Postagens

Mostrando postagens de Novembro 12, 2015

Astrônomos descobrem as estrelas mais velhas conhecidas do universo

Imagem
Umaequipe internacional de astrônomos, incluindo pesquisadores da Universidade de Cambridge (Reino Unido) e da Universidade Nacional da Austrália, identificou as estrelas mais antigas conhecidas da nossa galáxia, que poderiam conter pistas vitais sobre o início do universo.
No centro Durante décadas, os astrônomos tentam determinar como o universo era logo após o Big Bang. A compreensão de como as primeiras estrelas e galáxias se formaram é crucial para este objetivo. As estrelas no centro da Via Láctea podem ser algumas das mais antigas do mundo. Elas contêm quantidades extremamente baixas de metais, e impressões digitais químicas que indicam que podem ter morrido de formas espetaculares: como hipernovas, dez vezes mais energéticas do que uma supernova regular.
Pouco metal Logo após o Big Bang, o universo era inteiramente composto de apenas hidrogênio, hélio e pequenas quantidades de lítio. Todos os outros elementos, como o oxigênio que respiramos, foram fabricados dentro de estrelas ou …

Astrônomos Simulam Nuvens em 3D no Exoplaneta GJ 1214b

Imagem
A impressão artísticadeGJ1214b. Crédito da imagem:NASA /ESA /G.Bacon,STScI /L.KreidbergeJ.Bean,University ofChicago /H.Knutson, California Institute of Technology.
Uma equipe de cientistas da Universidade de Washington e da Universidade de Toronto foram os primeiros a simular nuvens exóticas em 3D na atmosfera de um exoplaneta. O objeto em questão, é o GJ 1214b, um exoplaneta chamado de mini-Netuno que foi descoberto, seis anos atrás pelos astrônomos no Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics. Também conhecido como Gliese 1214b, esse mundo tem cerca de 2.7 vezes o diâmetro da Terra e uma massa quase 7 vezes maior que a massa do nosso planeta. Ele está localizado a cerca de 52 anos-luz de distância na constelação de Ophiuchus. O planeta orbita a estrela anã vermelha, GJ 1214, a cada 38 horas, a uma distância de 1.3 milhões de milhas. De acordo com estudos prévios, o planeta tem uma atmosfera rica em água ou hidrogênio com extensas nuvens. Deve existir altas nuvens ou uma névoa orgân…

Cientistas confirmam existência de novo objeto no sistema solar

Imagem
Uma equipeinternacional de cientistas confirmou que um novo objeto foi descoberto no interior do Sistema Solar, localizado além da orbita de Plutão. Ao que tudo indica o objeto é rochoso, mas pouco se sabe sobre a sua orbita.

Concepção artística mostra o planeta anão Sedna, que até a descoberta de V774104 era um dos objetos mais distantes do Sistema Solar.
Batizado de V774104, o novo corpo celeste tem entre 500 e 800 quilômetros de diâmetro e foi descoberto através de observações feitas com auxílio do telescópio Japonês Subaru, de 200 polegadas, instalado no topo do Monte Mauna Kea, no Havaí. De acordo com o astrônomo Scott Sheppard, ligado ao Carnegie Institute, dos EUA, o novo objeto transnetuniano é o mais longínquo corpo planetário conhecido, localizado três vezes mais distante que o planeta anão Plutão, a 15 bilhões de quilômetros do Sol. O tamanho do planeta anão foi inferido levando em consideração seu brilho aparente, mas suas características orbitais ainda são muito imprecisas,…

AE Aurigae e a Nebulosa da Estrela Flamejante por Jesús Vargas e Maritxu Poyal

Imagem
Crédito da imagem©: Jesús Vargas (Sky-Astrophotography) & Maritxu Poyal (Maritxu)

Mesmo que AE Aurigae seja apelidada de estrela flamejante, que a nebulosa envolvente IC 405 seja chamada informalmente de Nebulosa da Estrela Flamejante e, ainda mais, que a região celeste apresente uma cor de fogo, não há fogo algum. O fogo, por definição, exige a reação molecular entre um elemento combustível com o oxigênio. O fogo acontece somente quando há oxigênio suficiente presente juntamente com combustível e alguma energia suficiente para permitir a ignição. Contudo, isso não é necessário em ambientes altamente energéticos, com baixo teor de oxigênio que encontramos no interior das estrelas. O material que se parece com fumaça é composto basicamente de hidrogênio interstelar, completado com filamentos enegrecidos de grãos de poeira cósmica ricos em carbono. A brilhante estrela AE Aurigae, visível à direita próxima ao centro da nebulosa é tão quente que é azul, emitindo uma radiação tão energé…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...