Postagens

Mostrando postagens de Outubro 16, 2014

Inversão dos polos magnéticos da Terra pode ocorrer em pouco tempo

Imagem
Sabe-se que a cada 500 mil anos aproximadamente, os polos da Terra se invertem e isso não é novidade. No entanto, um novo estudo mostra que a última reversão foi extremamente rápida e não levou mais de 100 anos para ser completada. O estudo foi realizado por uma equipe internacional de pesquisadores e demonstrou que a que a última reversão magnética ocorreu há 786 mil anos e aconteceu muito mais rápido do que se supunha. De acordo com o trabalho, a inversão magnética da Terra se deu à razão de 1.8 grau por ano, tempo que poderia ser testemunhado por uma vida humana. Até agora, os pesquisadores acreditavam que a reversão dos polos acontecia de modo muito mais lento, com alguns modelos estimando em até 1000 anos para ser completada.  De acordo com a teoria atualmente aceita, durante esse processo o campo magnético da Terra passaria por um processo muito lento e gradual de enfraquecimento, seguido de novo fortalecimento, também lento e gradual.
Inversão a caminho
 A descoberta, que será pu…

Galáxia enigmática desafia astrônomos

Imagem
Espaço é tempo?
Quando olham para o espaço, os astrônomos geralmente fazem uma associação entre distância e tempo - quanto mais longe estiver um corpo celeste, mais antigo ele é. Isto porque a teoria do Big Bang estabelece uma idade do Universo. Ora, se a luz do objeto demorou uma determinada quantidade de anos para chegar até nós, então essa distância é usada para calcular quantos anos aquele objeto tinha, contados a partir do Big Bang, quando emitiu essa luz. É por isso que os astrônomos falam em "galáxias primordiais", criadas apenas alguns milhões de anos após o Big Bang. Contudo, esta nova imagem captada pelo telescópio Hubble mostra uma galáxia que parece oferecer uma exceção a essa regra. A peculiar DDO 68, também conhecida como UGC 5340, parece-se em tudo com uma galáxia primordial, formada pouco tempo após o Big Bang. Ocorre que ela está muito próximo de nós, ou seja, sua luz saiu de lá há muito pouco tempo, o que indica que ela é uma galáxia jovem. A DDO 68 fica a c…

Cientistas descobrem evidências de como se formaram as primeiras galáxias

Imagem
Um grupo de pesquisadores observou duas galáxias próximas, que seriam exemplos de como era o espaço nos primeiros bilhões de anos após o Big Bang, para descobrir quais são os mecanismos que originaram as estruturas estelares primitivas Os cientistas descobriram que as galáxias primitivas têm uma taxa de formação de estrelas muito menor que a nossa e possuem mais luz infravermelha do que o previsto anteriormente (Divulgação/VEJA)
Um grupo de cientistas chineses e americanos publicou nesta quarta-feira na revista Nature um estudo que lança luz sobre como se formaram as primeiras galáxias do Universo, um dos mistérios ainda não desvendados pela astrofísica moderna. Analisando duas galáxias próximas, que reproduzem o que seriam as condições espaciais durante os primeiros bilhões de anos após o Big Bang, os cientistas descobriram que elas têm uma taxa de formação de estrelas muito inferior à nossa e possuem mais luz infravermelha do que os astrônomos previam. O grup…

Lupas cósmicas

Imagem
Distorção gravitacional na luz de supernovas e de galáxias ajuda a investigar a distribuição de matéria e energia no Universo
Físicos do Rio de Janeiro, com colegas do exterior, estão dominando a arte de usar um fenômeno especial que ocorre com a luz para entender a composição e a estrutura do Universo em grandes escalas. Chamado de lente gravitacional, esse fenômeno funciona como uma espécie de lente de aumento gigantesca – uma lupa cósmica – e permite enxergar objetos celestes que muitas vezes não seriam visíveis por estarem muito distantes. Com a ajuda de lentes gravitacionais, Martín Makler, Bruno Moraes e Aldée Charbonnier, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), elaboraram um novo mapa da matéria escura, um dos componentes mais abundantes e misteriosos do cosmo. “Esse é o levantamento mais extenso do tipo já feito com boa qualidade de imagem para uma área contígua do céu”, afirma Makler, coordenador da participação brasileira no projeto, realizado em parceria com pesqui…

Uma imagem que revela a maravilha da geologia Marciana

Imagem
Diferente do que se pensa, o Planeta Marte não é mundo sem fim coberto por uma poeira vermelha eterna – diferentes partes do planeta se apresentam de forma geomorfologicamente distintas, com algumas partes mostrando dunas, crateras ou canais de inundação, enquanto outras mostram feições que evidenciam avalanches, rastros de redemoinhos e terrenos estratificados. A composição apresentada acima, foi feita por Casey Rodarmor usando imagens originalmente obtidas pela câmera High Resolution Imaging Science Experiment, ou HiRISE, que viaja a bordo da sonda Mars Reconnaissance Orbiter, ou MRO. As imagens, obviamente não apresentam a coloração verdadeira do Planeta Vermelho, mas isso tem sua explicação.
A câmera HiRISE possui três conjuntos de detectores Blue-Green (BG, 400-600nm), Red (550-850 nm) e NIR (800-1000 nm). Como as cores verde e azul não são medidas de forma separada o mapeamento que se faz da combinação BG/Red para o espaço RGB é algo arbitrário. Diferentes cientistas usarão difer…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...