Postagens

Mostrando postagens de Novembro 14, 2014

Cientistas correm para usar robô Philae antes de fim de bateria

Imagem
O veículoPhilae, estabilizado na superfície de um cometa, está recebendo pouca luz em seus painéis solares, o que pode comprometer a duração da sua bateria - e afetar a missão. Cientistas que trabalham no projeto espacial analisam como movimentar o robô para que receba mais luz. O Philae - que fez duas tentativas de aterrissar no cometa antes de lograr a missão - está estacionado à sombra de um penhasco a 1km do local planejado e recebe cerca de 90 minutos de iluminação a cada rotação de 12 horas do cometa. Isto é insuficiente para recarregar o sistema de baterias a partir do momento em que a carga principal do veículo se esgote.
O Philae se destacou da sonda Rosetta há mais de 60 horas. O chefe de operações da Agência Espacial Europeia em Damstadt (Alemanha), Paolo Ferri, disse que as estimativas de quando isto aconteceria variam entre a tarde desta sexta-feira e a tarde de sábado. "Depende das atividades, claro. Quanto mais atividades fizermos com o módulo, mais energia consumi…

O épico e complicado pouso de Philae no cometa

Imagem
BOAS NOTÍCIAS...

O módulo robótico Philae pousou no cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, marcando um feito histórico para a exploração espacial.  Depois de colocar o primeiro homem em órbita, pousar na Lua e pousar um robô em outro planeta (Marte), pousar uma sonda em um cometa giratório em seu caminho rumo ao Sol certamente será lembrado como uma das grandes realizações do início da era espacial. Depois de soltar-se da sonda Rosetta, o módulo Philae desceu por sete horas, até tocar o ponto J do cometa. O sinal de confirmação do pouso chegou às 14h03, no horário de Brasília, mas as imagens dos engenheiros do centro espacial alemão, transmitidas ao vivo pela Agência Espacial Europeia, mostravam que nem tudo estava saindo como previsto. Enquanto dedos apontavam para as telas e os cenhos franziam, foi possível ouvir a temida expressão "bounce", que poderia significar que sonda teria quicado, batido no solo do cometa e saltado de volta para o espaço. Felizmente, logo um sinal de est…

Instrumentos científicos que o módulo Philae leva a bordo para estudar o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko

Imagem
Nessa última quarta-feira, a humanidade deu um passo importante e histórico na exploração espacial, pousando uma sonda no núcleo de um cometa. Com o decorrer do dia, o módulo Philae se separou da sonda Rosetta e desceu até a superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Como a textura da superfície do cometa é desconhecida e sua gravidade superficial é muito baixa, o Philae ia tentar se auto-ancorar, por meio de arpões, algo que nunca antes foi feito na história da humanidade. A imagem acima é uma ilustração artística que mostra o módulo Philae, como ele deve estar na superfície do cometa Churyumov-Gerasimenko, juntamente com a explicação sobre cada um dos instrumentos científicos que ele leva a bordo. O mundo inteiro passou essa quarta-feira, dia 12 de Novembro de 2014 de olho nas notícias e nas atualizações sobre o status da missão da sonda Rosetta e do módulo Philae. Se o Philae realmente pousou no cometa, se ele pousou num terreno suave, se os arpões funcionaram bem, e como o pe…

"Selfie" da Rosetta

Imagem
Este "selfie" da Rosetta foi capturado no dia 7 de Outubro. Nessa altura a sonda encontrava-se a cerca de 472 milhões de quilómetros do planeta Terra, mas apenas a 16 km da superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Aparecendo para lá da nave perto do topo da imagem, fluxos de gás e poeira são libertados do curioso núcleo duplo do cometa e a luz solar é reflectida num dos painéis solares de 14 metros da Rosetta. De facto, duas exposições, uma curta e uma longa, foram combinadas para registar o grande contraste do objecto artifical e o do natural, usando o sistema de câmaras CIVA no módulo de aterragem Philae, ainda acoplado à Rosetta. O seu local de aterragem principal pode ser visto no lóbulo mais pequeno do núcleo. Esta é a última imagem das câmaras do Philae antes deste se ter separado da Rosetta no dia 12 de Novembro. Pouco depois da separação o Philae capturou outra imagem olhando para trás em direcção à sonda e começou a sua descida para o núcleo do cometa. Crédito…

Missão Rosetta: agência espacial capta "canto" de cometa

Imagem
Música, inaudível para o ouvido humano, está intrigando cientistas; internautas sugerem que barulho seja de um ET Ilustração da sonda Rosetta, que lançou o módulo Philea sobre um cometa nesta semana Foto: ESA / Reuters
O "canto" do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, divulgado pela Agência Espacial Europeia na internet, virou um mistério para cientistas e internautas. Na quarta-feira, em um feito inédito, um robô do tamanho de uma máquina de lavar roupas, a sonda Philea, conseguiu pousar no cometa. A análise da composição da superfície do corpo celeste pode oferecer novas pistas sobre a formação do Sistema Solar e da vida na Terra. A música - como os próprios pesquisadores se referiram a ela - foi captada pela nave espacial Rosetta e é inaudível para o ouvido humano. Para que pudesse ser ouvida, seu volume teve que ser aumentado cerca de 10 mil vezes. "Isso é emocionante porque é completamente novo para nós.
Não esperávamos isso e ainda estamos tentando entender a física …

Philae pousa no cometa 67P/CHURYUMOV-GERASIMENKO

Imagem
Impressão de artista do Philae à superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko.
Crédito: ESA/ATG medialab

A missão da ESA, Rosetta, poisou o seu módulo Philae num cometa, a primeira vez na história que se consegue um feito tão extraordinário. A largada foi confirmada às 09:03 GMT a uma distância de 22,5 km do centro do cometa. Durante a descida de sete horas, que foi feita sem propulsão ou condução, o Philae captou imagens e guardou informações acerca do ambiente no cometa. A câmara da Rosetta, por outro lado, também capturou imagens à medida que o Philae descia lentamente. Depois da tensa espera de sete horas, durante a descida à superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, o sinal a confirmar o sucesso chegou à Terra às 16:03 GMT.
Esta confirmação veio através da nave Rosetta e foi captada em simultâneo pelas estações da ESA na Terra, em Malargüe, Argentina, e da NASA, em Madrid, Espanha. O sinal foi confirmado imediatamente pelo Centro de Operações Espaciais da ESA, o ESOC, em Da…

Bem-vindo a um cometa

A mini-sonda da missão Rosetta está com segurança num cometa. Um dos pés da Philae aparece no canto inferior esquerdo desta imagem espetacular, mostrando uma parte da superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko. Ainda uma mini-sonda feliz, Philae saltou duas vezes antes de se estabelecer e retornar imagens da superfície, viajando 1 km ou mais depois de inicialmente tocar no local alvejado, chamado Agilkia. Um panorama da superfície sugere que a sonda chegou a estar inclinada e perto de uma parede de sombreamento, com seus painéis solares recebendo menos iluminação que esperava. Os instrumentos científicos da Philae estão funcionando conforme o planejado e os dados estão sendo retransmitidos durante as janelas de comunicação, quando a sonda Rosetta está novamente acima do horizonte da mini-sonda. Fonte: Astronomy Picture Of the Day

Sondas marcianas revelam efeito da passagem do SIDING SPRING na atmosfera de Marte

Imagem
Impressão de artista do Cometa Siding Spring a aproximar-se de Marte. As sondas marcianas também são aqui visíveis, preparando-se para fazer observações científicas deste encontro único. Crédito: NASA/JPL

Duas sondas da NASA e uma da ESA, que obtiveram as primeiras observações de perto de uma passagem de um cometa por Marte no dia 19 de Outubro, recolheram informações novas sobre as propriedades básicas no núcleo do cometa e detectaram directamente os efeitos sobre a atmosfera marciana. Os dados das observações realizadas pela missão MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution), pela sonda MRO (Mars Reconnaissance Orbiter) e pela sonda Mars Express revelaram que os detritos do cometa acrescentaram uma camada temporária e muito forte de iões à ionosfera, a camada electricamente carregada bem acima de Marte. Com estas observações, os cientistas foram capazes de fazer uma ligação directa entre a entrada de detritos de uma chuva de meteoros específica e a formação deste tipo de camada tr…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...