Postagens

Mostrando postagens de Setembro 19, 2014

MAVEN chega a Marte este fim de semana

Imagem
Impressão de artista que descreve o processo de inserção orbital da sonda MAVEN da NASA. Crédito: NASA/GSFC
A sonda MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution) da NASA tem chegada prevista a Marte para o dia 21 de Setembro, depois de completar uma viagem interplanetária de 711 milhões de quilómetros ao longo de 10 meses. "A sonda e os instrumentos a bordo estão, até agora, de boa saúde," afirma David Mitchell, gestor do projecto MAVEN no Centro de Voo Espacial Goddard da NASA em Greenbelt, no estado americano de Maryland. "A equipa, o sistema de voo e todos os recursos terrestres estão preparados para a inserção na órbita de Marte."
A manobra de inserção orbital começará com um breve disparo de seis pequenos propulsores para estabilizar sonda. Os motores vão estar activos durante 33 minutos para desacelerar a nave, permitindo com que seja puxada para uma órbita elíptica com um período de 35 horas. Após a entrada em órbita, a MAVEN começará uma fase de comissioname…

Hubble ajuda a encontrar a menor galáxia conhecida com um buraco negro supermassivo

Imagem
Impressão de artista do buraco negro de M60-UCD1. Crédito: NASA, ESA, STScI-PRC14-41a
Astrónomos usando o Telescópio Hubble da NASA e observatórios terrestres descobriram um objecto improvável num local improvável - um buraco negro monstruoso escondido dentro de uma das galáxias mais pequenas já descobertas. O buraco negro tem cinco vezes a massa do buraco negro no centro da nossa Via Láctea. Está situado dentro de uma das galáxias mais densas conhecidas - a galáxia anã M60-UCD1 que alberga 140 milhões de estrelas e com um diâmetro de aproximadamente 300 anos-luz, apenas 1/500 do diâmetro da nossa Galáxia. Se vivêssemos dentro desta galáxia anã, o céu nocturno era deslumbrante e seriam visíveis a olho nu, pelo menos, um milhão de estrelas.
O nosso céu nocturno, visto a partir da superfície da Terra [a olho nu], mostra cerca de 4000 estrelas. A descoberta implica que existem muitas outras galáxias compactas no Universo que contêm buracos negros supermassivos. A observação também sugere …

O ALMA observa origem violenta de galáxias de disco

Imagem
Novas observações explicam porque é que as galáxias do tipo da Via Láctea são tão comuns no Universo Durante décadas os cientistas acreditaram que da fusão de galáxias resultavam geralmente galáxias elípticas. Agora, e pela primeira vez, os pesquisadores, com o auxílio do ALMA e um conjunto de outros rádio telescópios, descobriram evidências diretas de que as galáxias em fusão podem também dar origem a galáxias de disco e que este fenômeno é até bastante comum. Este resultado surpreendente pode explicar porque é que existem tantas galáxias espirais como a Via Láctea no Universo. Uma equipe de pesquisa internacional liderada por Junko Ueda, pós-doutorando da Sociedade Japonesa  para a Divulgação da Ciência, fez observações surpreendentes que mostram que a maioria das colisões galácticas no Universo próximo – entre 40 e 600 milhões de anos-luz de distância da Terra – dão origem às chamadas galáxias de disco.
As galáxias de disco – que incluem as galáxias espirais como a Via Láctea e as 

Luas Potencialmente Habitáveis

Créditos da imagem: Pesquisa e compilação – René Heller (McMaster Univ.) et al.; Imagens – NASA/JPL/Space Science Institute. Copyright: Ted Stryk.
Para os astrobiólogos, essas podem ser as quatro luas mais tentadoras do nosso Sistema Solar. Mostradas na mesma escala, sua exploração por meio de sondas interplanetárias tem lançado a ideia de que luas, e não apenas planetas, poderiam ter ambientes que suportariam a vida. A missão Galileo a Júpiter, descobriu o oceano global de água líquida na subsuperfície de Europa e indicações de oceanos no interiorde Ganimedes. Em Saturno, a sonda Cassini detectou fontes em erupção de gelo de água na lua Encélado, indicando uma subsuperfície mais quente até mesmo nessa pequena lua, enquanto encontrou lagos na superfície de hidrocarbonetos frígidos abaixo da densa atmosfera da lua Titã. Agora, olhando além do Sistema Solar, uma nova pesquisa (mostrada abaixo), sugere que luas em exoplanetas, ou as exoluas, como estão sendo chamadas, superam o número de …

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...