Postagens

Mostrando postagens de Agosto 12, 2014

5 fatos surpreendentes sobre a sonda Rosetta

Imagem
A sonda europeia Rosetta fez a sua chegada histórica ao cometa 67P no dia 6 de agosto, tornando-se no primeiro objeto terrestre a ir de encontro a um cometa com a intenção de entrar em órbita. Já com o cometa, a sonda Rosetta irá coletar dados que ajudarão os cientistas a aprender mais sobre os cometas. Especificamente, os resultados irão lançar luz sobre como as antigas rochas geladas que vagueiam através do sistema solar se formaram há milhares de anos. A sonda espacial da Agência Espacial Europeia também pode ajudar os cientistas a encontrar respostas para algumas das questões mais prementes da ciência espacial atual. Aqui estão cinco fatos surpreendentes acerca da sonda Rosetta. 
1. Este não é o primeiro rodeio cósmico da RosettaA Rosetta fez três passagens pela Terra e uma por Marte, a fim de ganhar velocidade suficiente para passar por Júpiter e eventualmente encontrar-se com o cometa, de acordo com a ESA. A sonda também conseguiu obter alguns pontos de vista interessantes dos as…

Desmoronamento em Hebes Chasma em Marte

Créditos da imagem: ESA, DLR, FU Berlin (G. Neukum)
O que aconteceu em Hebes Chasma em Marte? Hebes Chasma é uma depressão ao norte do enorme cânion Valles Marineris. Uma vez que a depressão não está ligada a outras características da superfície, não está claro para onde o material interno se foi. Dentro de Hebes Chasma está Hebes Mensa, uma plataforma com 5 km de altura que parece ter sofrido um desmoronamento parcial incomum – um colapso que poderia estar fornecendo pistas. A imagem acima, tomada pela sonda robótica Mars Express atualmente orbitando Marte, mostra grandes detalhes sobre o abismo e a incomum reentrância em forma de ferradura no centro da plataforma. O material da plataforma parece ter se deslocado sobre o chão do abismo, enquanto uma possível camada escura parece ter se juntado como tinta sobre o terreno da encosta. Uma hipótese recente sustenta que rochas de sal compõem algumas camadas inferiores em Hebes Chasma, onde o sal se dissolveu em fluxos de gelo derretido que…

Será que o universo começou com um Big Bang?

Imagem
Será que o universo começou com um Big Bang? Um físico da Universidade de Heidelberg afirma que não. De acordo com seu modelo teórico , o professor  e doutor  Christof Wetterich, contrapõe a ideia de expansão cósmica a partir de uma grande explosão. Segundo sua teoria o nascimento do universo se estenderia para o passado infinito, a partir de um estado extremamente frio e estático que então ao longo de trilhões de anos vem se aquecendo paulatinamente, se expandido e se tornando dinâmico. Este ponto de vista se sustenta a partir de pressupostos teóricos fundamentados na ideia de que as massas de todas as partículas estariam aumentando constantemente, como consequência da ação dos bósons de Higgs e que ao invés do universo se expandir  a partir de uma grande explosão, ele estaria se expandindo lentamente e também estaria eventualmente encolhendo ao longo de períodos de tempo muito prolongados. Na teoria do Big Bang quando mais nos aproximamos do instante dessa grande explosão mais forte …

Nova teoria do Universo pode ser testada pelo Hubble

Imagem
Impressão artística de uma vista do Sol a partir do Cinturão de Kuiper, onde está localizado o UX25.[Imagem: JHUAPL/SwRI]

Laboratório cósmico Um candidato a planeta-anão, chamado UX25, e sua pequena lua, podem fornecer a primeira evidência experimental de um novo modelo cosmológico que inclui a antigravidade. O modelo dispensa conceitos como matéria escura, energia escura e inflação cósmica. A proposta de testar essa nova teoria observando o movimento dos dois objetos na borda do sistema solar foi anunciada por Alberto Vecchiato e Mario Gai, do Observatório Astrofísico de Turim, na Itália. Em 1915, a ainda desconhecida Teoria Geral da Relatividade, de Albert Einstein, recebeu um grande impulso de credibilidade quando foi usada para explicar uma discrepância na órbita de Mercúrio que não poderia ser explicada apenas pela física newtoniana. Agora, quase um século depois, Vecchiato e Gai calculam que o UX25 e seu minúsculo satélite - que orbitam o Sol no cinturão de Kuiper, além de Netuno …

A incrível história de uma estrela que virou planeta!

Imagem
Os avanços da astronomia criaram um problema inusitado de taxonomia estelar, ou seja, de classificação de objetos. Assim: com a melhoria da capacidade dos instrumentos científicos, mas também dos modelos teóricos de formação de estrelas, os astrônomos continuamente foram empurrando o limite inferior de massa das estrelas. Simplificando, astrônomos foram descobrindo cada vez mais estrelas cada vez menores. Aí surgiu a discussão, qual deveria ser o valor da massa mínima para que um corpo celeste pudesse ser classificado como estrela. Por definição, um corpo celeste é considerado estrela se ele tem massa suficiente para produzir energia através de fusão nuclear, juntando átomos de hidrogênio e formando átomos de hélio, nos casos mais simples. É possível haver fusão de átomos mais pesados se fundindo em outros mais pesados ainda, no interior de estrelas de muita massa. Com esse processo é possível produzir até átomos de ferro. Por conta dos detalhes da física nuclear, produzir átomos mais…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...