Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 10, 2014

Encontrado primeiro planeta em torno de uma gémea solar pertencente a um enxame estelar

Imagem
Busca de seis anos efectuada com o HARPS descobre três novos planetas em Messier 67 Impressão artística de um exoplaneta em órbita de uma estrela no enxame Messier 67Créditos:
Os astrónomos utilizaram o detector de planetas HARPS do ESO, no Chile, assim como outros telescópios, para descobrir três planetas em torno de estrelas pertencentes ao enxame estelar aberto Messier 67. Embora mais de um milhar de planetas fora do Sistema Solar seja já conhecido, apenas alguns foram descobertos em enxames estelares. Curiosamente, um destes novos exoplanetas orbita uma estrela rara. Trata-se duma gémea solar - uma estrela que é, em todos os aspectos, praticamente idêntica ao Sol. Sabemos hoje que os planetas que orbitam estrelas fora do Sistema Solar são muito comuns.
Têm-se detectado planetas em torno de estrelas de várias idades e composições químicas, espalhados um pouco por todo o céu. No entanto, e até agora, têm-se encontrado muito poucos planetas no interior de enxames estelare, o…

O mistério das galáxias ultra compactas

Imagem
© NASA/ESA (desenvolvimento das galáxias elípticas massivas)
Astrônomos combinando o poder do telescópio espacial Hubble, e dos telescópios infravermelhos Spitzer e Herschel, com telescópios baseados na superfície da Terra, conseguiram montar uma imagem coerente da história de formação das estrelas mais massivas no Universo. A evolução ocorre desde a explosão inicial da formação violenta de estrelas, passando pela sua aparência como núcleos galácticos com alta densidade estelar e finalizando com o seu destino final como gigantes elípticas. Isso resolve um mistério que dura décadas sobre como as galáxias compactas de forma elípticas que existiam quando o Universo tinha somente 3 bilhões de anos de existência, ou seja, um quarto da idade atual do universo de 13,8 bilhões de anos, já tinham completado sua formação estelar.
Essas galáxias elípticas compactas têm sido agora definitivamente integradas diretamente com uma população anterior de galáxias de explosão de estrelas empoeiradas que …

Estudo aponta descoberta de estrela mais antiga do Universo

Imagem
Corpo celeste tem 13,6 bilhões de anos e está a 6 mil anos-luz da Terra.Cientistas da Austrália anunciaram achado na revista 'Nature'. Astrônomos da Austrália anunciaram neste domingo (9) a descoberta de uma estrela de 13,6 bilhões de anos, a mais antiga jamais avistada. Este corpo celeste formou-se 200 milhões de anos após o Big Bang, que deu origem ao Universo, informaram os especialistas, que publicaram estudo na revista científica "Nature". As estrelas que, até agora, aspiravam ao título de mais antiga do Universo -- dois corpos identificados por equipes europeias e americanas em 2007 e 2013, respectivamente -- têm cerca de 13,2 bilhões de anos. Em termos cósmicos, esta estrela está relativamente próxima da Terra, segundo Stefan Keller, da Universidade Nacional da Austrália.
Ela se encontra em nossa galáxia, a Via Láctea, a uma distância de cerca de 6 mil anos-luz da Terra, e foi catalogada como SMSS J031300.36-670839.3. "O que mostra que esta estrela é tão a…

Anatomia de um asteroide

Imagem
Esta imagem muito detalhada mostra o estranho asteróide em forma de amendoim Itokawa. Esta imagem foi obtida pela sonda japonesa Hayabusa durante a sua aproximação ao asteróide em 2005.Crédito: JAXA
Com o auxílio do New Technology Telescope(NTT) do ESO descobriu-se a primeira evidência de que os asteroides têm uma estrutura interna extremamente variada. Ao fazer medições muito precisas, astrônomos descobriram que partes diferentes do asteroide Itokawa têm densidades diferentes. Descobrir o que se encontra no interior dos asteroides, além de revelar segredos sobre a sua formação, pode também informar-nos sobre o que acontece quando corpos celestes colidem no Sistema Solar e dar-nos pistas sobre como se formam os planetas. Com observações muito precisas obtidas a partir do solo, Stephen Lowry (Universidade de Kent, RU) e colegas mediram a velocidade à qual o asteroide próximo da Terra (25143) Itokawa gira e como é que esta taxa de rotação varia com o tempo, combinando seguidamente estas …

Supernova é descoberta na Galáxia do Charuto

Imagem
Uma estrela que explodiu apareceu de maneira repentina no céu noturno, maravilhando os astrônomos que nunca haviam visto uma supernova tão perto do nosso Sistema Solar nos últimos 20 anos. Uma supernova emergiu como uma luz brilhante na Messier 82 (M82), também conhecida como Galáxia do Charuto, localizada a aproximadamente 12 milhões de anos-luz de distância da Terra na direção da constelação de Ursa Maior. A supernova, que os astrônomos descreveram como um potencial Santo Graal para os cientistas, foi descoberta pela primeira vez, por estudantes no University College London. Posicionada entre os asterismo Big Dipper e Little Dipper, a nova supernova é um alvo fácil para os observadores do Hemisfério Norte, ela é brilhante o suficiente para ser observada com um pequeno par de binóculos, disse o astrônomo Brad Tucker, da Australian National University e da Universidade da Califórnia, Berkeley.
Mas, além de criar um espetáculo observável, o evento cósmico também dá aos astrônomos uma rar…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...