Postagens

Mostrando postagens de Março 25, 2013

25 curiosidades sobre as luas do Sistema Solar( parte1)

Imagem
Conheça detalhes dos satélites quer orbitam os planetas vizinhos
Ganímedes é o maior satélite de Júpiter e o também o maior do Sistema Solar. Essa lua é tão gigantesca que chega a ter diâmetro maior do que Mercúrio. Foi descoberta por Galileu Galilei em 1610. É composta de gelo, água e silicatos de rocha. Foto: NASA Esta é Titã, a maior lua de Saturno. Tem uma atmosfera mais densa do que a da Terra e é o único objeto do Sistema Solar com evidência clara de líquidos em sua superfície. Foi descoberta em 1655 pelo astrônomo holandês Christiaan Huygens. Foto: NASA Nesta foto, é possível ver um furacão no polo sul de Titã. O fenômeno natural ocorre pela alta concentração de neblina em uma área de altitude elevada.Foto: NASA Caronte é a maior lua de Plutão; e tem quase a metade do tamanho do planeta anão. Foi descoberta em 1978, pelo Observatório Naval dos Estados Unidos. Acredita-se que sua superfície seja composta de gelo. No entanto, as informações só poderão ser apuradas a partir de 2015, q…

Uma Visão Diferente da Nebulosa da Tromba de Elefante

Imagem
A Nebulosa da Tromba do Elefante, formalmente conhecida como IC 1396A, é uma nuvem de gás e poeira que está localizada a 2400 anos-luz da Terra na constelação de Cepheus. Essa nebulosa já apareceu várias vezes aqui no blog, mas sempre que nos deparamos com uma imagem nova e diferente dessa bela nebulosa, nos vemos no dever de compartilhar com os amantes da astronomia. A Tromba do Elefante é parte de uma região maior de gás ionizado iluminado por uma massiva estrela próxima do tipo-O (localizada fora do frame acima, à esquerda). A radiação e o vento proveniente dessa estrela quente comprimem e ionizam as bordas da nuvem, resultando em brilhantes frentes de ionização vistas na imagem acima. Estrelas jovens em estágios muito diferentes de formação têm sido encontradas tanto dentro como fora da Tromba de Elefante. Protoestrelas muito jovens, ainda adquirindo material da nebulosa ao redor, estão localizadas dentro da nuvem, enquanto que estrelas, totalmente formadas são encontradas em fren…

A ascenção do quasares no Universo

Imagem
© NASA/ESA/G.Bacon (ilustração de um quasar distante) O professorMichael Shull e o pesquisador David Syphers usaram o telescópio espacial Hubble para observar um quasar - o núcleo brilhante de uma galáxia ativa que age como um "farol" - para entender melhor as condições do Universo primordial. Os cientistas estudaram o material gasoso entre o telescópio e o quasar HS1700 6416 com um espectrógrafo ultravioleta acoplado no Hubble, projetado por uma equipe do Centro de Astrofísica e Astronomia Espacial em Boulder. Durante um tempo conhecido como a "era de reionização do hélio" cerca de 11 bilhões de anos atrás, explosões de radiação ionizante de buracos negros nos núcleos de quasares retiravam elétrons de átomos primitivos de hélio. Isto ocorreu pouco depois do Big Bang. 

Os resultados do novo estudo indicam que a era de reionização do hélio no Universo parece ter ocorrido mais tarde do que se pensava, disse Shull. O Cosmic Origins Spectrograph (COS) utilizado para as o…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...