Postagens

Mostrando postagens de Novembro 6, 2012

Por que há mais luz no universo do que deveria?

Imagem
O Universo é cheio de mistérios, e um deles pode estar prestes a ser revelado. Quando você olha para o céu, à noite, o fundo do céu parece ser escuro. Mas se você olhar para o mesmo céu com um telescópio capaz de enxergar a radiação infravermelha, vai descobrir que todo o cosmos apresenta um brilho de luz infravermelha – e não estamos falando da radiação cósmica de fundo. Primeiro, os cientistas tentaram explicar esta luz infravermelha usando as galáxias. No entanto, a quantidade de estrelas e de galáxias é insuficiente para explicar tal luz.
As duas outras melhores hipóteses para explicar o que o professor de física e astronomia Edward L. (Ned) Wright chama de “flutuações” eram as galáxias não tão distantes e fracas, ou então galáxias distantes. Porém, como o próprio Ned explica, a primeira hipótese está errada por um fator de 10, e a segunda por um fator de 1.000. Agora, uma nova hipótese apresentada na revista Nature, elaborada por Asantha Cooray, um professor de física e astronomia…

Descoberta de planetas perto do sistema solar reacende desejo por viagem estelar

Imagem
Astrônoma da Universidade da Califórnia defende o envio imediato de uma sonda ao novo planeta descoberto no sistema Alfa Centauro B Impressão artística mostra o planeta em órbita da Alfa Centauri B/ ESO/L. Calçada A notícia divulgada semana passada, segundo a qual existe um planeta circulando Alfa Centauro B , somente a um pouquinho mais de quatro anos-luz de distância, estimulou uma epidemia de devaneios entre o mundo astronômico e o de ficção científica, contando comigo. Para quem acredita que viagens interestelares, para pessoas ou robôs, pertencem ao futuro, Alfa Centauro, sistema estelar trinitário considerado o vizinho mais próximo do Sol, sempre representou um destino grande e próximo. Por exemplo, ele foi o lar do mítico mundo florestal de Pandora no épico " Avatar ", de James Cameron. O novo planeta não conta com selvas, felinos gigantes de pele azul ou, até onde sabemos, o mineral mágico unobtainium. Em vez disso, é uma bolha infernal de lava inabitável, provavelment…

O Caótico Nascimento de Estrelas na NGC 1333

Imagem
Localizada a 1000 anos-luz de distância da Terra na constelação de Perseus, uma nebulosa dereflexão chamada de NGC 1333 resume a beleza caótica do que é um denso grupo de estrelas nascendo. Boa parte da luz visível das jovens estrelas nessa região é obscurecida por uma densa e empoeirada nuvem onde elas estão se formando. Com o Telescópio Espacial Spitzer da NASA, os cientistas podem detectar a luz infravermelha proveniente desses objetos. Isso nos permite olhar através da poeira para se ter um entendimento mais detalhado de como as estrelas como o Sol começaram suas vidas.
As jovens estrelas na NGC 1333 não formam um simples aglomerado, mas sim se dividem em dois subgrupos. Um grupo está ao norte perto da nebulosa mostrado em vermelho nessa imagem. O outro grupo está ao sul, onde as feições são mostradas em amarelo e em verde na parte mais densa da nuvem de gás natal. Com os olhos afiados do Spitzer, os cientistas podem detectar e caracterizar o calor e os discos empoeirados do materi…

Rover Curiosity encontra pistas de mudanças na atmosfera de Marte

Imagem
No sol 84 (31 de Outubro), o rover Curiosity usou o instrumento MAHLI para capturar este conjunto de 55 imagens de alta-resolução, agrupadas para criar este mosaico. Crédito: NASA/JPL-Caltech/MSSS
O rover da NASA com o tamanho de um carro, Curiosity, deu passos significativos em direcção a compreender como Marte pode ter perdido grande parte da sua atmosfera original. A descoberta do que aconteceu com a atmosfera marciana vai ajudar os cientistas a avaliar se o planeta já foi habitável. A atmosfera actual de Marte é 100 vezes mais fina que a da Terra. Um conjunto de instrumentos a bordo do rover ingeriu e analisou amostras da atmosfera recolhidas perto do local "Rocknest" na Cratera Gale, onde o veículo está parado para pesquisa. Os achados do instrumento SAM (Sample Analysis at Mars) sugerem que a perda de uma fracção da atmosfera, resultante de um processo físico favorecendo a retenção de isótopos mais pesados de certos elementos, tem sido um facto importante na evolução do…

Vida extraterrestre pode depender de cinturões de asteroides estrategicamente posicionados

Imagem
A possibilidade de existência de vida em exoplanetas parece estar diretamente relacionada à existência de um cinturão de asteroides, segundo um estudo. Três cenários possíveis para a evolução dos cinturões de asteróides. Top: Um planeta Jupiter migra através do cinturão, dispersando o material e inibindo a formação de vida em planetas. Médio: Um planeta tamanho de Júpiter move ligeiramente para dentro, mas é apenas fora da cinturão (este é o modelo proposto para o nosso sistema solar). Conclusão: Um grande planeta não migra em tudo,e  a criação de um cinturão de asteróides maciço. Material do cinturão de asteróides  poderia bombardear planetas, possivelmente impedindo a vida de evoluir. Crédito: NASA / ESA / STScI
Segundo a pesquisa, cinturões como o nosso podem ajudar a estimular a evolução da vida, semeando planetas rochosos com água e substâncias químicas complexas, mas sem bombardear os planetas com constantes e violentos impactos. Menos de 4% dos outros sistemas solares conhecidos …

A vingança de Plutão

Imagem
Plutão sempre esteve imerso em alguma polêmica, começando pela sua descoberta. Em 1846, Urbain Le Verrier e John Couch Adams usando as leis da gravitação de Newton, conseguiram prever a posição de um novo planeta, depois de Urano, que deveria estar influenciando sua órbita. A posição de Urano às vezes não correspondia à posição prevista e através de cálculos apenas, Le Verrier e Adams (de forma independente) mostraram a posição deste suposto novo planeta. Assim foi descoberto Netuno. No final do século XIX, todavia, Netuno parecia mostrar perturbações semelhantes às de Urano e começou-se a especular a respeito de um novo planeta, mais distante, que pudesse explicar as observações. Percival Lowell construiu um observatório no estado norte-americano do Arizona em 1904 e passou a procurar por esse planeta, que ele chamou de Planeta X. Apesar de ter sido observado 16 vezes desde 1909, apenas em 1930 o planeta foi descoberto por Clyde Tombaugh, 15 anos depois da morte de Lowell. Essa descob…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...