Postagens

Mostrando postagens de Julho 14, 2015

As maiores dúvidas sobre Plutão

Imagem
A sonda New Horizons acaba de passar por Plutão e captou imagens magníficas desse objeto misterioso e encantador, residente nas profundezas do Sistema Solar. Os cientistas esperam com isso esclarecer muitas dúvidas sobre a origem dos planetas e da química que levou ao surgimento da vida na Terra. Mas, por ora, a imensa maioria dos terráqueos está se contentando em responder perguntas mais simples. Melhor imagem que teremos de Plutão hoje, obtida antes do início do sobrevoo. (Crédito: Nasa) E, quando a humanidade quer uma resposta, o que ela faz? Procura no Google, claro!

Eis então as sete perguntas mais feitas na segunda-feira (em inglês) ao onipresente buscador internético.


1. Plutão é um planeta?
2. Qual é a distância entre Plutão e a Terra?
3. Quanto tempo leva para chegar a Plutão?
4. Quem descobriu Plutão e quando?
5. O que acontece à New Horizons depois de Plutão?
6. A que distância a New Horizons vai chegar de Plutão?
7. Quão frio é Plutão?


As respostas, claro, vêm em seguida. E se você q…

Conheça o bizarro sistema quíntuplo de estrelas

Imagem
Cientistas da Universidade Aberta (Open University), no Reino Unido, descobriram um raro sistema com cinco estrelas gravitacionalmente ligadas. Designado 1SWASP J093010.78 + 533.859,5, ele consiste em dois conjuntos de estrelas binárias (um binário eclipsante) e uma quinta solitária. Sistemas estelares quíntuplos já foram descobertos antes, mas esta é a primeira vez que os astrônomos viram um par de estrelas binárias eclipsantes dentro de um sistema de cinco estrelas.
A descoberta
1SWASP está localizado a 250 anos-luz da Terra. O sistema foi originalmente detectado em dados arquivados a partir do projeto SuperWASP (principal programa de detecção de planetas extra-solares do Reino Unido), que utiliza câmeras do Observatório del Roque de los Muchachos, nas Ilhas. Ao longo dos anos, essas câmeras intermitentemente mediram o brilho de estrelas individuais, permitindo aos cientistas acompanhar sua luz ao longo do tempo. Usando uma técnica semelhante à forma como os astrônomos descobrem exop…

As maiores explosões no Universo são originadas pelos ímãs mais fortes

Imagem
Algumas explosões de raios gama de longa duração têm origem em estrelas magnéticas Esta impressão artística mostra uma supernova e a explosão de raios-gama associada originadas por uma estrela de neutrões em rotação muito rápida com um campo magnético muito forte — um objeto exótico chamado estrela magnética. Observações obtidas nos Observatórios de La Silla e Paranal no Chile demonstraram pela primeira vez que existe uma ligação entre uma explosão de raios-gama de longa duração e uma explosão de supernova invulgarmente brilhante. Os resultados mostram que a supernova não teve origem em decaimento radioativo, como se esperava, mas sim em campos magnéticos muito fortes a decair em torno de uma estrela magnética. Crédito: ESO
Observações obtidas nos Observatórios de La Silla e Paranal no Chile demonstraram pela primeira vez que existe uma ligação entre uma explosão de raios gama de longa duração e uma explosão de supernova de brilho incomum. Os resultados mostram que a supernova não teve …

Descoberta nova classe de partículas no LHC

Imagem
Possíveis arranjos dos quarks no pentaquark. Os cinco quarks podem ser firmemente ligados (à esquerda). Eles também podem ser montados em um méson (um quark e um antiquark) e um bárion (três quarks), fracamente ligados entre si. [Imagem: Daniel Dominguez/CERN/LHCb Collaboration]
Pentaquark Nem bem começou sua nova fase turbinada, o LHC acaba de confirmar a existência de uma nova classe de partículas, conhecidas como pentaquarks - partículas formadas por cinco quarks. A partícula foi identificada pelo detector LHCb, o mesmo que havia descoberto duas novas partículas e um novo tipo de matéria em 2014 e um processo subatômico raro em 2015. A descoberta foi feita analisando dados de colisões ocorridas entre 2009 e 2012, portanto, antes do upgrade do LHC. A nova partícula, de vida extremamente curta, contém dois quarks up, um quark down e um par de quark-antiquark charme, o que torna um pentaquark charmônio.
O pentaquark não é apenas uma nova partícula qualquer," disse Guy Wilkinso…

Sonda New Horizons chega a Plutão

Imagem
Esta imagem, feita em 7 de julho, mostra uma forma de coração na superfície de Plutão.[Imagem: NASA]
Primeiras imagens de Plutão
Nunca na história, um veículo espacial chegou tão longe. Nesta terça-feira (14), a sonda New Horizons, que saiu da Terra no ano de 2006, vai ficar a exatos 12.472 quilômetros de Plutão. Lançada pela NASA, a New Horizons tem como objetivo captar as primeiras fotos e informações sobre o planeta-anão - quando ela partiu, em 2006, Plutão ainda era um planeta de pleno direito. Desde quando a New Horizons saiu da Terra, ela já fez imagens de Saturno e Netuno. Ao começar a se aproximar de Plutão, a sonda já fez imagens do planeta-anão que por si sós deixariam os astrônomos maravilhados. Em uma delas, foi revelada uma cor avermelhada de Plutão. Outra revela Charon, a maior lua do sistema, orbitando o planeta-anão. Há, ainda, a imagem que mostra as duas faces do planeta e outra que mostra a forma de um coração. Mas o que todos esperam são as imagens que serão feitas ne…

Um buraco negro sob uma lente gravitacional

Imagem
Impressão de artista de uma lente gravitacional. Crédito: ESA/ATG medialab
Os observatórios espaciais Integral, Fermi e Swift usaram o poder de ampliação de uma lente cósmica para explorar as regiões internas de um buraco negro supermassivo. Os raios-gama são a radiação altamente energética emitida por alguns dos objetos mais extremos do Universo. Por exemplo, jatos de raios-gama que se deslocam quase à velocidade da luz são originários de áreas em redor dos buracos negros. Pensa-se que estes jatos são emitidos por material superaquecido que gira descontroladamente à medida que é devorado pelo buraco negro.
Os nossos telescópios nunca serão poderosos o suficiente para revelar estas regiões internas e os cientistas lutam para examinar exatamente o modo como estes jatos são expelidos para o Universo. "Tendo em conta que não podemos ver claramente o que está a acontecer, nós não compreendemos totalmente este comportamento," afirma Andrii Neronov da Universidade de Genebra, Suíça,…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...