Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro 8, 2017

Hubble fornece o mapa da trajetória interestelar da viagem das espaçonaves Voyager 1 e 2

Imagem
Nesta ilustração orientada ao longo do plano da eclíptica, o Telescópio Espacial Hubble da NASA observa os percursos das sondas Voyager 1 e 2 à medida que viajam desde Sistema Solar até o espaço interestelar. O Hubble está examinando duas linhas de visão (as características gêmeas em forma de cone) ao longo do percurso das naves. O objetivo do telescópio é ajudar os astrônomos a mapear a estrutura interestelar ao longo do caminho estelar de cada sonda. Cada linha de visão se estende por vários anos-luz até estrelas vizinhas. Créditos: NASA, ESA e Z. Levay (STScI)
As duas sondas Voyager da NASA estão viajando por território inexplorado em sua viagem para além do nosso Sistema Solar. Ao longo do caminho, as espaçonaves medem o meio interestelar, o ambiente misterioso que existe entre as estrelas. O Telescópio Espacial Hubble da NASA está fornecendo o roteiro, medindo e estudando o material ao longo das trajetórias futuras das naves. Mesmo depois das sondas Voyager ficarem sem energia elé…

Este buraco negro é tão violentos que está testa do os limites da física

Imagem
Os astrônomos descobriram um buraco negro gigantesco tão faminto que está engolindo uma estrela já faz mais de uma década – o que é mais de 10 vezes do que qualquer outra refeição estelar detectada já durou antes.  Não apenas essa é a maior refeição que um buraco negro já foi visto consumindo, como tem acontecido por tanto tempo que os cientistas não sabem explicar como isso é possível sem dobrar as leis da física.  A resposta a esse mistério poderia nos dizer como os buracos negros do início do universo cresceram a tamanhos muito maiores do que podemos explicar.  Ruptura de maré? Quando uma estrela se aproxima muito de um buraco negro, sua imensa força gravitacional pode destroçá-la, um evento conhecido como “ruptura de maré”. Nós já vimos muitos desses eventos no passado, graças ao distinto brilho de raio-X que eles produzem. Depois que o buraco negro destrói uma estrela, ele lança parte de seu conteúdo para o espaço em altas velocidades, devorando o resto, crescendo e liberando raios…

Polos magnéticos da Terra ‘podem estar prestes a se inverter’ – e os primeiros sinais estão aí

Imagem
Os polos magnéticos da Terra podem estar prestes a se inverter pela primeira vez em 786 mil anos – e os primeiros sinais podem estar visíveis numa “anomalia” sob a África do Sul.  Se os polos se inverterem, as bússolas irão apontar para o sul – e isso acabará tendo um impacto significativo na rede elétrica da Terra, embora não seja provável que a “inversão” ocorra imediatamente. De acordo com pesquisadores da Universidade de Rochester, uma “anomalia” na África do Sul pode ser a chave para prever a próxima inversão – num local profundo, abaixo do solo, onde as bússolas apontam para o sul. O professor John Tarduno, da Universidade de Rochester, disse: “Há um ponto de polaridade invertida sob o solo no sul da África, na fronteira entre o núcleo e o manto, onde o núcleo externo do ferro líquido se encontra com a parte mais rígida do interior da Terra”. “Nesta área, a polaridade do campo é oposta ao campo magnético global médio. Se fôssemos capazes de usar uma bússola nas profundezas deste l…

A nebulosa da borboleta registrada pelo HUBBLE

Imagem
Os brilhantes aglomerados e as brilhantes nebulosas no céu noturno da Terra normalmente recebem nomes de flores ou insetos. Apesar das suas asas cobrirem mais de 3 anos-luz, a NGC 6302, não é uma exceção e recebe o nome de Nebulosa da Borboleta. Com uma temperatura superficial estimada em cerca de 250 mil graus Celsius, a estrela moribunda central dessa nebulosa planetária particular tem se tornado excepcionalmente quente, brilhando intensamente na radiação ultravioleta, mas ficando escondida da visão direta por uma densa camada de poeira. Essa bela imagem da Nebulosa da Borboleta foi registrada pelo Telescópio Espacial Hubble e é apresentada aqui em cores reprocessadas. Cortando a cavidade central de gás ionizado é possível ver um torus de poeira ao redor da estrela central, que aparece quase de lado do nosso ponto de vista. Hidrogênio molecular tem sido detectado no escudo de poeira cósmica dessa estrela quente. A NGC 6302 localiza-se a cerca de 4000 anos-luz de distância da Terra n…

A galáxia do boto registrada pelo HUBBLE

Imagem
O que está acontecendo com essa galáxia espiral? Há poucos milhões de anos atrás, a NGC 2936, a galáxia mais acima, das duas mostradas nessa imagem, era provavelmente, uma galáxia espiral normal, girando e formando estrelas, ou seja, fazendo seu trabalho. Mas então, ela passou perto da massiva galáxia elíptica NGC 2937, localizada abaixo e deu um mergulho. Apelidada de Galáxia do Boto (Porpoise Galaxy), devido a sua forma peculiar, a NGC 2936, não está somente sendo defletida, mas também está sendo distorcida pela interação gravitacional. Uma explosão de estrelas jovens azuis forma o nariz do boto, na parte superior direita da galáxia, enquanto que o centro da espiral aparece como o olho. Embora cada galáxia tenha seu nome, o par, recebe um nome só, Arp 142, e olhando o par como um todo, a imagem lembra a de um pinguim protegendo o seu ovo. A imagem do par Arp 142 mostrada aqui foi feita pelo Telescópio Espacial Hubble no último ano. O par está localizado a 300 milhões de anos-luz de …

A nebulosa do olho do gato registrada pelo HUBBLE

Imagem
Para alguns essa imagem lembra o olho de um gato. A Nebulosa do Olho de Gato, localiza-se a cerca de 3 mil anos-luz de distância da Terra. Essa é considerada uma nebulosa planetária clássica, que representa uma fase final e breve na vida de uma estrela parecida com o Sol. A Nebulosa do Olho de Gato, também é conhecida como NGC 6543. A estrela moribunda central da nebulosa, pode produzir um padrão simples de conchas concêntricas empoeiradas, à medida que expele suas camadas externas em convulsões regulares. Mas a formação de estruturas belas, internas e mais complexas é algo que ainda não é bem compreendido. Essa imagem foi feita pelo Hubble e reprocessada digitalmente. Ao estudar nebulosas planetárias como o Olho do Gato, os astrônomos podem entender melhor como será o destino do Sol, daqui a aproximadamente 5 bilhões de anos. Fonte: https://apod.nasa.gov/apod/ap170130.html

Um buraco negro de leveza intrigante

Imagem
A imagem acima foi feita com a Advanced Camera for Surveys, a ACS do Hubble e registra uma galáxia localizada na constelação de Virgo. A câmera foi instalada em 2002, e seu campo de visão vasto é o dobro da câmera anterior, isso faz com que ela possa capturar imagens surpreendentes com uma grande nitidez e uma enorme sensibilidade, como podemos ver aqui. A bela galáxia espiral visível no centro da imagem é conhecida como RX J1140.1+0307, e apresenta um mistério interessante. 
Olhando de primeira, essa galáxia se parece muito com uma galáxia espiral normal, mais ou menos como deve ser a nossa galáxia, a Via Láctea. A Via Láctea, como a maior parte das grandes galáxias, possui um buraco negro supermassivo no seu centro, mas algumas galáxias têm no seu centro buracos negros mais leves, de massa intermediária. A RX J1140.1+0307, é uma dessas galáxias. 
De fato, ela tem no seu centro um dos buracos negros de menor massa conhecido em qualquer núcleo galáctico luminoso. O que intriga os cienti…

A bela nebulosa da tromba do elefante na constelação de CEPHEUS

Imagem
A imagem acima nem parece uma foto, lembra mais uma ilustração feita a mão. Mas é sim uma foto e mostra a Nebulosa da Tromba do Elefante. Essa nebulosa serpenteia através da nebulosa de emissão e do jovem aglomerado estelar conhecido como IC 1396 localizado na constelação de Cepheus. Também conhecida como vdB 142, a tromba de elefante cósmica tem mais de 20 anos-luz de comprimento. Essa imagem é uma composição que inclui dados de um filtro de banda estreita que transmite a luz dos átomos de hidrogênio ionizado na região. A composição resultante destaca as brilhantes linhas que delimitam os bolsões de gás e poeira interestelar frios. As nuvens escuras mergulhadas no meio da nebulosa possuem o material bruto para a formação de estrelas e escondem protoestrelas em seu interior. Localizado a aproximadamente 3000 anos-luz de distância, o relativamente apagado complexo IC 1396 cobre uma grande região do céu, que se espalha por 5 graus. Essa imagem tem um campo de aproximadamente 1 grau, o e…

Novo mapa de superaglomerado galáctico mostra a casa celestial da Via Láctea

Imagem
Esta simulação de computador retrata o superaglomerado gigante, com a localização da Via Láctea mostrada como um ponto vermelho
A nossa galáxia, Via Láctea, fica dentro de um superaglomerado gigante. Agora, um novo mapa cósmico criado por pesquisadores da Universidade do Havaí em Honolulu nos oferece um olhar sem precedentes sobre os limites dessa nossa casa celestial.  Os cientistas nomearam o grupo galáctico colossal de Superaglomerado de Laniakea, havaiano para “céu imensurável”.
Matriosca espacial“Vivemos em algo chamado de ‘teia cósmica’, onde galáxias estão conectadas em tentáculos separados por vazios gigantes”, disse o autor principal do estudo, Brent Tully, astrônomo da Universidade do Havaí. As galáxias não se espalham aleatoriamente pelo universo. Em vez disso, agrupam-se em aglomerados, como o que a Terra se encontra, chamado de Grupo Local, que contém dezenas de galáxias. Por sua vez, esses grupos são parte de superaglomerados maciços formados por centenas de galáxias, todos…

O buraco negro da nossa galáxia pode estar amplificando o magnetismo de estrelas

Imagem
Pelaprimeira vez, cientistas incluíram os campos magnéticos das estrelas em simulações de computador, para entendermos como as que ficam no centro de nossa galáxia respondem à aproximação do nosso buraco negro supermassivo. Os resultados foram publicados em um artigo no Astrophysical Journal Letters. E o magnetismo?Sagitário A* é o enorme buraco negro no centro da Via Láctea. No novo estudo, os astrônomos fizeram previsões sobre o que aconteceria com estrelas jovens altamente magnetizadas na vizinhança desse monstro galáctico. Essa é a primeira vez que o campo magnético de uma estrela é incluído em simulações onde um buraco negro destrói uma estrela, o que é chamado de “evento de ruptura de maré”.  No passado, foi difícil colocar os campos magnéticos em contexto com outras influências sobre uma estrela, como a pressão do gás e a gravidade. “Os campos magnéticos são um pouco complicados numericamente de simular”, disse James Guillochon, astrofísico do Centro de Astrofísica Harvard-Smithso…

Explicando o misterioso comportamento do objeto "RAPID BURSTER"

Imagem
Estas quatro imagens mostram uma impressão de artista do processo de acreção sobre a estrela de neutrões no sistema binário MXB 1730-335, também conhecido como "Rapid Burster".Neste sistema binário, a atração gravitacional da estrela de neutrões remove gás da sua companheira estelar (uma estrela de baixa massa não apresentada nas imagens); o gás forma um disco de acreção e espirala em direção à estrela de neutrões. As observações de "Rapid Burster", usando três telescópios espaciais de raios-X - NuSTAR e o Swift da NASA e o XMM-Newton da ESA - revelaram o que acontece em redor da estrela de neutrões antes e durante o que se chama de explosão de "tipo-II". Estas explosões são libertações súbitas, erráticas e extremamente intensas de grandes quantidades de raios-X durante períodos caracterizados por muito pouca emissão. Antes da explosão, o campo magnético de alta rotação da estrela de neutrões impede o avanço do gás que flui da estrela companheira e, efeti…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...