Postagens

Mostrando postagens de Setembro 17, 2013

O Enigma das Supernovas - (2a e ultima Parte)

Imagem
Em Dezembro de 2009, a revista Nature publicou um artigo de uma equipa de astrónomos liderada pelo israelita Avishay Gal-Yam (do Weizmann Institute of Science) no qual é descrita a descoberta do que parece ser o primeiro exemplo fidedigno de uma supernova despoletada pelo processo de “pair-instability”, previsto pela teoria desde os anos 60. Um modelo no céu A luminosidade da SN 2007bi foi dez vezes superior à de outras supernovas, Contudo, o que tornou realmente especial a “hipernova” é o facto de se ter tornado o modelo através do qual se explicam as previsões de um tipo de morte estelar exótica conhecido por “instabilidade de pares”. Esse processo extraordinário gera antimatéria no interior do astro e é fundamentalmente distinto do que outras supernovas sofrem. Segundo a descrição de Gal-Yam, as elevadíssimas pressões e temperaturas que se verificam no núcleo dessas estrelas monumentais fazem os fotões muito energéticos transformarem-se em eletrões e na sua contraparte de antimatéria…

Cientistas decobrem fábrica cósmica dos blocos de construção da vida

Imagem
Os cometas contêm elementos como água, amónia, metano e dióxido de carbono que podem fornecido os materiais brutos, os quais após um poderoso impacto na Terra primitiva teriam produzido aminoácidos, os elementos base da vida. Crédito: Laboratório Nacional Lawrence Livermore
De acordo com os cientistas, as colisões explosivas de cometas gelados com planetas e luas criaram os blocos de construção fundamentais da vida, espalhando estes ingredientes necessários por todo o Sistema Solar. O que isto significa é que os complexos percursores da vida são comuns, aumentando assim as hipóteses de vida noutros lugares," afirma o co-autor Mark Price, cientista espacial da Universidade de Kent, na Inglaterra. Sabe-se que os cometas possuem compostos orgânicos. Os cientistas há muito que sugeriram que os cometas ajudaram a trazer os ingredientes da vida para a Terra primitiva. Os astrónomos detectaram amónia e outros compostos em cometas tais como o Halley, compostos estes que são os percursores …

Uma janela para o Universo

Imagem
Imaginemos que esta imagem é a vista da janela do seu quarto. Qual a primeira coisa que lhe chama a atenção? Provavelmente as grandes estrelas azuis espalhadas pela fotografia. Estas estrelas aparecem-nos tão grandes e brilhantes por se encontrarem relativamente próximas na nossa galáxia. Se ampliarmos a imagem o que vê? Centenas de galáxias distantes! Grandes galáxias em espiral, galáxias irregulares sem forma definida, jovens galáxias azuis e galáxias vermelhas mais antigas. Esta imagem contém tudo! Será que lhe passa pela cabeça, que cada um destes pontinhos azuis na foto é uma galáxia contendo milhares de milhões de estrelas, muitas das quais maiores que o nosso Sol?! Sabia que ganhou um super-poder ao olhar para esta imagem? É um viajante no tempo até ao passado! Como? Bem, a luz demora tempo a viajar através do espaço até chegar aos nossos telescópios e aos nossos olhos. Assim, se olharmos para objetos muito distantes, como estas galáxias, estamos a ver uma luz muitíssimo antiga.…

O Glóbulo Cometário CG4 – Uma Criatura Cósmica Muito Estranha e Misteriosa

Imagem
A imagem acima mostra uma das mais estranhas criaturas do espaço. A criatura acima parece que quase irá devorar uma galáxia. Essa criatura é conhecida como o glóbulo cometário ou CG4. Esse objeto é na verdade uma região de formação de estrelas que poderia produzir alguns sóis como o nosso. O glóbulo Cometário CG4 está localizado a aproximadamente 1300 anos-luz de distância da Terra e tem cerca de 1.5 ano-luz de diâmetro. O tamanho total, incluindo a cauda chega a cerca de 8 anos-luz de comprimento. A cabeça do objeto é iluminada pelas estrelas que estão em formação. A cor vermelha que está brilhando na cabeça do objeto é devido ao hidrogênio super carregado.

A galáxia que você vê na direita está na verdade a no mínimo 100 milhões de anos-luz do CG4. O Glóbulo Cometário nessa imagem está como se tivesse sido comido e as razões para isso ainda são desconhecidas. Mesmo apesar do CG4 parecer com um cometa ele é certamente muito diferente de um. Não existem muitas informações sobre os glób…

Como é que sabemos que a VOYAGER alcançou o espaço interestelar

Imagem
"Você está aqui": impressão de artista que coloca as impressionantes distâncias do Sistema Solar em perspectiva. A escala é medida em Unidades Astronómicas (UA), com cada distância para lá de 1 UA representando 10 vezes a distância anterior. Cada UA é igual à distância entre a Terra e o Sol. A sonda Voyager 1 Crédito: NASA/JPL-Caltech O se e quando a sonda Voyager 1 da NASA, o objecto mais distante feito pelo Homem, rompeu pelo espaço interestelar, o espaço entre as estrelas, tem sido um assunto aceso. Durante o último ano, surgiram alegações a cada poucos meses de que a Voyager 1 tinha "deixado o Sistema Solar." Porque é que a equipa da missão só agora veio a público dizer que a sonda alcançou o espaço interestelar?  Nós temos sido cautelosos porque estamos a lidar com um dos marcos mais importantes na história da exploração espacial e da Humanidade," afirma Ed Stone, cientista do projecto Voyager no Instituto de Tecnologia em Pasadena, no estado americano da …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...