Terra, em nosso Sistema Solar apenas Vênus e Mercúrio apresentam trânsitos, porque o fenômeno ocorre apenas quando um planeta passa diretamente entre o Sol e a Terra. Como o plano orbital de Vênus não está alinhado exatamente com o da Terra, o fenômeno, é muito raro, e vem sempre aos pares, com os pares alternando hiatos de 105,5 e 121,5 anos. O trânsito de Vênus ocorrerá nos próximos dias 5 e 6 de junho, com uma duração de quase 7 horas. O par 2004-2012 só se repetirá a partir de 2017. Ou seja, se você não vê-lo desta vez, precisará de muita sorte para ter outra chance nesta vida.
Trânsitos planetários - Os trânsitos planetários tornaram-se mais famosos depois que os astrônomos começaram a utilizá-los para detectar exop…

Nasa lançará telescópio de raios-X com precisão inédita

Imagem
O NuSTAR vai gerar imagens com resolução dez vezes maior do que as atualmente obtidas nesta faixa do espectro eletromagnético Concepção artística do NuSTAR em órbita. O telescópio tem um mastro de 10 metros que será erguido depois do lançamento para separar o módulo ótico (à direita) dos detectores (esquerda) (NASA/JPL-Caltech) A Nasa, agência espacial americana, vai lançar em 13 de junho o telescópio NuSTAR de raios-X, capaz de examinar o universo e os buracos negros com uma resolução inédita. O NuSTAR será o primeiro telescópio espacial capaz de criar imagens do cosmo a partir de raios-X de alta energia, do mesmo tipo que os utilizados para gerar imagens do esqueleto humano ou para escanear bagagens nos aeroportos. O telescópio vai captar a alta energia dos raios-X através da poeira e do gás que obstruem a observação das galáxias, os buracos negros e as estrelas de nêutrons situadas no coração da Via Láctea.

O novo telescópio vai gerar imagens com uma resolução dez vezes maior do que…

Revista científica lista maiores mistérios atuais da astronomia

Imagem
'Science' selecionou oito fenômenos ainda não explicados pela física. Lista inclui tópicos como a matéria escura. Galáxia Abell 1689 teria matéria escura, segundo os astrônomos (Foto: Nasa, ESA, E. Jullo (JPL), P. Natarajan (Yale), & J.-P. Kneib (LAM, CNRS)) A “Science”, uma das mais prestigiadas revistas científicas do mundo, geralmente traz em suas páginas pesquisas com importantes avanços, que esclarecem questões fundamentais da ciência. Nesta semana, no entanto, a publicação deu espaço a dúvidas que ainda não foram solucionadas. Os editores da revista prepararam uma série chamada “Mistérios da Astronomia”, que apresenta oito fenômenos que os especialistas não sabem explicar – ao menos não há um consenso para isso.
O que é energia escura?
 Há 14 anos, os cientistas descobriram a energia escura, mas ainda não conseguiram explicar exatamente o que ela é. Pelos conhecimentos que a humanidade tem de física, a expansão do Universo deveria ser cada vez mais lenta. Porém, a expans…

Técnica pode ajudar a compreender formação da Via-Láctea

Imagem
Método que revela idade de estrelas pode ajudar astrônomos a compreender sequência de eventos que levaram à formação da galáxia logo após o Big Bang.Foto: NASA/JPL-Caltech /Divulgação Quatro estrelasmoribundas no halo da Via Láctea estão fornecendo nova informação sobre o nascimento de nossa galáxia. Uma nova técnica revelou as idades dessas estrelas, e aplicar o mesmo método a outras deve propiciar uma compreensão melhor de como a galáxia se reuniu após o Big Bang. Para deduzir a evolução precoce da Via Láctea, os astrônomos tem que medir as idades das estrelas mais velhas. A maioria das estrelas da galáxia, incluindo o Sol, reside em um disco fino, mas as estrelas antigas ficam em um halo em torno desse disco. Os membros mais brilhantes do halo são um aglomerado de estrelas embaladas chamado globulares, cuja idade é determinada pela cor e brilho de suas muitas estrelas. Porém, para toda estrela em um aglomerado globular, existem cerca de 100 estrelas no halo por conta própria, e datá…

Nossa galáxia colidirá com outra em 4 bilhões de anos, diz Nasa

Imagem
Quando isso acontecer, o corpo galáctico resultante deverá ser elíptico em vez do conhecido formato espiral da nossa galáxia, diz estudo

Em quatro bilhões de anos, pouco menos do que se passou desde a criação da Terra, a Via Láctea deixará de existir. Pelo menos na forma como ela é conhecida hoje. A galáxia caminha para uma inevitável colisão com Andrômeda, uma galáxia quase do mesmo tamanho que a nossa, situada a 2,5 milhões de anos-luz de distância. Quando isso acontecer, o corpo galáctico resultante deverá ser elíptico em vez do conhecido formato espiral da Via Láctea, segundo os cálculos dos astrônomos Roeland van der Marel e Sangmo Tony Sohn, do Space Telescope Science Institute, em Maryland, nos Estados Unidos. Os resultados serão publicados no periódico americano Astrophysical Journal.
Uma única galáxia
Os pesquisadores chegaram a tal conclusão depois de fazer uma análise meticulosa da posição de Andrômeda entre 2002 e 2010, usando dados do telescópio Hubble. Andrômeda é galáxia …

A Galáxia do Redemoinho em imagem multiespectral

Imagem
CréditosImagem: X-ray: NASA /CXC/SAO;IReUV:NASA /JPL-Caltech;ópticos:NASA/ STScI A imagem acima mostra uma imagem da Galáxia do Redemoinho, também conhecida como M101, e combina dados do infravermelho, da luz visível, ultravioleta, e raios-X de quatro telescópios espaciais da NASA. Essa imagem multiespectral mostra que tanto as estrelas jovens como as estrelas velhas são igualmente distribuídas ao longo dos braços espirais da M101. Essa imagem composta permite aos astrônomos observar como essas feições em uma parte do espectro se ajusta com aquelas observadas em outras partes. É como se estivéssemos observando uma mesma cena através de uma câmera comum, uma câmera ultravioleta, uma câmera de visão noturna e uma câmera de raios-X, todas ao mesmo tempo. A Galáxia do Redemoinho localiza-se na constelação da Ursa Major, também conhecida como a Grande Concha. Ela é aproximadamente 70% maior do que a nossa Via Láctea com um diâmetro de aproximadamente 170000 anos-luz, e localiza-se a aproxim…

Uma Trinca de Nebulosas em Sagittarius

Imagem
Crédito de imageme direitos autorais:MartinPugh Essas três brilhantes nebulosas são freqüentemente apresentadas em passeios telescópicos pela constelação de Sagittarius e pelos campos repletos de estrelas da parte central da Via Láctea. De fato, o turista cósmico do século 18, Charles Messier catalogou duas dessas nebulosas, a M8, a grande nebulosa à esquerda do centro, e a colorida M20 à direita. A terceira, é a chamada NGC 6559, que aparece acima da M8, e que está separada da nebulosa maior por uma linha escura de poeira. Todas as três nebulosas são berçários estelares localizados a uma distância aproximada de 5 mil anos-luz. A expansiva M8 com aproximadamente 100 anos-luz de diâmetro, é também conhecida como a Nebulosa da Lagoa. A M20, é popularmente conhecida como Nebulosa Trífida. O gás hidrogênio brilhante cria a cor vermelha dominante das nebulosas de emissão, cor essa que contrasta com as tonalidades azuladas, mais destacada na Trífida, devido à luz estelar refletida pela poeir…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...