Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

O VLT do ESO detecta halos gigantes brilhantes inesperados em torno de quasars distantes

Imagem
Esta imagem composta mostra 18 dos 19 quasars observados por uma equipa internacional de astrónomos, liderada pelo ETH de Zurique, na Suíça. Cada um dos quasars observados encontra-se rodeado por um halo gasoso brilhante. Esta é a primeira vez que um rastreio de quasars mostra tais halos brilhantes em torno de todos os quasars observados.A descoberta foi feita com o auxílio do instrumento MUSE montado no Very Large Telescope do ESO.Créditos:ESO/Borisova et al.
Uma equipe internacional de astrónomos descobriu nuvens de gás brilhante em torno de quasars distantes. Esta é a primeira vez que todos os quasars num rastreio apresentam estes halos, dos quais as assinaturas inconfundíveis foram observadas pelo instrumento MUSE montado no Very Large Telescope do ESO. As propriedades dos halos desta descoberta surpreendente encontram-se também em total desacordo com as atuais teorias aceites para a formação de galáxias no Universo primordial.
Uma colaboração internacional de astrónomos, liderada …

Descoberto objetos cósmicos misteriosos que explodem em raios X

Imagem
Animação da erupção da fonte de raios-X na galáxia NGC 5128.
Crédito: NASA/CXC/UA/J. Irwil et al.

Astrónomos descobriram um par de objetos cósmicos extraordinários que explodem dramaticamente em raios-X. Esta descoberta, obtida com o Observatório de raios-X Chandra da NASA e com o Observatório XMM-Newton da ESA, pode representar uma nova classe de eventos explosivos encontrados no espaço. As misteriosas fontes de raios-X tornam-se cerca de cem vezes mais brilhantes em menos de um minuto, antes de regressar aos níveis de raios-X originais após mais ou menos uma hora. No seu pico, estes objetos qualificam-se como ULXs ("ultraluminous X-ray sources", em português "fontes ultraluminosas de raios-X") que emitem centenas até milhares de vezes mais raios-X do que os típicos sistemas binários onde uma estrela orbita um buraco negro ou uma estrela de neutrões.
"Nunca vimos nada como isto," afirma Jimmy Irwin da Universidade do Alabama, EUA, que liderou o estudo publ…

Planeta Nove pode trazer final trágico para Sistema Solar

Imagem
"A existência de um planeta massivo distante pode mudar fundamentalmente o destino do Sistema Solar." [Imagem: University of Warwick]
Sai, Nibiru! Talvez os especuladores e "teóricos alternativos", curiosamente sempre prontos a prever armagedons, não tenham passado tão longe assim da realidade - embora, felizmente, tenham errado no tempo. O lendário e tão procurado Planeta X - agora rebatizado de Planeta Nove - pode de fato selar um destino desastroso para o Sistema Solar.  Pelo menos é que calcula o professor Dimitri Veras, da Universidade de Warwick, no Reino Unido. Mas é bom que se frise: São conjecturas e hipóteses e, ainda que todas se provem corretas - incluindo a existência do Planeta Nove -, os efeitos só se farão sentir depois que a vida na Terra já tiver sido extinta há muito tempo, de morte natural, por assim dizer.
Sinuca planetária
Segundo Veras, a presença do Planeta X, ou Nove, poderia causar a eliminação de pelo menos um dos planetas gigantes depois…

O universo está expandindo aceleradamente. Mesmo?

Imagem
Há cinco anos, três astrônomos receberam prêmio Nobel por um trabalho realizado no final da década de 1990, em que provavam que o universo está se expandindo de forma acelerada. A conclusão veio da análise da Supernova tipo Ia – a espetacular explosão termonuclear de estrelas que estão morrendo – identificada pelo telescópio Hubble e outros grandes telescópios na Terra. Isso gerou a aceitação geral da ideia de que o universo é dominado por uma substância misteriosa chamada “energia escura” que guia essa expansão acelerada. Agora, um grupo de cientistas liderados por Subir Sarkar, do departamento de física da Universidade de Oxford, coloca em dúvida este conceito. Uma enorme quantidade de dados foi analisada: um catálogo de 740 Supoernovas tipo Ia, mais de dez vezes o número do estudo original. E os pesquisadores encontraram evidência de que a aceleração pode ser muito inferior ao que foi inicialmente imaginado, com dados consistentes com um nível de aceleração constante.

O estudo foi …

Novos dados dispensam Matéria Escura para explicar Universo

Imagem
A equipe usou dados de infravermelho captados pelo telescópio espacial Spitzer - esta é a imagem da galáxia NGC 7793 vista pelo Spitzer. [Imagem: NASA/JPL-Caltech/R Kennicutt/SINGS]
Velocidade radial Uma medição inédita da velocidade rotacional das estrelas em centenas de galáxias trouxe resultados que estão fazendo balançar as duas principais teorias sobre o funcionamento do Universo - uma delas até quase cair. Segundo essas medições, a matéria escura simplesmente não existe, e as leis da gravitação de Newton precisam de um ajuste para explicar como a gravidade funciona em distâncias muito grandes. Stacy McGaugh, Federico Lelli (Universidade Case Western) e James Schombert (Universidade do Oregon) mediram a aceleração gravitacional de estrelas em 153 galáxias de diversos tamanhos, brilhos e velocidades de rotação. E descobriram que a velocidade rotacional das estrelas apresenta uma forte correlação com a massa visível das galáxias, sem necessidade de levar em conta uma hipotética mat…

Noites nubladas e dias ensolarados nos distante júpiteres quentes

Imagem
Esta ilustração representa como os Júpiteres quentes de temperaturas diferentes e composições de nuvens diferentes podem aparecer a quem voa por cima do lado diurno destes planetas numa nave espacial, com base em modelos de computador.
Crédito: NASA/JPL-Caltech/Universidade do Arizona/V. Parmentier

A previsão meteorológica para planetas distantes e quentes denominados "Júpiteres quentes" pode ser algo como isto: noites nubladas e dias ensolarados, com uma temperatura máxima de 1300 graus Celsius. Estes mundos misteriosos estão demasiado longe para podermos observar nuvens nas suas atmosferas. Mas um estudo recente usando o Telescópio Espacial Kepler da NASA e técnicas de modelagem por computador encontou pistas de onde essas nuvens se podem reunir e da sua provável composição. O estudo foi publicado na revista The Astrophysical Journal e está disponível online. Os Júpiteres quentes, entre os primeiros dos milhares de exoplanetas (planetas para lá do nosso Sistema Solar) desco…

Inclinação curiosa do sol atribuida ao planeta nove

Imagem
Esta impressão de artista mostra o distante Planeta Nove. Pensa-se que o planeta seja gasoso, parecido com Úrano e Neptuno. Relâmpagos hipotéticos iluminam o lado noturno. Crédito: Caltech/R. Hurt (IPAC)
De acordocom um novo estudo, o Planeta Nove - o planeta ainda não descoberto na orla do Sistema Solar que foi previsto pelo trabalho de Konstantin Batygin e Mike Brown em janeiro de 2016 - parece ser responsável pela invulgar inclinação do Sol. O planeta grande e distante pode estar a adicionar uma oscilação ao Sistema Solar, dando a aparência de que o Sol está ligeiramente inclinado. Dado que o Planeta Nove é tão grande e tem uma órbita inclinada em comparação com a dos outros planetas, o Sistema Solar não tem escolha a não ser torcer-se lentamente para fora do alinhamento," comenta Elizabeth Bailey, estudante do Caltech e autora principal de um estudo que anuncia a descoberta.
Todos os planetas orbitam num plano achatado em relação ao Sol (eclíptica), no máximo com cerca de 2º un…

Sonda New Horizons se aproxima de misterioso objeto vermelho

Imagem
A sondaNew Horizons da NASA está neste momento acelerando em direção a um objeto misterioso chamado MU69, no Cinturão de Kuiper. Observações recentes do objeto distante indicam uma superfície avermelhada, talvez até mais vermelha que os borrões localizados em Plutão. Este pequeno KBO (Kuiper Belt object) mede entre 30 a 45 km de diâmetro e está a 2,6 bilhões de km de Plutão. Quando New Horizons chegar lá em janeiro de 2019, a sonda estará 43,3 vezes mais distante do Sol do que a Terra está distante do Sol. A sonda se aproximará mais deste objeto do que Plutão quando fez a histórica passagem pelo planeta em 15 de julho de 2015. A cor avermelhada de MU69, assim como as manchas de Plutão e da sua lua Charon, sugere a presença de tolina, uma classe de moléculas que é formada através da irradiação ultravioleta de componentes simples como o metano e etano. Tonlina não se forma naturalmente na Terra, mas é abundante na superfície de corpos gelados na parte exterior do sistema solar. Com o Hub…

Possíveis cenários para a vida em outros planetas

Imagem
Existe a questão da possível existência de vida fora do nosso sistema solar em outro “planeta Terra”, e a medida que a tecnologia avança, mais exoplanetas são descobertos, e mais exoplanetas com características mais próximas da Terra são descobertas. Um exemplo é o Kepler-186f, um exoplaneta que tem água, e outro, é o Kepler-452b, que têm algumas características semelhantes às características da Terra, como um período orbital de aproximadamente 384,84 dias terrestres.  Para ocorrer o surgimento da vida, é preciso um meio líquido (como a água) para ter o surgimento através de reações químicas, moléculas, que são de extrema importância para o isso através de reações químicas incluindo água, e além desses dois fatores, precisa-se de uma fonte de energia. Um grande objetivo da astronomia é encontrar vida em outros planetas, uma tarefa complicada. Para criar instrumentos que analisem planetas parecidos com a Terra, é preciso se antecipar no tempo e saber como será a química dessa atmosfer…

Imagem de Eta Carinae com maior resolução obtida até à data

Imagem
O Interferómetro do VLT captura ventos fortes no famoso sistema estelar massivo Imagem detalhada de Eta Carinae Créditos: ESO/G. Weigel
Uma equipe internacional de astrónomos utilizou o Interferómetro do Very Large Telescope para obter imagens do sistema estelar de Eta Carinae, as mais detalhadas obtidas até à data. A equipa descobriu estruturas novas e inesperadas no sistema binário, incluindo uma região entre as duas estrelas onde ventos estelares de velocidades extremamente elevadas colidem. Esta nova descoberta sobre o enigmático sistema estelar poderá levar a uma melhor compreensão da evolução de estrelas de elevada massa. Uma equipe de astrónomos, liderada por Gerd Weigelt do Instituto Max Planck de Rádio Asttronomia (MPIfR) em Bona, na Alemanha, utilizou o Interferómetro do Very Large Telescope (VLTI), instalado no Observatório do Paranal do ESO, para obter uma imagem única do sistema estelar Eta Carinae situado na Nebulosa Carina.

Este colossal sistema binário, constituído por dua…

Aglomerado estelar NGC 299 na constelação do Tucano

Imagem
A constelação do Tucano é famosa por abrigar alguns dos objetos mais interessantes de serem observados como a Galáxia Anã Tucana e o aglomerado globular 47 Tucanae, o segundo aglomerado mais brilhante do céu. Mas além disso, essa constelação nos reserva outra belezas cósmicas. Uma dessas é o aglomerado aberto de estrelas NGC 299, localizado dentro da Pequena Nuvem de Magalhães a apenas 200 000 anos-luz de distância da Terra. Aglomerados abertos de estrelas como esse, são coleções de estrelas fracamente agrupadas pela gravidade, todas elas tendo se formado da mesma nuvem molecular massiva de gás e poeira. Por conta disso, todas as estrelas possuem a mesma composição e a mesma idade, mas possuem massa variável pois elas se formarm em diferentes posições dentro da nuvem. Essa única propriedade, não só garante uma espetacular visão quando o objeto é observado através de instrumentos sofisticados acoplados a telescópios como a Advanced Camera for Surveys do Hubble, mas também fornece aos a…

O aglomerado globular de estrelas 47 Tuc

Imagem
O Aglomerado Globular 47 Tucanae é uma joia do céu do sul. Também conhecido como NGC 104, ele se localiza no halo da Via Láctea, juntamente com outros 200 aglomerados globulares de estrelas. Ele é o segundo aglomerado globular mais brilhante (depois de Omega Centauri) e localiza-se a 13000 anos-luz de distância da Terra e pode ser até mesmo visto a olho nu próximo à Pequena nuvem de Magalhães na constelação de Toucan. O denso aglomerado é formado por algumas milhões de estrelas concentradas em um volume de aproximadamente 120 anos-luz. Estrelas gigantes vermelhas na parte mais externa do aglomerado são facilmente identificadas como estrelas amareladas nessa imagem do aglomerado feita por meio de um telescópio. O aglomerado globular 47 Tucanae também é o lar de exóticos sistemas estelares binários que são fontes de raios-X. Fonte: NASA

Proxima Centauri pode ser mais parecida com o Sol do que se pensava

Imagem
Impressão de artista que mostra o interior de uma estrela de baixa massa. Estas estrelas têm estruturas interiores diferentes do nosso Sol, de modo que não se esperava que tivessem ciclos de atividade magnética. No entanto, os astrónomos descobriram que a estrela vizinha Proxima Centauri desafia essa expetativa e mostra sinais de um ciclo de atividade com a duração de 7 anos. Crédito: NASA/CXC/M. Weiss
Em agosto os astrónomos anunciaram que a estrela vizinha, Proxima Centauri, hospeda um planeta do tamanho da Terra (de nome Proxima b) na sua zona habitável. À primeira vista, Proxima Centauri não se parece nada com o nosso Sol. É uma pequena e fria anã vermelha com apenas um décimo da massa e um milésimo do brilho do Sol. No entanto, uma nova investigação mostra que é parecida com o Sol de uma forma surpreendente: tem um ciclo regular de manchas estelares.
As manchas estelares (como as manchas solares) são zonas escuras à superfície de uma estrela onde a temperatura é um pouco inferior à…

O universo contém ao menos DEZ VEZES mais galáxias do que pensávamos

Imagem
Astrônomos usando dados das agências espaciais americana NASA e europeia ESA realizaram um censo preciso do número de galáxias no universo observável, concluindo surpreendentemente que existem pelo menos dez vezes mais do que pensávamos. Os resultados têm implicações claras para a nossa compreensão da formação de galáxias, e também ajudam a resolver um antigo mistério astronômico: por que o céu é escuro à noite?
Modelo matemático - Imagens do Hubble Deep Field, capturadas pelo telescópio Hubble em meados de 1990, deram a primeira visão sobre quantas galáxias haviam no universo. Estimou-se que o número era de cerca de 100 bilhões. Agora, uma equipe internacional liderada por Christopher Conselice da Universidade de Nottingham, no Reino Unido, demonstrou que este número pode ser pelo menos dez vezes maior. Conselice e sua equipe chegaram a esta conclusão utilizando imagens do Hubble, dados de trabalhos anteriores dos pesquisadores e outros dados publicados. Eles meticulosamente converter…

A bela e Intrigante Galáxia NGC 278

Imagem
Essa imagem, feita com a Wide Field Planetary Camera 2 do Telescópio Espacial Hubble, mostra a galáxia espiral chamada NGC 278. Essa beleza cósmica localiza-se a cerca de 38 milhões de anos-luz de distância da Terra na constelação de Cassiopeia. Olhando assim, a galáxia NGC 278, parece tranquila. Porém, a galáxia está passando por uma imensa explosão de formação de estrelas. Essa atividade furiosa pode ser percebida pelos nós de tonalidade azulada, que permeiam os braços espirais da galáxia, cada nó desse marca uma aglomeração de estrelas quentes recém-nascidas.
Contudo, a formação de estrelas na NGC 278 não é comum, ela não se estende para as bordas mais externas da galáxia, só acontecendo dentro de um anel interno de cerca de 6500 anos-luz de diâmetro. Essa dicotomia pode ser vista nessa imagem, enquanto o centro é brilhante, as extremidades são muito mais escuras.
Essa estranha configuração acredita-se, tenha sido causada por uma fusão com uma galáxia menor rica em gás, enquanto que…

O coração antigo da Via Láctea

Imagem
VISTA encontra restos de enxame estelar globular arcaico Com o auxílio do VISTA, o telescópio infravermelho do ESO, descobriram-se pela primeira vez estrelas antigas do tipo RR Lyrae no centro da Via Láctea. As estrelas RR Lyrae encontram-se tipicamente em populações estelares com mais de 10 mil milhões de anos de idade. A sua descoberta sugere que o centro bojudo da Via Láctea provavelmente se formou a partir da fusão de enxames estelares primordiais. Estas estrelas podem mesmo ser os restos do mais massivo e mais antigo enxame estelar que ainda sobrevive na Via Láctea.
Uma equipa liderada por Dante Minniti (Universidad Andres Bello, Santiago, Chile) e Rodrigo Contreras (Pontificia Universidad Católica de Chile, Santiago, Chile) utilizou observações do telescópio infravermelho de rastreio VISTA, obtidas no âmbito do rastreio público Variáveis na Via Láctea (VVV), para fazer uma busca cuidada da região central da Via Láctea. Ao observar no infravermelho, que é menos afectado pela poeira…

Conheça o novo planeta anão do nosso Sistema Solar

Imagem
2014 UZ224 é o novo planeta anão do nosso Sistema Solar anunciado por cientistas de Michigan ontem (11). O planeta anão está além da órbita de Plutão, mede cerca de 530 quilômetros de largura e está localizado a 13,7 bilhões de quilômetros do nosso Sol. Os cientistas apontam que um dia no planeta anão demora cerca de 1100 anos terrestres. O objeto foi confirmado pelo Minor Planet Center e foi descoberto por acaso enquanto os cientistas faziam pesquisas utilizando a Câmera de Energia Escura (Decam). O Decam foi construído para observar galáxias e seus movimentos e, futuramente, ajudar a elucidar a origem da matéria escura e sua disposição pelo Universo.
O Decam está sendo utilizado no projeto Dark Energy Survey e, durante a sua geração de imagens, descobre alguns objetos ainda não identificados. Pequenas manchas apareciam de forma regular em algumas imagens tiradas ao longo de alguns meses apresentando um comportamento diferente de estrelas e galáxias. David Gerdes, professor de Astron…

SOFIA detecta colapsos de nuvens interestelares

Imagem
Os astrônomos utilizaram o SOFIA para observarem parcelas de 6  nuvens interestelares, cujo caminho é se tornarem estrelas muito maiores que o nosso sol. Quando uma estrela entra em colapso, sua gravidade faz ela se contrair a ponto do atrito gerar calor, desencadeando na fusão de hidrogênio, e depois, uma estrela é formada.  Os astrônomos se animaram com as observações do SOFIA porque elas confirmaram  modelos teóricos de formações de estrelas com o colapso de nuvens interestelares e o ritmo desse colapso. Um problema de estudar esses colapsos é o fato de ser rápido em questões astronômicas, por isso, o “Infall” (nome desse fenômeno) é desafiador, dificultando os estudos.  Utilizando um instrumento do observatório German Receiver for Astronomy at Terahertz Frequencies (GREAT), os cientistas observaram 9 proto-estrelas procurando por esse estágio de desenvolvimento realizando medições, e descobriram que 6 de 9 dessas estrelas foram colapsadas ativamente. O SOFIA é muito importante nas…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...