Postagens

Mostrando postagens de Março 18, 2013

Cientistas caçam estranha antimatéria no manto da Terra

Imagem
Cientistas identificaram provisoriamente várias partículas no fundo do manto da Terra, que poderiam revelar quanto calor o planeta produz e confirmar se a Terra se formou a partir de materiais vindos do sol. As partículas são chamadas de geoneutrinos, ou antimatérias de neutrinos (partículas exóticas fundamentais que podem passar através da Terra), que se formam no fundo do manto da Terra.
GeoneutrinosCada partícula de matéria tem uma partícula de antimatéria correspondente, que é idêntica, mas tem uma carga oposta. Quando as duas se encontram, aniquilam uma a outra. Quando a Terra se formou, os elementos radioativos tório e urânio foram distribuídos no interior do planeta em concentrações diferentes na crosta (camada mais externa da Terra) e no manto. Conforme esses elementos decaem radioativamente dentro do manto, emitem calor e formam partículas subatômicas conhecidas como geoneutrinos. O calor formado a partir dessa decadência é o motor que impulsiona o movimento do material visco…

Sondas exploram remanescente de supernova

Imagem
© NASA (imagem composta da remanescente de supernova) Enquanto realiza sua extensiva pesquisa por fontes de raios X nas regiões centrais da galáxia, o satélite Swift da NASA descobriu a até então desconhecida remanescente de uma estrela destruída.Designada G306.3-0.9 depois que as suas coordenadas na posição do céu foram definidas, o novo objeto aparece entre uma das remanescentes supernovas mais jovens conhecidas na Via Láctea. Os astrônomos anteriormente catalogaram mais de 300 remanescentes de supernovas na galáxia. As novas análises indicam que a G306.3-0.9 tem provavelmente menos de 2.500 anos de idade, fazendo dela uma das 20 remanescentes mais jovens já identificadas. A imagem composta acima da remanescente de supernova G306.3-0.9 funde observações feitas com o Chandra em raios X (azul), com dados adquiridos pelo telescópio espacial Spitzer em infravermelho (vermelho e ciano) e observações feitas com o Australia Telescope Compact Array em rádio (roxo). A imagem tem 20 arcos de m…

Bóson de Higgs finalmente foi confirmado

Imagem
Em 4 de julho de 2012, duas equipes de cientistas que trabalham de forma independente no acelerador de partículas Grande Colisor de Hádrons (LHC, na sigla em inglês) anunciaram o resultado de suas pesquisas: a observação do que parecia ser um novo tipo de partícula. Tais resultados iniciais indicavam tratar-se do bóson de Higgs. Parte do Modelo Padrão de partículas da física, o bóson de Higgs seria a partícula elementar do campo de Higgs, que confere massa às demais partículas. O anúncio da descoberta de um bóson que podia ser o de Higgs era promissor, porém, mais análises eram necessárias para confirmar que a nova partícula realmente era o parecia. Agora, na Conferência Moriond, na Itália, as mesmas equipes anunciaram o resultado da análise de um volume maior de dados (duas vezes e meia maior), e determinaram que a partícula é, de fato, o bóson de Higgs. Eles chegaram à esta conclusão analisando como a partícula interage com outras e quais suas propriedades quânticas. Mas o trabalho …

Estrelas binárias propiciam vida em planetas de sua órbita

Imagem
Planetas orbitando sistemas estelares binários têm que lidar com os estresses de mais de uma estrela. Mas uma nova pesquisa revela que estrelas binárias próximas poderiam ser tão boas quanto estrelas únicas quando se trata de abrigar planetas habitáveis. Gêmeas de pouca massa poderiam ser as melhores hospedeiras, porque sua energia combinada estende a região habitável para além do que existiria ao redor de uma única estrela. Depois de modelar uma variedade de sistemas binários, dois astrônomos determinaram que estrelas com 80% da massa do Sol, se próximas o suficiente, poderiam permitir condições ideais para abrigar planetas habitáveis. “Potencialmente, a vida tem ainda mais chance de existir em sistemas binários do que em sistemas únicos”, contou Joni Clark, estudante de graduação da New Mexico State University à revista Astrobiology. Clark trabalhou com o astrofísico Paul Mason da University of Texasem El Paso.

Avançando os limites
Estrelas de pouca massa são de duas a tr…

Ecos de luz de V383 Monocerotis

Imagem
Crédito da imagem:NASA, ESA,H.E.Bond (STScI)
O que causou essa explosão da V838 Mon? Por razões desconhecidas, a superfície externa da V838 Mon repentinamente se expandiu de maneira incrível de modo que com o resultado ela se tornou a estrela mais brilhante de toda a Via Láctea em Janeiro de 2002. Então, mais repentinamente ainda, ela se apagou. Um flash estelar como esse nunca tinha sido visto anteriormente, supernovas e novas expelem matéria para o espaço externo. Embora o flash da V838 Mon pareça estar expelindo material para o espaço, o que está se vendo na imagem acima, obtida pelo Telescópio Espacial Hubble é na verdade um movimento do eco de luz do flash brilhante. Em um eco de luz, a luz do flash é refletida de forma sucessiva por anéis cada vez mais distantes no complexo conjunto do ambiente de poeira interestelar que já circunda a estrela. A V838 Mon, localiza-se a aproximadamente 20000 anos-luz de distância da Terra, na direção da constelação de Monoceros, o Unicórnio, enqua…

Fogo Cosmico

Imagem
Localizada a aproximadamente 9000 anos-luz de distância, a NGC 3576 é uma gigantesca região de gás brilhante que tem aproximadamente 100 anos-luz de diâmetro, onde estrelas estão atualmente se formando. A intensa radiação e os ventos provenientes das estrelas massivas estão rasgando as nuvens originais de onde elas se formaram criando esse cenário no mínimo dramático. A área escura na parte central direita da imagem é assim escura graças a presença de nuvens de gás e poeira muito opacas. Os dados usados para gerar essa composição colorida foram obtidos pelo instrumento ISAAC montado no VLT, no arcabouço da proposta de observação 079.C-0203. A imagem foi processada por Yuri Beletsky do ESO e Hännes Heyer, também do ESO. A imagem final foi baseada em dados obtidos com 4 diferentes filtros de banda estreita ao redor de 1.21, 1.71, 2.09 e 3.28 mícron. Fonte:http://www.wired.com

Um trio raro de quasares

Imagem
Calar Alto Observatory (localização do trio de quasares)
Pela segunda vez na história, uma equipe de cientistas descobriu um sistema de quasar triplo extremamente raro. Os quasares são fontes extremamente brilhantes e poderosas de energia que ficam no centro de uma galáxia, em torno de um buraco negro. Em sistemas com múltiplos quasares, os corpos são mantidos juntos pela gravidade e acredita-se ser o produto de galáxias em colisão.   Os sistemas de quasar triplo são muito difícil de serem detectados, por causa dos limites de observação que impedem de diferenciar vários corpos próximos um do outro em distâncias astronômicas.

Além disso, tais fenômenos são consideradas muito raros. Ao combinar observações de vários telescópios e modelagem avançada, a equipe liderada por Emanuele Farina, da Universidade de Insubria na Itália foi capaz de encontrar o quasar triplo J1519 QQQ 0627.   A luz dos quasares já viajou 9 bilhões de anos-luz para chegar até a Terra, o que significa que a luz foi em…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...