Postagens

Mostrando postagens de Abril 4, 2017

Quatro Imagens de um Quasar Rodeiam uma Lente Galáctica

Imagem
Uma coisa estranha acerca do grupo de luzes perto do centro é que quatro delas são o mesmo quasar distante. Isto porque a galáxia em primeiro plano - no centro das imagens do quasar e da imagem em destaque - está a agir como uma lente gravitacional. Uma coisa talvez ainda mais estranha é que ao observarmos estes quasares distantes a cintilar, podemos estimar a velocidade de expansão do Universo. Isto porque o sincronismo da cintilação aumenta à medida que a velocidade de expansão aumenta. Mas, para alguns astrónomos, o mais estranho de tudo é que estas imagens multiplicadas do mesmo quasar indicam um Universo que se está a expandir um pouco mais depressa do que estimado por métodos diferentes que se aplicam ao Universo primitivo. E isto porque... bem, ninguém tem a certeza da razão. As razões podem incluir uma distribuição inesperada de matéria escura, algum efeito inesperado da gravidade, ou algo completamente diferente. Talvez as observações e análises futuras, deste e de outros qua…

Sonda MAVEN revela que maior parte da atmosfera marciana foi perdida para o espaço

Imagem
Esta imagem ilustra o ambiente passado de Marte (direita) - que se pensa ter albergado água líquida e uma atmosfera mais espessa - "versus" o ambiente frio e seco de Marte atualmente (esquerda). A sonda MAVEN da NASA, em órbita do Planeta Vermelho, está a estudar a sua atmosfera superior, ionosfera e interações com o Sol e o vento solar.Crédito: Centro de Voo Espacial Goddard da NASA
De acordo com novos resultados da sonda MAVEN da NASA, o vento e a radiação solares são os responsáveis pela remoção da atmosfera marciana, transformando Marte de um planeta que poderia ter suportado vida há milhares de milhões de anos atrás, num mundo frio e desértico.  Nós determinámos que a maioria do gás presente na atmosfera de Marte foi perdido para o espaço," realça Bruce Jakosky, investigador principal da MAVEN (Mars Atmosphere and Volatile Evolution Mission), da Universidade do Colorado em Boulder, EUA. 
A equipe fez esta determinação a partir dos últimos resultados, que revelam que …

Acelerador cósmico explica ondas de rádio misteriosas

Imagem
Previamente aceleradas por buracos negros, as partículas são reaceleradas pelas ondas de choque resultantes da colisão. O fenômeno ajuda a entender a estrutura do Universo em larga escala.[Imagem: Reinout J. van Weeren et al. - 10.1038/s41550-016-0005]
Dupla aceleração Astrônomos observaram um acelerador de partículas cósmico de dimensões colossais e descobriram que ele explica ondas de rádio que vêm sendo captadas há algum tempo, mas que ninguém sabia de onde vinham. O fenômeno resulta da aceleração de uma nuvem gasosa por buraco negro e de sua reaceleração pelas ondas de choque decorrentes da fusão de dois aglomerados de galáxias. Essa dupla aceleração foi observada e descrita por uma colaboração internacional com a participação de três brasileiros: Felipe Andrade Santos, Vinicius Moris Placco e Rafael Miloni Santucci. Acelerador de partículas cósmico Os aglomerados de galáxias são formados por acréscimo gravitacional de matéria e por fusões com outros aglomerados e grupos de galáxias. …

Hubble mostra o aglomerado estelar NGC 602

Imagem
Perto dos subúrbios da Pequena Nuvem de Magalhães, uma galáxia satélite localizada a cerca de 200 mil anos-luz de distância da Terra, localiza-se um jovem aglomerado estelar com 5 milhões de anos de vida e conhecido como NGC 602. Circundado pelo material bruto que dá origem às estrelas, o gás e a poeira, o NGC 602 é mostrado em detalhe nessa bela imagem feita pelo Telescópio Espacial Hubble, melhorada e atualizada com dados de raios-X obtidos pelo Chandra e com informações do infravermelho obtidas pelo Spitzer. As regiões varridas e as verdadeiras cadeias de poeira sugerem que a radiação energética e as ondas de choque geradas pelas massivas estrelas jovens do NGC 602, erodiram o material empoeirado e deram início a uma progressão de formação de estrelas se movendo para fora do centro  do aglomerado. Na distância estimada da Pequena Nuvem de Magalhães, a imagem se espalha por cerca de 200 anos-luz, porém, muitas outras coisas são mostradas, como galáxias extremamente distantes em segu…

Lá em cima

Imagem
Nesta imagem o Very Large Telescope do ESO (VLT) parece um telescópio muito pequeno! Visto desta perspectiva, torna-se difícil distinguir as silhuetas dos quatro Telescópios Principais de 8,2 metros do VLT, que estão colocados no alto do Cerro Paranal, no deserto chileno do Atacama.
A localização do VLT foi escolhida de modo extremamente cuidadoso. É vital que o local seja tão seco quanto possível, uma vez que o vapor d'água absorve a radiação infravermelha e degrada as observações. De modo a reduzir o máximo possível os efeitos da atmosfera terrestre, o VLT situa-se 2600 metros acima do nível do mar, minimizando assim a quantidade de atmosfera até as estrelas.
Devido a esta localização remota, o Paranal é um lugar praticamente imperturbado e livre de poluição luminosa. Até as estradas serpenteantes que conduzem ao local através do deserto do Atacama estão fracamente iluminadas de modo a evitar luz desnecessária.
Nesta imagem, uma trilha de estrelas corta o céu noturno, tal como fuma…

Desafiando a convenção cósmica

Imagem
Algumas galáxias são mais difíceis de serem classificadas do que outras. Aqui, a Wide Field Camera 3, do Hubble, a WFC 3, capturou uma bela imagem de duas galáxias em interação, localizadas a 60 milhões de anos-luz de distância na constelação de Leão. A mais difusa e com brilho azulado cobrindo o lado direito do frame é da conhecida como NGC 3447, algumas vezes chamada de NGC 3447B, já que o nome NGC 3447 pode ser aplicado ao par de maneira geral. A menor, na parte superior esquerda é conhecida como NGC 3447A.
O problema com o espaço, e isso é óbvio, é que ele é realmente grande. Os astrônomos têm passado centenas de anos descobrindo e dando nome para galáxias, estrelas, nuvens cósmicas e todos os objetos. Unificar e regular as convenções e classificações para tudo que se observa é muito difícil, especialmente quando você observa um objeto ambíguo como o par NGC 3447, desafia qualquer classificação fácil.
De maneira geral, nós sabemos que a NGC 3447 compreende uma dupla de galáxias em i…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...