Postagens

Mostrando postagens de Setembro 16, 2013

O Enigma das Supernovas - (1a Parte)

Imagem
Supernova Cassiopéia, foto pela NASA Goddard Space Flight Center Algumasestrelas terminam os seus dias como supernovas, um violento fenómeno durante o qual se produz uma poderosa emissão de energia. Chegam a gerar, por vezes, um fulgor mais intenso do que o brilho de uma galáxia inteira. No extravagante universo que habitamos, talvez nenhum outro objeto cósmico seja tão excêntrico como as estrelas explosivas conhecidas por “supernovas”. Embora muito já tenha sido escrito sobre as suas variantes e propriedades, os astrónomos que as estudam continuam a deparar com todo o género de surpresas e mistérios. De facto, foram apresentados, no ano passado, alguns estudos inovadores sobre esses fenómenos, e entrou em órbita o telescópio espacial NuSTAR (Nuclear Spectroscopic Telescope Array), através do qual a NASA espera poder mapear, através de raios X de alta energia, as explosões que constituem o canto do cisne das supernovas. As estrelas como o Sol, de relativamente pouca massa, envelhecem co…

De onde vêm os meteoritos?

Imagem
Foto da NASA:Meteoriro Hoba  A maior parte provém de colisões entre asteróides. Alguns, poucos, vêm de Marte, e menos ainda da Lua. O maior meteorito recuperado até hoje é o Hoba, que caiu na Namíbia, há cerca de 80 mil anos. É de ferro, pesa 60 toneladas e mede 2,7 metros de diâmetro. Os meteoritos contêm grãos pré-solares, minerais que se formaram em estrelas milhares de milhões de anos antes do nascimento do Sistema Solar. Apenas uma pessoa ficou ferida (e de forma ligeira) pela queda de um meteorito: em 1992, um menino ugandês foi atingido pelo meteorito Mbale, que pesava cerca de três gramas. Uma pedrada que poderia tê-lo feito rico: um meteo­rito pode vender-se a entre 800 e 40 mil dólares por grama, dependendo do tipo e do tamanho. Já foram registados mais de 24 mil meteoritos, embora se saiba que a maior parte deles cai no mar ou em zonas desérticas e desabitadas. Na foto, um grupo de estudantes no Museu de História Natural de Nova Iorque, junto ao meteorito Anhighito, o segund…

Galáxias antigas já tinham forma atual, diz pesquisa

Imagem
Ilustração mostra Universo com galáxias em diferentes épocas
Se você ouvir um saudosista dizer que já não se fazem mais galáxias como antigamente, saiba que é mentira. Um estudo acaba de mostrar que desde 11,5 bilhões de anos atrás o Universo já tinha galáxias nas mesmas formas que elas têm hoje. Sabe-se que as galáxias se formaram relativamente cedo na história do cosmos. A Via Láctea, por exemplo, tem cerca de 13 bilhões de anos, nascida apenas 800 milhões de anos após o Big Bang. Contudo, os cientistas imaginavam que as galáxias, quando bebês, deviam ser bem diferentes --menos evoluídas-- que as atuais. Era o que sugeriam modelos sobre a formação dessas estruturas. Novos resultados, obtidos com o Telescópio Espacial Hubble, contestam essa ideia. Eles mostram que cerca de 2,3 bilhões de anos depois do Big Bang as galáxias já tinham mais ou menos a forma atual. "Isso significa que as galáxias amadurecem de forma mais rápida do que se acreditava", diz Gastão Lima Neto, astrôn…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...