Postagens

Mostrando postagens de Maio 9, 2014

Será que encontraremos vida em exoluas?

Imagem
No universo de Star Wars, os aliens peludos preferidos de todos, os famosos Ewoks, viviam na “lua florestal de Endor”. Em termos científicos, o mundo de origem dos Ewok seria chamado de exolua, que é simplesmente uma lua que orbita um exoplaneta, que por sua vez é qualquer planeta que orbita uma estrela que não o nosso sol. Apesar de mais de mil exoplanetas terem sido descobertos desde que o primeiro foi encontrado, em 1995, acredita-se que apenas alguns deles possam ser habitáveis, pelo menos pela vida como a conhecemos. Porém, uma nova pesquisa da Universidade de Cornell (EUA) mostra que as exoluas também poderiam proporcionar ambientes habitáveis. Embora ainda não tenhamos conseguido encontrar exoluas (com um alto grau de certeza), temos boas razões para acreditar que deve haver muitas por aí.
A zona Cachinhos Dourados
Talvez o planeta mais habitável encontrado até o momento seja Kepler-186F. Este é um dos cinco exoplanetas descobertos pelo satélite Kepler, da NASA, todos orbitando u…

Nova Teoria : Matéria escura poderia está atirando meteoros em nós

Imagem
Cientistas de Universidade de Harvard (EUA) estão afirmando que a matéria escura poderia atirar meteoros letais na Terra causando extinção em massa, como o desastre que pôs fim à Era dos Dinossauros. Os físicos acreditam que esta substância misteriosa e invisível chamada matéria escura compõe cinco sextos de toda a matéria no universo. Ela foi detectada pela primeira vez pela força de sua atração gravitacional, que aparentemente ajuda a evitar que a Via Láctea e as outras galáxias se “despedacem”, dada a velocidade em que elas giram. Os cientistas têm sugerido recentemente que um fino e denso disco de matéria escura de cerca de 35 anos-luz fica ao longo do plano central da Via Láctea, cortando o disco de estrelas da galáxia. O sol viaja em um movimento ondulado para cima e para baixo através deste plano ao orbitar o centro da galáxia.
Pesquisadores sugerem que este disco de nuvens feito de matéria escura pode perturbar as órbitas de cometas no sistema solar exterior, lançando-os para …

Observatório Chandra tem novas informações sobre formação de exames

Imagem
Astrónomos estudaram dois enxames (NGC 2024 e o da Nebulosa da Orionte) para recolher mais informação de como os enxames de estrelas como o nosso Sol se formam. Descobriram que as estrelas na periferia destes aglomerados são mais velhas que aquelas no centro, diferente do que do que a ideia mais simples de formação estelar prevê. Crédito: Raios-X: NASA/CXC/PSU/K. Getman, E. Feigelson & equipa MYStIX; Infravermelho: NASA/JPL-Caltech
Usando dados do Observatório de Raios-X Chandra e de telescópios infravermelhos, astrónomos fizeram um avanço importante na compreensão de como os enxames estelares se formam. Os dados mostram que as primeiras noções de como estes aglomerados se formam não podem estar correctas. A ideia mais simples é que as estrelas formam-se em enxames quando uma nuvem gigante de gás e poeira condensa. O centro da nuvem puxa o material dos arredores até que se torna densa o suficiente para despoletar a formação estelar. Este processo ocorre inicialmente no centro da nu…

E se o espaço-tempo for um líquido?

Imagem
A Teoria Geral da Relatividade de Einstein é incompatível com a mecânica quântica, o conjunto de leis bizarras que governa o comportamento de partículas minúsculas (como fótons e elétrons) que compõem o universo. Muitos cientistas já tentaram unir esses grandes conceitos da física, sem sucesso. Agora, físicos teóricos que trabalham com gravidade quântica abordam uma questão que poderia conciliar a gravidade e a mecânica quântica: e se o espaço-tempo for uma espécie de fluido?
E se? A mecânica quântica é capaz de explicar de forma eficaz três das quatro forças fundamentais do universo (eletromagnetismo, interação fraca e interação forte). Mas não explica a gravidade, que atualmente só é compreendida pela relatividade geral, uma teoria desenvolvida no campo da física clássica. Alguns modelos preveem que o espaço-tempo na escala de Planck (10-33 centímetros) já não é contínuo (como sugere a física clássica), mas discreto na natureza, assim como os sólidos ou líquidos com os quais entramos …

Astronomos criam primeiro universo virtual e realista

Imagem
Esta imagem está centrada no maior aglomerado de galáxias que se conhece hoje, mostrando os filamentos de matéria escura (azul e roxo). As bolhas em vermelho, laranja e branco mostram gás sendo ejetado de supernovas ou jatos emitidos por buracos negros. [Imagem: Illustris Collaboration

Astrónomos criaram o primeiro universo virtual realista usando uma simulação de computador chamada "Illustris". Illustris consegue recrear 13 mil milhões de anos de evolução cósmica num cubo com 350 milhões de anos-luz de aresta e com uma resolução sem precedentes. "Até agora, nenhuma simulação tinha sido capaz de reproduzir o Universo em pequenas e grandes escalas simultaneamente," diz o autor Mark Vogelsberger (MIT/Centro Harvard-Smithsonian para Astrofísica), que conduziu o trabalho em colaboração com investigadores de várias instituições, incluindo o Instituto Heidelberg para Estudos Teóricos na Alemanha.
Estes resultados foram publicados na edição de 8 de Maio da revista Nature. A…

Cientistas descobrem que dia em exoplaneta dura só 8 horas

Imagem
Com informações, pesquisadores concluem que relação entre massa e velocidade de rotação também pode ser estudada em planetas fora do Sistema Solar Ilustração registra artisticamente como seria o planeta Beta Pictoris bFoto: Nasa / Reprodução
Um grupo de cientistas que pesquisa corpos celestes descobriu, nesta semana, qual é a duração de um dia em um exoplaneta, um planeta que não pertence ao Sistema Solar. A descoberta só foi possível devido ao Very Large Telescope do ESO (VLT), o telescópio adequado para esse tipo de pesquisa. As informações são do European Southern Observatory. Segundo o observatório, um dia no Beta Pictoris b dura apenas 8 horas, um valor muito menor que o observado em qualquer planeta no Sistema Solar. Com o uso do VLT, também foi possível concluir que o equador do exoplaneta desloca-se a quase 100 mil quilômetros por hora. 
Com essas informações, os cientistas podem estender aos exoplanetas a relação entre massa e rotação que é observada no Sistema Solar. Planetas d…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...