Postagens

Mostrando postagens de Setembro 2, 2013

Pesquisa PESSTO do ESO registra supernova na Messier 74

Imagem
A pesquisa PESSTO do ESO capturou esta imagem da Messier 74, uma magnífica galáxia em espiral com braços bem definidos. No entanto, o verdadeiro interesse da imagem situa-se numa nova e brilhante adição à galáxia, que apareceu no final de julho de 2013: uma supernova do Tipo II chamada SN2013ej, que podemos ver como a estrela mais brilhante no canto inferior esquerdo. Este tipo de supernova ocorre quando o núcleo de uma estrela de grande massa colapsa devido à sua própria gravidade, no final da sua vida. Este colapso resulta numa explosão enorme que ejeta matéria para o espaço. A detonação resultante pode ser mais brilhante que toda a galáxia que a alberga, estando visível durante semanas ou até meses. A pesquisa PESSTO (sigla em inglês para Public ESO Spectroscopic Survey for Transient Objects) foi concebida para estudar objetos que aparecem brevemente no céu noturno, tais como supernovas. A pesquisa é realizada com o auxílio de uma quantidade de instrumentos montados no NTT (New Tech…

Detectada agua na superfície da Lua que indica uma origem profunda

Imagem
Uma pesquisa lunar financiada pela NASA tem encontrado evidências de que a água pode estar presa em grãos minerais na superfície da Lua e que ela vem de uma fonte desconhecida e profunda abaixo da superfície do nosso satélite. Usando dados do instrumento Moon Mineralogy Mapper (M3) da NASA a bordo da sonda da Organização de Pesquisa Espacial Indiana, Chandrayaan-1, os cientistas remotamente detectaram água magmática, ou água que se originou do interior profundo da Lua, na superfície do satélite. As descobertas foram publicadas na edição de 25 de Agosto de 2013 da revista Nature Geoscience, e representa a primeira detecção dessa forma de água a partir da órbita lunar. Estudos anteriores tinham mostrado a existência da água magmática em amostras lunares que vieram para a Terra durante o programa Apollo da NASA. O instrumento M3 imageou a cratera de impacto lunar Bullialdus, que se localiza perto do equador lunar. Os cientista estavam interessados em estudar essa área pois eles poderiam q…

Buraco negro da Via Láctea rejeita matéria

Imagem
© Chandra (região do buraco negro Sagittarius A*) Astrônomos usando o Observatório de Raios-X Chandra, da NASA deram um grande passou para explicar por que o material ao redor do buraco negro gigante no centro da Via Láctea é extraordinariamente fraco em raios-X. Essa descoberta tem implicações importantes para o entendimento dos buracos negros. Novas imagens do Chandra feitas do Sagittarius A* (Sgr A*), que está localizado a aproximadamente 26000 anos-luz de distância da Terra, indicam que menos de 1% do gás inicialmente dentro do poder gravitacional do Sgr A* atingiu o ponto sem volta, também chamado de horizonte de eventos. Ao invés disso, boa parte do gás é ejetado antes de chegar perto do horizonte de eventos e tem assim a chance de brilhar, levando a emissão de frágeis raios-X. Esses novos achados são os resultados de uma das mais longas campanhas de observação já realizadas pelo Chandra. A sonda coletou cinco semanas de dados do Sgr A* em 2012. Os pesquisadores usaram esse períod…

Abraçando Orion

Imagem
Essa nova visão da nuvem de formação de estrela Orion A, feita pelo Observatório Espacial Herschel da ESA mostra a região turbulenta do espaço que abraça a famosa Nebulosa de Orion. A nebulosa localiza-se a aproximadamente 1500 anos-luz de distância da Terra, dentro da Espada de Orion – abaixo das três principais estrelas que formam o cinturão na constelação de Orion. Nessa visão, a nebulosa corresponde à região mais brilhante no centro da imagem, onde ela iluminada pelo grupo de estrelas Trapezium sem seu coração. A cena está repleta com a turbulenta formação de estrelas, a forte radiação ultravioleta de estrelas massivas recém-nascidas explodindo de seus casulos nublados cavando formas etéreas no gás e na poeira ao redor. Filamentos nascem como labaredas de algumas das regiões mais intensas de formação de estrelas, enquanto que os pilares de material mais denso sustentam o fogo por mais tempo. Grandes braços de gás e poeira se estendem da Nebulosa de Orion para formar um anel, enquan…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...