Postagens

Mostrando postagens de Agosto 20, 2013

Pulsares, o GPS do Cosmos

Imagem
A navegação por pulsares é ideal para naves que viajem para lá do nosso Sistema Solar. A Voyager 1, na imagem, está agora a mais de 18 mil milhões de quilómetros do Sol e entrando no espaço interestelar.
Crédito: NASA/Astro0
Cientistas da agência científica australiana CSIRO (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation) escreveram um software que pode guiar naves espaciais até Alpha Centauro, mostrar que o planeta Nibiru não existe... e provar que a Terra gira em torno do Sol. O Dr. George Hobbs e colegas estudam pulsares - pequenas estrelas em rotação com "blips" ou "pulsos" regulares de ondas de rádio e, às vezes, raios-X. Normalmente, os astrónomos estão interessados em medir, com muita precisão, quando os pulsos chegam ao Sistema Solar. Ligeiros desvios nos tempos de chegada esperados podem dar pistas sobre o comportamento do próprio pulsar, ou se orbita outra estrela, por exemplo. "Mas também podemos trabalhar para trás," afirma Hobbs. …

Os planetas livres na Via Láctea

Imagem
© Brian Davis (Nebulosa Rosette)
Astrônomos observando a Nebulosa Rosette descobriram que pequenas nuvens escuras e redondas, chamadas globulettes tem as características favoráveis para formar planetas flutuando livremente sem sua estrela progenitora.  A Nebulosa Rosette é uma enorme nuvem de gás e poeira localizada a 4.600 anos-luz da Terra na constelação de Monoceros (Unicórnio). Novas observações, feitas com telescópios da Universidade de Tecnologia Chalmers, em Gotemburgo (Suécia), mostram que nem todos os planetas flutuantes foram expulsos de sistemas planetários existentes. Eles também podem ter nascido isoladamente. O estudo mostra que as pequenas nuvens estão se movendo para fora através da nebulosa Rosette em alta velocidade, cerca de 80.000 quilômetros por hora. As globulettes são muito pequenas, cada uma com diâmetro inferior a 50 vezes a distância entre o Sol e Netuno. Anteriormente, estimava-se que a maioria delas são de massa planetária, menos do que 13 vezes a massa de Jú…

O ALMA olha de perto para o drama da formação estelar

Imagem
Novas observações do Herbig-Haro 46/47 revelaram que material ejetado tinha velocidades muito mais elevadas do que as medidas anteriormente Observações revelam jatos energéticos se aproximando (cor de rosa e roxo) e afastando (laranja e verde) Foto: ESO/ALMA (ESO/NAOJ/NRAO)/H. Arce / Divulgação

Com o auxílio do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), os astrónomos obtiveram um plano de pormenor muito vívido do material que se afasta de uma estrela recém nascida. Ao observar o brilho emitido pelas moléculas de monóxido de carbono num objeto chamado Herbig-Haro 46/47, os astrónomos descobriram que os seus jactos são ainda mais energéticos do que o que se pensava anteriormente. As novas imagens muito detalhadas revelaram igualmente um jacto anteriormente desconhecido que aponta numa direção totalmente diferente. As estrelas jovens são objetos violentos que ejectam matéria a velocidades tão elevadas como um milhão de quilómetros por hora. Quando este material choca no…

Vênus e o sol ultravioleta em três cores

Imagem
Créditos da Imagem:NASA/SDO & the AIA, EVE, and HMI teams; Digital Composition: Peter L. Dove Um tipo incomum de eclipse solar aconteceu no ano passado. Normalmente é a Lua da Terra que eclipsa o Sol. No mês de Junho de 2012, de forma mais incomum, o planeta Vênus tomou o lugar da Lua. Como num eclipse solar realizado pela Lua, a fase do planeta Vênus tornou-se crescente continuamente mais fina à medida que Vênus ficava cada vez mais alinhado com o Sol. Eventualmente o alinhamento tornou-se perfeito e a fase de Vênus chegou até zero. Nesse ponto o ponto escuro de Vênus cruzou então a nossa estrela mãe. A situação poderia tecnicamente ser chamada de um eclipse anelar venusiano, com um anel de fogo extraordinariamente grande. Mostrado acima durante essa ocultação, o Sol foi imageado em três diferentes cores da luz ultravioleta pelo Solar Dynamics Observatory (SDO) que orbita a Terra, com a região escura na parte direita da imagem correspondendo a um chamado buraco coronal. Horas mai…

A brilhante estrela nova em Delphinus

Imagem
A imagem inferior mostrada acima apresenta a recém-descoberta e muito brilhante estrela nova em Delphinus, formalmente chamada de PNV J20233073+2046041. Novas são estrelas que rapidamente aumentam seu brilho que resulta tipicamente quando a estrela explode (uma erupção). A Nova Delphini 2013 tinha uma magnitude 6.5 quando foi observada pela primeira vez no dia 14 de Agosto de 2013 pelo astrônomo amador Koichi Itagaki. Quando a imagem inferior acima foi adquirida dois dias depois com o telescópio robótico no Observatório da Universidade de Atenas, em Atenas, na Grécia, a nova estava com uma magnitude 4.5 e parecia ficar cada vez mais brilhante dia após dia. No dia 18 de Agosto de 2013, ela foi facilmente visível a olho nu. Novas que podem ser observadas a olho nu aparecem no céu uma vez ou duas a cada década. A imagem superior mostrada acima foi feita pelo ESO Digital Sky Survey (DDS) e é usada para mostrar a mesma região de Delphinus antes da estrela explodir. O mapa abaixo mostra apr…

Acordando para um ano novo

Imagem
No tempo que leva para completar um dia de trabalho, ou ter uma noite de sono, um planeta a 700 anos-luz de distância já completou um ano. Concepção artística do planeta Kepler 78b, de tamanho similar ao da Terra mas que deve ser coberto de lava.Crédito: Cristina Sanchis-Ojeda Investigadoresdo MIT (Massachusetts Institute of Technology) descobriram que Kepler-78b, um exoplaneta com o tamanho da Terra, completa uma volta em torno da sua estrela em apenas 8 horas e meia - um dos períodos orbitais mais pequenos já detectados. O planeta está extremamente perto da sua estrela - o seu raio orbital é de apenas cerca de três vezes o raio da estrela - e os cientistas estimam que as temperaturas à superfície atinjam os 3000 K. Neste ambiente infernal, a camada superior do planeta está provavelmente derretida, criando um gigantesco e agitado oceano de lava. O mais empolgante para os cientistas é o facto de terem conseguido detectar luz emitida pelo planeta - a primeira vez para um exoplaneta tão p…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...