Nemesis - A teoria da estrela da morte companheira do sol

A teoria de Nemesis a Estrela da Morte
Nemesis é uma estrela anã teórica que se imagina ser uma companheira do nosso sol. A hipótese foi postulada para explicar um ciclo percebido de extinções em massa na história da Terra. Os cientistas especularam que uma estrela poderia afetar a órbita de objetos num sistema solar distante exterior, enviando-os em rota de colisão com a Terra. Porém pesquisas astronômicas recentes, não conseguiram encontrar qualquer evidência de que Nemesis (que recebeu o apelido de estrela da morte) realmente exista.

Os argumento para a existência da estrela da morte – Nemesis

No início de 1980, os cientistas notaram que as extinções na Terra pareciam cair em um padrão cíclico. As extinções em massa parecem ocorrer com mais freqüência a cada 27 milhões de anos. O longo período de tempo fez com que eles se voltassem para os eventos astronômicos como uma explicação, começa então a teoria de Nemesis a estrela da morte. Em 1984, Richard Muller, da Universidade da Califórnia  sugeriu que uma estrela anã vermelha à 1,5 anos-luz de distância pode ser a causa das extinções em massa. Teorias mais tarde sugeriram que Nemesis poderia ser uma anã marrom ou branca, ou uma estrela de baixa massa apenas poucas vezes a massa de Júpiter. Em todos as alternativas ela lançaria luz fraca, tornando-a difíceis de se detectar.

Os cientistas especularam que Nemesis pode afetar a nuvem de Oort, que é composta de rochas geladas que cercam o sol além do alcance de Plutão. Muitos desses pedaços viajam ao redor do sol em um longo prazo, a órbita elíptica. À medida que se aproximar da estrela, o gelo começa a derreter e fluxo atrás deles, tornando-os reconhecidos como cometas. Se Nemesis viaja através da nuvem de Oort a cada 27 milhões de anos, alguns argumentam, que a estrela da morte poderia “chutar” cometas da esfera e enviá-los na direção interior do sistema solar e consequentemente a  Terra. Taxas de impacto aumentariam, e extinções em massa seriam mais comum.

O Cinturão de Kuiper, um disco de detritos que se encontra dentro do sistema solar, também tem uma borda externa bem definida, que pode ser cortada fora por uma estrela companheira. Pesquisadores descobriram outros sistemas onde uma estrela companheira parece ter afetado a forma dos discos de detritos. O planeta anão Sedna empresta ainda mais credibilidade aos olhos de alguns para a existência de uma estrela companheira para o sol. Com uma órbita de até 12 mil anos, a órbita do planeta apresenta um enigma para muitos, pois um objeto tão distante do sol não deveria se manter em órbita. Os cientistas sugeriram que um objeto de grande massa, como uma estrela fraca poderia ser responsável por manter Sedna em órbita tão longe do sol.


Distinguir o invisível

Um companheiro de energia fraca pode ser difícil de encontrar, mas ainda seria visível por telescópios sensíveis. Astrônomos vasculharam o céu usando o Micron Two All Sky Survey (2MASS), que estudou o céu ao longo de quatro anos, em três comprimentos de onda infravermelhos. O instrumento descobriu 173 anãs marrons mais longe do que o nosso sistema solar, mas nenhuma perto o suficiente para ser a tal estrela da morte.

O explorador da NASA Wide-field Infrared completou a sua missão de 1,25 anos em fevereiro de 2011, depois de ter descoberto uma série de anãs marrons dentro de 20 anos-luz. Novamente, nenhum destes corpos foram localizados perto do sistema solar. A falta de descoberta de um candidato viável por estes dois instrumentos sensíveis levou muitos cientistas a concluir que a tal estrela da morte não passa de especulação.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Postagens mais visitadas deste blog

Galéria de Imagens - Os 8 planetas de nosso Sistema Solar

Tipos de Estrelas

Nova Classificação do Sistema Solar

Os satélites naturais do Sistema Solar

Johannes Kepler

Veja os 10 maiores mistérios das estrelas

Como surgiu o primeiro átomo?

Isaac Newton