Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2013

Hubble encontra velha e misteriosa galáxia espiral

Imagem
Um turbilhão cósmico impressionante foi observado pelo Telescópio Espacial Hubble, da NASA. A formação inusitada se encontra no centro da galáxia NGC 524, localizada na constelação de Peixes, a cerca de 90 milhões de anos-luz da Terra. A NGC 524 é uma galáxia lenticular. Acredita-se que essas galáxias lenticulares são um estado intermediário na evolução galáctica – não são nem elípticas nem espirais. As galáxias espirais são “de meia-idade”, com grandes braços em formato de roda, contendo milhões de estrelas. Junto com essas estrelas, se localizam grandes nuvens de gás e poeira, que, quando suficientemente densas, formam o ambiente ideal para novas estrelas nascerem. Quando todo o gás se esgota ou se perde no espaço, os braços gradualmente vão desaparecendo, e consequentemente a forma espiral começa a enfraquecer. No final deste processo, o que resta é uma galáxia lenticular – um disco brilhante cheio de velhas estrelas vermelhas, rodeadas por o pouco de gás e de poeira que a galáxia …

O mistério dos cinturões de Van Allen

Imagem
Em 1958, cientistas da NASA descobriram dois círculos de partículas ao redor da Terra, batizados como “cinturões de Van Allen” (em homenagem a um dos responsáveis pelo estudo). Mais de 50 anos depois, descobriram o que “alimenta” esses círculos – algo que pode ajudar a entender fenômenos similares que ocorrem com outros planetas. Embora não sejam imponentes como, digamos, os anéis de Saturno, os cinturões podem ser perigosos: suas partículas são tão numerosas e viajam a velocidades tão altas que satélites precisam usar escudos para evitar danos em partes menos resistentes. De onde vêm essas partículas? Como ganham velocidade? Havia duas hipóteses: ou elas seriam “capturadas” ao sair da magnetosfera da Terra e acelerariam no processo; ou elas seriam resultado de fenômenos que ocorrem dentro dos cinturões. Em 2012, a NASA enviou duas sondas e descobriu que, a princípio, a hipótese correta é a segunda. No interior dos cinturões de Van Allen, os elétrons de atómos que os compõem são arran…

Detectada polarização na radiação cósmica de fundo

Imagem
O sinal do modo B da polarização pode favorecer cálculos relacionados a neutrinos e informações sobre inflação A imagem mostra a anisotropia da radiação cósmica de fundo (cosmic microwave background) depois de subtraídas a anisotropia de dipolo, emissão decorrentes de poeira (emissão térmica), gás (emissão livre), e as partículas carregadas qie interagem com campos magnéticos (emissão síncrotron) na Via Láctea. A anisotropia CMB - pequenas flutuações na luminosidade do céu (um em cem mil) - foi detectada pela primeira vez pelo instrumento DMR COBE. Astrônomos detectaram um sinal de polarização previsto há muito tempo nas ondulações do Big Bang. O sinal, conhecido como polarização de modo B, é provocado pelo arrasto gravitacional da matéria sobre fótons de microondas deixados pelo Big Bang. Sua detecção, feita por um telescópio de microondas no Polo Sul e postada esta semana no servidor de preprints arXiv, aumenta as esperanças de que o sinal possa ser usado para mapear a quantidade de m…

Estrela parecida com o som está sendo puxada por um exoplaneta gigante

Imagem
Uma equipe de pesquisadoresdesenvolveuuma forma de mediras propriedadesinternas dasestrelas-um método queoferece avaliaçõesmais precisas dosseus planetasem órbita. Os pesquisadores examinaramHD52265e seu únicoplanetana órbitada estrela.Esta é uma rendiçãoartística doHD52265e suaórbitaplanetasemelhante a Júpiter.Crédito:MPIparaSolar SystemResearch/ MarkA.Garlick Analisando as vibrações sônicas em uma estrela distante parecida com o Sol, os astrônomos podem ter calculado exatamente quão rápido estrelas giram e quanto pesa um planeta gigante alienígena próximo. Estrelas, incluindo o Sol, experimentam onda sonoras que varrem seu interior e causam pequenas flutuações rítmicas em seu brilho. Estudando essas variações, os cientistas podem entender melhor o interior das estrelas – um emergente campo científico conhecido como asterosismologia, que é semelhante à sismologia na Terra, que ajuda os geólogos a entenderem melhor o interior do nosso planeta. Os cientistas usaram o satélite COROT para …

Telescópio da Nasa capta exoplaneta passando diante de 'estrela-mãe'

Imagem
Planeta tem tamanho equivalente a Júpiter, diz agência espacial.Sistema planetário está localizado a 63 anos-luz da Terra. Concepção artística mostra o planeta HD 189733b passando diante de estrela; no detalhe do canto superior direito, observação de raios-X (Foto: Divulgação/Nasa/CXC/SAO/K.Poppenhaeger) O telescópio Chandra, da agência espacial americana (Nasa), fez observações de um exoplaneta com tamanho equivalente a Júpiter passando diante de sua "estrela-mãe". É a primeira vez que este alinhamento é registrado com detecção de raios-X, afirma a agência, em nota. Os exoplanetas são planetas localizados fora do Sistema Solar. O planeta observado, de nome HD 189733b, tem tamanho equivalente a Júpiter mas está em uma órbita próxima à sua estrela - 30 vezes mais próximo do que a Terra está do Sol. O sistema que inclui o exoplaneta e a estrela está a 63 anos-luz da Terra. O HD 189733b completa sua órbita em torno da estrela a cada 2,2 dias. A Nasa indica ainda que a temperatura…

Origem de buraco negro tem nova interpretação

Imagem
Será que buracos negros abandonam suas casas e vão para outras galáxias? Se for o caso, uma galáxia chamada NGC 1277 pode abrigar um fugitivo em seu núcleo. NGC 1277: Imagem do Telescópio Espacial Hubble da galáxia que pode ter confiscado o buraco negro supermassivo de outra galáxia. Em 2012, astrônomos descobriram um buraco negro supermassivo em seu centro, com a massa de 17 bilhões de sois – o mais massivo conhecido. Normalmente, um buraco negro tão enorme só seria encontrado em uma galáxia muito maior, o que sugere algo incomum no passado da NGC 1277. Dois astrônomos têm uma ideia: e se o buraco negro foi capturado após ser ejetado de uma colisão galáctica há bilhões de anos?

Na verdade, o buraco negro pode ser o que restou de uma galáxia ainda maior que fica nas proximidades. Há bilhões de anos, duas galáxias – cada uma carregando um buraco negro em seu núcleo – se chocaram para formar uma galáxia massiva chamada de NGC 1275. Durante a colisão, os buracos negros centrais se atraíram,…

Uma Galáxia Espiral Coroada Por Uma Estrela

Imagem
Outro tesouro desenterrado dos arquivos do Hubble, essa bela imagem mostra uma galáxia espiral denominada NGC 4517. Um pouco maior que a Via Láctea, ela é vista de lado e coroada por uma estrela bem brilhante. A estrela está na verdade muito mais perto de nós do que a galáxia, explicando assim, porque ela aparece tão grande e brilhante nessa imagem. A NGC 4517 está localizada a aproximadamente 40 milhões de anos-luz de distância da Terra na constelação de Virgo (A Virgem). Ela tem um centro brilhante, mas isso não é visto nessa imagem do Hubble. Sua orientação tem levado a incluí-la em muitos estudos de aglomerados globulares, conjuntos de estrelas que orbitam o centro de galáxias como satélites. Essa galáxia foi descoberta em 1784 por William Herschel, que descreveu essa região como tendo “uma bela estrela brilhante situada exatamente a norte do centro de extenso raio leitoso”. Claro que o “raio leitoso” visto por Herschel é na verdade essa galáxia espiral, mas com seu equipamento de…

Messier 100: Esplendor grandioso

Imagem
As galáxias em espiral são geralmente objetos esteticamente muito apelativos, ainda mais quando nos aparecem de frente. Esta imagem mostra um exemplo particularmente bonito: trata-se da galáxia em espiral Messier 100, situada a cerca de 55 milhões de anos-luz de distância, na região sul da constelação da Cabeleira de Berenice. Para além dos braços em espiral extremamente bem definidos, a Messier 100 apresenta também no seu centro, uma estrutura em barra muito ténue, o que permite classificá-la como sendo do tipo SAB. Embora não seja muito óbvia a partir desta imagem, os cientistas confirmaram efectivamente a existência da barra ao observar a galáxia a outros comprimentos de onda.

Esta imagem muito detalhada mostra as características principais que se esperam de uma galáxia deste tipo: enorme nuvens de hidrogénio gasoso, que brilham em zonas avermelhadas quando re-emitem a energia absorvida, emitida por estrelas de grande massa recentemente formadas; o brilho uniforme das e…

A cara em mudança do gelado Quaoar

Imagem
Impressão de artista de Quaoar e da sua pequena lua Weywot. A imagem tenta mostrar a cor moderadamente avermelhada de Quaoar. Crédito: NASA/JPL-Caltech/R. Hurt (SSC-Caltech)
Plutão não se pode queixar. Embora já não seja um planeta principal, pelo menos consegue ser o amado rei dos anões. A vida não é tão simples para Quaoar, outra bola de rocha e gelo à deriva nas periferias do Sistema Solar. Em tempos foi o segundo no comando de Plutão, o segundo maior objecto na cintura de Kuiper, um anel de planetas anões e outros corpos para lá da órbita de Neptuno. Mas mundos recém-descobertos e maiores continuam aparecendo. Entretanto, o tamanho de Quaoar (pronuncia-se "kwawar") foi revisto em baixa, graças a novas e melhoradas medições. O mundo estranho foi praticamente esquecido. Agora Quaoar pode ter perdido a honra que lhe resta, como o objecto mais denso na cintura de Kuiper. As últimas revisões do seu tamanho, densidade e forma sugerem que o objecto negligenciado tem muito mais em…

Estrelas de nêutrons podem ajudar a entender a Relatividade Geral e leis da Física

Imagem
Recentemente, os cientistas descobriram um meio de compreender o funcionamento das estrelas de nêutrons. Elas são corpos tão densos que conseguem embalar a massa de vários sóis em um espaço limitado. Existe uma relação universal que liga um trio de propriedades relacionadas com a rapidez com que a estrela gira e o quanto o seu formato se deforma. Esta relação pode ajudar os astrônomos a compreender à Física dentro de núcleos de estrelas de nêutrons, e distinguir estas estrelas de seus “primos” ainda mais estranhos, as estrelas de quarks. As estrelas de nêutrons nascem quando estrelas massivas ficam sem combustível para a fusão nuclear, isto é, essas estrelas são um dos possíveis estágios finais na vida de uma estrela. Elas são criadas quando estrelas com massa maior a oito vezes a do Sol esgotam sua energia nuclear e passam por uma explosão de supernova. Eventualmente, a pressão é tão grande que os átomos não conseguem reter a sua estrutura e colapsam. Prótons e elétrons fundem-se uns…

Nasa captura 'buraco' gigante na atmosfera do Sol

Imagem
Buraco no Sol foi registrado pela sonda Soho, da Nasa Foto: Nasa / Divulgação Uma sonda da Nasa e da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) registrou um buraco gigante na atmosfera solar, na área do polo norte do Sol. A sonda Observatório Solar e Helioscópico (Soho, na sigla em inglês) capturou a imagem do buraco gigantesco no dia 18 de julho. A Nasa afirma que os buracos, chamados de coronais, são regiões escuras de baixa densidade da camada mais externa da atmosfera solar, chamada de corona. Estes buracos têm pouco material solar, temperaturas mais baixas e, por isso, aparecem mais escuros nas imagens. Os buracos coronais são ocorrências típicas do Sol, mas costumam aparecer em outros lugares e com mais frequência em momentos diferentes do ciclo de atividade solar, que dura cerca de 11 anos. O ciclo de atividade solar atualmente está se encaminhando para o chamado máximo solar, um pico na atividade que deve ocorrer no final de 2013. Durante esta parte do ciclo, o número…

Os exoplanetas mais velhos já descobertos

Imagem
Dois grandes planetas do tamanho de Júpiter, descobertos em 2012, orbitando uma estrela localizada a 375 anos-luz de distância da Terra, que irá em breve se transformar em uma gigante vermelha (imagem acima), estão entre os mundos alienígenas mais velhos já descobertos de acordo com os cientistas do Max-Planck Institute for Astronomy em Heidelberg, na Alemanha. “A própria Via Láctea ainda não está completamente formada”, disse Johny Setiawan. Durante uma pesquisa usando a técnica de velocidade radial, onde os astrônomos observam por oscilações periódicas na luz da estrela devido a força gravitacional de mundos que ela o orbitam, Setiawan e seus colegas descobriram as assinaturas de dois planetas orbitando a estrela, chamada de HIP 11952. Com uma idade estimada de 12.8 bilhões de anos, a estrela hospedeira – e seus planetas – muito provavelmente se formaram no alvorecer do universo, menos de um bilhão de anos depois do Big Bang. Com base no cálculo feito pela equipe, um planeta alieníge…

Terceira supernova brilhante em 11 anos explode na M74

Imagem
A galáxiaM74 não somente pode ser considerada uma espiral quase que perfeita como também é um local repleto de atividades de supernovas, em onze anos 3 supernovas explodiram nessa galáxia. O mais novo objeto designado pelo singelo nome de PSN J01364816+1545310, foi descoberto brilhando com uma magnitude de 12.4 pelo projeto conhecido como Lick Observatory Supernova Search, no Observatório Lick perto de San Jose, na Califórnia. A sigla PSN, significa “possible supernova” e o número a frente da sigla relata a posição do objeto do céu em coordenadas equivalente ao que conhecemos como latitude e longitude. A M74 é uma galáxia espiral clássica com braços que parecem ser soprados do núcleo brilhante repleto de estrelas. Localizada a 32 milhões de anos-luz de distância na constelação de Pisces, a M74 contém algo em torno de 100 bilhões de estrelas. Os braços espirais são pontuados com densos aglomerados estelares e com nuvens rosas de gás hidrogênio fluorescente. A pesquisa do Lick usa um t…

Lançando nova luz sobre os objetos mais brilhantes do Universo

Imagem
Impressão de artista de ULAS J1120+0641, um quasar alimentado por um buraco negro com uma massa de 2 mil milhões de Sóis.Crédito: ESO/M. Kornmesser
Os quasaresestão entre os objectos mais brilhantes, mais antigos, mais distantes e mais poderosos do Universo. Alimentados por buracos negros supermassivos no centro de galáxias gigantescas, os quasares podem emitir enormes quantidades de energia, até mil vezes a produção total das centenas de milhares de milhões de estrelas de toda a nossa Via Láctea. Astrofísicos da Universidade de Dartmouth, no estado americano de New Hampshire, escreveram um artigo que será publicado na revista The Astrophysical Journal, que relata descobertas baseadas em observações de 10 quasares. Eles documentaram o imenso poder da radiação quasar, que se estende por muitos milhares de anos-luz, até aos limites da galáxia do quasar. "Pela primeira vez, somos capazes de ver a real extensão em que estes quasares e os seus buracos negros podem afectar as suas galáxi…

A tromba do elefante em IC 1396

Imagem
Créditos de imageme direitos autorais:JuanLozanode Haro Como uma ilustração num conto galáctico, a Nebulosa da Tromba do Elefante é soprada através da nebulosa de emissão e do jovem complexo de aglomerado estelar IC 1396, no alto e na parte distante da constelação de Cepheus. Claro, a tromba de elefante cósmica tem mais de 20 anos-luz de comprimento. Essa composição, mostrada acima foi registrada através de filtros de banda curta que transmitem a luz dos átomos ionizados de hidrogênio, enxofre, e oxigênio na região. A imagem resultante destaca as brilhantes cadeias que delimitam os bolsões de gás e poeira interestelar. Essas nuvens filamentares escuras, embebidas, contém o material bruto para a formação de estrelas e esconde protoestrelas dentro da poeira cósmica escura. Localizada a aproximadamente 3000 anos-luz de distância, o relativamente apagado complexo IC 1396, cobre uma região no céu que se espalha por mais de 5 graus. Esse mosaico de detalhe cobre um campo de visão de 2 graus,…

Companhia Privada Pretende Instalar Telescópio na Lua em 2015

Imagem
A exploração espacial privada deve ir para a Lua e logo. A primeira missão mundial para o polo sul ensolarado da Lua colocará um telescópio privado no pico lunar da Montanha Malapert no começo de 2015. Moon Express, uma startup privada de comércio lunar, e a International Lunar Observatory Association, uma fundção sem fins lucrativos para a observação da Lua, se juntaram para colocar o International Lunar Observatory, uma antena de rádio telescópio com 2 metros de diâmetro, na Lua, para observar a galáxia sem a interferência da atmosfera da Terra que absorve determinados tipos de radiação. O ILOA planeja começar pequeno, estabelecer uma presença científica na Lua e eventualmente mover a exploração humana para lá. Uma missão preliminar com um telescópio menor será lançada em 2015. O observatório completo, programado para chegar em 2016, poderá realizar, pesquisa científica, transmissão comercial e permitir a educação Galaxy 21st Century e a ciência cidadã na Lua, de acordo com o comunic…

IRIS Telescópio da NASA oferece o primeiro vislumbre da misteriosa atmosfera do Sol

Imagem
O momento quando um telescópio abre suas portas pela primeira vez culmina de anos de trabalhos e planejamento – enquanto que simultaneamente estabelece as bases para uma série de pesquisas e respostas que ainda estão por vir. Esse é um momento de uma animação e talvez com um pouco de incerteza. No dia 17 de Julho de 2013, uma equipe internacional de cientistas e engenheiros que apoiaram e construíram o Interface Region Imaging Spectrograph da NASA, ou IRIS, todos viveram esse momento. Enquanto que a nave orbitava a Terra, a porta do telescópio se abriu para observar as misteriosas camadas inferiores da atmosfera do Sol e os resultados foram realmente fantásticos. Os dados são claros e nítidos, mostrando com detalhes sem precedentes essa região pouco observada. “Essas belas imagens do IRIS irão nos ajudar a entender como a atmosfera inferior do Sol pode ser responsável por uma série de eventos ao redor do Sol”, disse Adrian Daw, cientista da missão para o IRIS no Goddard Space Flight Ce…

WISE da NASA descobre que os misteriosos objetos Centauros deve ser cometas

Imagem
A figura mitológica do Centauro - metade homem, metade cavalo - é usada para representar a população dos misteriosos objetos entre as órbitas de Júpiter e Netuno.Nasa/JPL  A verdadeira identidade de centauros, os pequenos corpos celestes que orbitam o Sol entre Júpiter e Netuno, é um dos grande mistérios persistentes da astrofísica. Eles são asteroides ou cometas? Um novo estudo de observações feitas com o Wide-field Infrared Survey Explorer, ou WISE da NASA aponta que a maior parte dos objetos centauros são cometas. Até agora, os astrônomos não tinham certeza se os centauros são asteroides expulsos da parte interna do Sistema Solar, ou cometas viajando em direção ao Sol de muito longe. Devido a sua natureza dúbia, eles receberam o nome da criatura da mitologia grega que tem cabeça e dorso humano e pernas de cavalo. “Como as criaturas místicas, os objetos centauros parecem ter uma vida dupla”, disse James Bauer do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, na Califórnia. Baue…

Curiosity faz sua maior caminhada em um dia no solo marciano

Imagem
O roverCuriosity da NASA em Marte fez um percurso duas vezes maior no dia 21 de Julho de 2013, do que em qualquer outro dia da missão, rodando por 100.3 metros na superfície do Planeta Vermelho. O comprimento desse drive teve como vantagem, começando no dia de trabalho 340 em Marte, ou Sol 340, uma localização com uma boa visão incomum dos engenheiros do rover que puderam planejar um drive seguro. Nas próximas semanas, a equipe do rover planeja usar a capacidade “autonav” para o rover navegar de forma autônoma, o que pode fazer com que drives mais longos como esse tornam-se mais frequentes. O Curiosity está a aproximadamente três semanas na sua jornada de vários meses da área conhecida como Glenelg onde ele trabalhou pela primeira metade do ano de 2013 até o ponto de entrada para o principal destino da missão: as camadas inferiores do Monte Sharp. O dia em que o rover tinha feito o seu maior drive antes de 21 de Julho de 2013, tinha sido em 26 de Setembro de 2012, quando o rover perco…

Da formação estelar explosiva a corrente de material ejectado

Imagem
ALMA fornece novas pistas sobre o mistério das galáxias de massa extremamente elevada desaparecidas Imagem a três dimensões das correntes de gás ejectadas pela NGC 253© ESO Novas observações obtidas com o telescópio ALMA no Chile, forneceram aos astrónomos a melhor pista de sempre sobre como é que a formação estelar vigorosa pode ejectar gás de uma galáxia, fazendo com que futuras gerações de estrelas não tenham combustível suficiente para se formar e crescer. As imagens mostram enormes correntes de gás molecular a serem ejectadas por regiões de formação estelar na galáxia vizinha do Escultor. Estes novos resultados ajudam a explicar a estranha escassez de galáxias de massa extremamente elevada no Universo. Este estudo é publicado na revista Nature a 25 de julho de 2013. As galáxias - sistemas como a nossa Via Láctea que contém até centenas de milhares de milhões de estrelas - são os blocos constituintes do cosmos. Um objectivo ambicioso da astronomia moderna é compreender o …

Artigos relatam pistas do passado atmosférico de Marte

Imagem
A imagem mostra uma demonstração em laboratório da câmara de medição dentro do espectrómetro de laser ajustável, um instrumento que faz parte do SAM a bordo do rover Curiosity.Crédito: NASA/JPL-Caltech Um par de novos artigos científicos relatam medições da composição da atmosfera marciana feitas pelo rover Curiosity da NASA, que também fornecem evidências acerca da perda de grande parte da atmosfera original da Marte. O conjunto de instrumentos laboratoriais SAM (Sample Analysis at Mars) a bordo do Curiosity mediu as abundâncias de diferentes gases e diferentes isótopos em várias amostras da atmosfera marciana. Isótopos são variantes do mesmo elemento químico com diferentes pesos atómicos devido a terem diferentes números de electrões, como por exemplo o isótopo mais comum de carbono, carbono-12, e um isótopo estável mais pesado, o carbono-13. O SAM verificou as proporções de isótopos mais leves de carbono e oxigénio no dióxido de carbono que compõe a maioria da atmosfera marciana. Os …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...