Postagens

Mostrando postagens de Outubro 4, 2012

As estrelas roubadas da Via Láctea

Imagem
Região externa da galáxia captura astros de aglomerados globulares

Aglomerado globular M4: possível origem da estrela G53-41
Um trio de astrofísicos peruanos do qual faz parte Jorge Meléndez, da Universidade de São Paulo (USP), obteve a primeira evidência direta de que parte das estrelas do halo, a região mais externa e com menor densidade de gás e estrelas da Via Láctea, originou-se em pequenas áreas de altíssima concentração estelar conhecidas como aglomerados globulares.
Com a forma de uma gigantesca esfera que envolve toda a galáxia, o halo abriga estrelas com 10 a 12 bilhões de anos de idade, que estão entre as mais antigas da galáxia e se distribuem de duas formas: ou estão muito dispersas (são as chamadas estrelas de campo) ou extremamente adensadas nos aglomerados globulares. Segundo Meléndez, cujo trabalho foi financiado pela FAPESP, há algum tempo se acredita que boa parte das estrelas de campo se formou nos aglomerados globulares, dos quais se desprenderam mais tarde, mas ain…

Encontrada estrela com órbita mais curta ao redor de buraco negro no centro da galáxia

Imagem
Descoberta pode ajudar a comprovar teoria da relatividade, que prevê que a gravidade do buraco negro altera o espaço-tempo ao seu redor
Imagem mostra estrelas na região central da nossa galáxia. Em destaque, a órbita das estrelas S0-2 (que provou a existência de um buraco negro na região) e a recém-descoberta S0-102, que vai ajudar a testar a Teoria da Relatividade Geral.Foto: Andrea Ghez/UCLA/Divulgação

Cientistas dos Estados Unidos, Canadá e Espanha anunciaram nesta quinta-feira a descoberta de uma estrela que orbita o buraco negro no centro da Via Láctea a uma distância recorde. Segundo os pesquisadores, o objeto demora "apenas" 11,5 anos para dar uma volta ao redor do buraco negro - para se ter ideia, é apenas a segunda estrela conhecida com uma órbita menor que 20 anos - a maioria leva mais de seis décadas. O estudo foi divulgado na revista especializada Science. Os cientistas nomearam a nova estrela de S0-102. Antes dela, a estrela de menor órbita conhecida (16 anos) era…

Os 10 melhores lugares para encontrar vida extraterrestre

Imagem
A corrida para encontrar vida inteligente, ou qualquer forma de vida, para além da Terra é uma disputa espacial aquecida durante décadas. Embora nenhuma evidência concreta de extraterrestres já fosse confirmada, parece que cada sonda espacial já lançada e os programados para lançamento têm um "encontrar vida extraterrestre" estampado em sua missão. Isso não quer dizer que não temos nossas próprias teorias de onde a vida poderia estar se escondendo. Aqui, vamos dar uma olhada em alguns lugares que temos explorado, e alguns que não temos:
Meteoros: Há cerca de 22.000 meteoritos documentados descobertos na Terra, e muitos dos encontrados continham compostos orgânicos. Em 1996, um grupo de cientistas anunciou que tinham visto uma forte evidência de microfósseis num meteorito marciano encontrado na Antártida, mostrando que a vida pode ter existido no planeta vermelho a cerca de 3,6 bilhões de anos atrás. Depois de anos de intenso debate, a questão de saber se o meteorito marciano c…

Sonda Aurora completa missão a Vesta e parte em direção a Ceres

Imagem
o protoplaneta Vesta em imagem registrada pela sonda Down a apenas 14 mil quilômetros de distância. Créditos: Nasa/JPL, Apolo11.com

A sonda interplanetária Down (Alvorada) completou recentemente parte de sua missão e após estudar o protoplaneta Vesta por mais de um ano seguiu viagem ao seu segundo objetivo, o planeta-anão Ceres. Se tudo correr como planejado, a nave chegará ao seu destino em 2015, quando dará início a uma nova fase de estudos no Sistema Solar. Junto com outros objetos, Ceres e Vesta orbitam em uma extensa zona conhecida como Cinturão de Asteroides, situada entre as orbitas de Marte e Júpiter.
Até maio de 2012, Vesta era classificado pela União Astronômica Internacional como um asteroide, mas foi "promovido" a protoplaneta pela própria entidade, após diversos estudos demonstrarem que o objeto tem mais características em comum com outros planetas do que com qualquer asteroide conhecido. A definição de protoplaneta é a de um planeta que ainda está se formando, m…

Cometa recém-descoberto será mais brilhante que a Lua ao passar próximo de Marte em 2013

Imagem
Um fraco ponto de luz na constelação de Câncer deve tornar-se mais brilhante entre no céu no final de 2013. Os astrônomos russos Artyom Novichonok e Vitali Nevski da Internacional Scientific Optical Network (ISON) avistaram um objeto celeste classificado oficialmente pela União Astronômica Internacional como um cometa, batizado de 2012 S1. Ele passará entre Saturno e Júpiter, a mais de 990 milhões de quilômetros da Terra, mas como a gravidade do Sol irá atraí-lo, deverá passar a 10 milhões de quilômetros de Marte, permitindo registros fotográficos inacreditáveis através da sonda Curiosity que está vasculhando o solo marciano.
À medida que se aproxima do Sol, o gelo do objeto de 3 quilômetros de largura começará a derreter, formando uma impressionante “cauda” com poder reflexivo da luz solar. Dependendo do tamanho total da “cauda”, o brilho poderá ser superior ao do nosso satélite natural em dias de lua cheia. Se ele fizer jus às expectativas, este cometa pode ser um dos mais brilhantes…

Cientistas encontram cúmulo de estrelas com dois buracos negros

Imagem
Trata-se dos primeiros buracos negros, situados em um cúmulo, detectados por emissões de rádio ao invés de raios-X, o que significa que estariam aumentando de tamanho Cientistas americanos encontraram um cúmulo de estrelas, dentro da Via Láctea, no qual foram detectados dois buracos negros ao invés de um, segundo publicou nesta quarta-feira, 3, a revista científica britânica "Nature". O cúmulo globular M22, formado por até um milhão de estrelas, contém pelo menos dois buracos negros, uma descoberta que modifica a teoria mais sólida até o momento. Segundo esta mesma teoria, nestes agrupamentos de estrelas são gerados centenas de buracos negros, mas a maioria deles é expulso para o exterior por conta da força gravitacional, fazendo com que só um permaneça dentro do cúmulo.
"Os processos físicos que esperamos que aconteçam estão, de fato, tendo um lugar no cúmulo. Os buracos negros são mais maciços que as estrelas, o que faz com que migrem ao centro do cúmulo e interajam ent…

NGC 7293: A Nebulosa da Hélice

Imagem
Crédito da imageme direitos autorais:MartinPugh A apenas setecentos anos-luz de distância da Terra, na constelação de Aquarius, uma estrela parecida com o Sol, está morrendo. Os últimos milhares de anos foram necessários para produzir a Nebulosa da Hélice, ou NGC 7293, um exemplo próximo e muito bem estudado de um objeto conhecido como Nebulosa Planetária, típica da fase final da evolução estelar. Um total de 58 horas de exposição foram necessárias para criar essa visão profunda da nebulosa, mostrada acima. Acumulando dados de banda limitada das linhas de emissãoo dos átomos de hidrogênio em vermelho e dos átomos de oxigênio em tonalidades azul esverdeada, a imagem acima mostra detalhes surpreendentes da região brilhante interna da nebulosa, com aproximadamente 3 anos-luz de diâmetro, mas também mostra as feições mais apagadas do halo externo que faz com que a nebulosa se espalhe por mais de 6 anos-luz. O ponto branco no centro da Hélice é a estrela central quente da Nebulosa Planetári…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...