Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 10, 2015

Monstruosas estrelas são mal compreendidas

Imagem
De acordo com nossos padrões, elas não deveriam existir, mas estão lá, impávidas: quatro estrelas gigantes, cada uma 300 vezes mais massiva do que o nosso sol. Localizadas no agrupamento estelar R136, na Nebulosa da Tarântula, essas estrelas estão cercadas por exemplares mais “modestos”, com massas que não chegam a ser 150 vezes maiores que a do sol. “A suposição de um limite máximo de 150 massas solares tem sido central em nossa teoria sobre a formação de estrelas há tempos”, ressalta o astrofísico Sugata Kaviraj, do Colégio Imperial de Londres (Inglaterra). Não é por acaso que, desde que foram descobertas em 2010, essas “estrelas-monstro” são consideradas verdadeiras aberrações.

A hipótese das fusões estelares
Em busca de uma explicação plausível para tal fenômeno, um grupo de pesquisadores da Universidade de Bonn (Alemanha) testou a hipótese de que essas “estrelas-monstro” não “nasceram” grandes, mas resultaram de fusões de estrelas menores. Para isso, eles desenvolveram uma simulaçã…

Estrelas Wolf-Rayet: as que vivem rápido e morrem jovens

Imagem
Estrelas do tipo Wolf-Rayet são massivas (20 vezes mais do que nosso sol), quentes e que perdem suas massas rapidamente por meio de ventos solares muito fortes. Ou seja, são estrelas que vivem rápido e morrem jovens. Claro que elas não foram sempre assim. O Wolf-Rayet é um estágio normal na evolução de estrelas massivas, na qual linhas de emissão de hélio e nitrogênio (no caso das Wolf-Rayet do tipo WN) ou de hélio, carbono e oxigênio (nas do tipo WC) são visíveis. A fase final da vida dessas estrelas é a mais famosa; é quando elas explodem como uma supernova e semeiam o universo com elementos cósmicos. Mais especificamente, as Wolf-Rayets se tornam supernovas do tipo II. Essas supernovas são o colapso gravitacional de estrelas enormes, com pelo menos dez massas solares. A presença de hidrogênio é o que distingue as do tipo II de outras classes de supernova.
Vida rápida
Quando você olha para uma estrela como o sol, o que você está vendo é um equilíbrio delicado da gravidade da estrela p…

Uma lente sorrindo

Imagem
No centro dessa imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble, das agências espaciais, NASA e ESA, está o aglomerado de galáxias conhecido como SDSS J1038+4849 – e ele parece estar sorrindo para nós. Você pode ver seus dois olhos laranjas e a ponta branca do seu nariz. No caso dessa “carinha feliz”, os dois olhos são galáxias muito brilhantes e as linhas do “sorriso” são na verdade, os arcos causados por um efeito conhecido como lente gravitacional forte. Os aglomerados de galáxias são as estruturas mais massivas no universo e exercem uma poderosa força gravitacional de modo que eles são capazes de distorcer o epaço-tempo ao seu redor e agir como uma verdadeira lente cósmica que pode, ampliar, distorcer e curvar a luz além deles. Esse fenômeno, crucial para muitas descobertas realizadas pelo Telescópio Espacial Hubble, pode ser explicado pela Teoria Geral da Relatividade de Einstein. Nesse caso especial da lente gravitacional, um anel – conhecido como Anel de Einstein – é produzido a p…

VISTA revela detalhes da Nebulosa Trífida e descobre duas estrelas variáveis Cefeidas distantes por trás da nuvem cósmica

Imagem
Este pequeno pedaço da imagem do rastreamento VVV do VISTA das regiões centrais da Via Láctea mostra a famosa Nebulosa Trífida à direita do centro. A nebulosa surge bastante tênue e fantasmagórica a estes comprimentos de onda do infravermelho, quando comparada com a sua imagem mais familiar no espectro visível. Esta transparência tem os seus benefícios, uma vez que objetos de fundo previamente impossíveis de observar podem agora ser vistos claramente. Entre eles estão duas estrelas variáveis Cefeidas recém descobertas, as primeiras encontradas até hoje do outro lado da Galáxia, próximo do plano central. Créditos: ESO / VVV consortium/D. Minniti Uma nova imagem obtida com o telescópio de rastreio do ESO, o VISTA, revela a famosa Nebulosa Trífida de maneira diferente e fantasmagórica. Ao observar no infravermelho, os astrônomos podem ver para além das regiões centrais da Via Láctea obscurecidas por poeira e descobrir muitos objetos invisíveis a outros comprimentos de onda. Numa pequena p…

LRO descobre que hidrogénio lunar é mais abundante em encostas viradas para pólo da lua

Imagem
Imagem, capturada pela sonda LRO, da Cratera Hayn, localizada mesmo para nordeste de Mare Humboldtianum, dramaticamente iluminada pelo Sol, baixo, que provoca grandes sombras no chão da cratera. Crédito: NASA/GSFC/Universidade Estatal do Arizona
As viagens espaciais são difíceis e caras - custaria milhares de dólares enviar uma garrafa de água para a Lua. A descoberta recente, na Lua, de moléculas contendo hidrogénio, possivelmente incluindo água, anima os exploradores porque estes depósitos podem ser minados caso sejam suficientemente abundantes, poupando o considerável custo de levar água da Terra. A água lunar poderia ser usada para beber ou os seus componentes - hidrogénio e oxigénio - poderiam ser usados para fabricar produtos importantes à superfície que os futuros visitantes lunares precisassem, como combustível e ar respirável. Observações recentes pela sonda LRO (Lunar Reconnaissance Orbiter) da NASA indicam que estes depósitos podem ser um pouco mais abundantes em encostas de…

Confira os eventos astronômicos de 2015

Imagem
Para você que gosta de observar o céu e as estrelas, anote os principais eventos astronômicos que devem movimentar o espaço em 2015.

Janeiro 04 – A Terra atinge o seu ponto de maior aproximação com o Sol, o chamado periélio. Segundo pesquisadores isso não influencia no aumento de temperaturas ou na sensação térmica. 14 – Mercúrio atinge máxima elongação ao entardecer. Traduzindo: no pôr do sol, Mercúrio estará na sua posição mais alta no céu, facilitando sua observação. 17 e 24 – As Luas de Júpiter vão promover um trânsito de sombras, vão passar entre o Sol e Júpiter e do nosso ponto de vista vamos ver suas sombras passando sobre o planeta.  Vai ser necessário um telescópio de porte médio para visualizar o evento.
Fevereiro 18 – Lua Negra, a terceira Lua Nova de uma estação do ano que possui 4 Luas Novas no calendário. 24 – Máxima elongação de Mercúrio, mas dessa vez ao amanhecer.
Março 01 – Período de “eclipses” de satélites geoestacionários, aqueles satélites responsáveis pelas telecomunicaç…

Como mini-netunos podem se transformar em super-terras habitáveis em sistemas de anãs vermelhas?

Imagem
Irradiação forte da estrela anã vermelha hospedeira pode fazer com que exoplanetas conhecidos como mini-netunos na zona habitável expulsem suas camadas externas gasosas para o espaço e se tornem super-terras potencialmente habitáveis. Créditos: Rodrigo Luger / NASA
Recentemente olhamos um artigo de Rodrigo Luger e Rory Barnes (Universidade de Washington), onde os cientistas estudaram o caso de exoplanetas na zona habitável de uma anã vermelha que passaram por uma era de torturas provocadas pela sua estrela hospedeira. Por causa da força das marés, causando vulcanismo intenso na superfície e também pela intensa atividade estelar das estrelas jovens, a oferta da água de superfície no exoplaneta pode ter sido totalmente perdida. À medida que a anã vermelha se desenvolve lentamente na sequência principal, a camada superior da atmosfera de um exoplaneta, que acabará eventualmente a pertencer a zona habitável da anã vermelha, pode ser aquecida o suficiente para fazer com que o seu hidrogênio…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...