Postagens

Mostrando postagens de Dezembro 27, 2013

O Aglomerado Estelar Melotte 15 na Nebulosa do Coração

Imagem
Crédito de imageme direitos autorais:JimmyWalker
Nuvens cósmicas parecem formar formas fantásticas nas regiões centrais da nebulosa de emissão IC 1805. Claro, as nuvens são esculpidas por ventos estelares e pela radiação de estrelas quentes e massivas no aglomerado estelar recém-nascido da nebulosa, Melotte 15. Com aproximadamente 1.5 milhões de anos de vida, o aglomerado de estrela está perto do centro dessa colorida paisagem celeste, juntamente com nuvens de poeira escuras que aparecem com suas silhuetas destacadas. Dominada pela emissão do hidrogênio atômico, a imagem telescópica acima se espalha por aproximadamente 30 anos-luz. Mas, imagens de campo mais aberto (como a imagem abaixo) revelam a delimitação geral da IC 1805 sugere seu nome popular – A Nebulosa do Coração. A IC 1805 está localizada ao longo da porção norte da Via Láctea, a aproximadamente 7500 anos-luz de distância da terra na direção da constelação da Cassiopeia.  Fonte: http://apod.nasa.gov/apod/ap131227.html

Onde as estrelas acabam e as anãs marrons começam?

Imagem
© P. Marenfeld (diagrama tamanho x temperatura)
Estrelas estão inseridas numa faixa de tamanho enorme, de muitas dezenas de vezes maior do que o Sol a uma pequena fração do seu tamanho.Mas a resposta para o quão pequeno um corpo astronômico pode ser, e ainda ser uma estrela, nunca foi conhecido. 
O diagrama acima mostra a relação entre o tamanho e a temperatura no ponto onde as estrelas terminam e as anãs marrons começam a surgir. Mas a resposta para o quão pequeno um corpo astronômico pode ser, e ainda ser uma estrela, nunca foi conhecido. O que se sabe é que os objetos abaixo deste limite não são capazes de inflamar e sustentar a fusão de hidrogênio em seus núcleos: esses objetos são referidos como anãs marrons.
Na pesquisa aceita para publicação no Astronomical Journal, o grupo RECONS (Research Consortium On Nearby Stars) da Universidade Estadual da Georgia State University descobriu a evidência observacional para o intervalo previsto teoricamente entre estrelas muito baixas em massa …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...