Postagens

Mostrando postagens de Abril 18, 2017

Buracos negros supermassivos encontrados em galáxias minúsculas

Imagem
Astrónomos descobriram duas galáxias anãs ultracompactas, VUCD3 e M59cO, com buracos negros supermassivos. Os achados sugerem que as anãs são provavelmente remanescentes de galáxias maiores a quem foram retiradas as suas regiões externas depois de colidirem com as galáxias maiores M87 e M59, respetivamente.Crédito: NASA/STScI
Há três anos atrás, uma equipa da Universidade do Utah descobriu uma galáxia anã ultracompacta que continha um buraco negro supermassivo, na altura a galáxia mais pequena que se sabia abrigar um buraco negro tão grande. Os achados sugeriram que as anãs ultracompactas podiam ser os minúsculos remanescentes de galáxias massivas que foram despojadas das suas regiões externas depois de colidirem com outras galáxias maiores. Agora, o mesmo grupo de astrónomos encontrou mais duas galáxias anãs ultracompactas com buracos negros supermassivos. Os três exemplos sugerem que os buracos negros se escondem no centro da maioria destes objetos, potencialmente duplicando o número …

DD: Planeta-anão leva 1.100 anos para orbitar o Sol

Imagem
Concepção artística do DD, ou 2014 UZ224. Seu diâmetro de 635 km o torna um candidato sério à classe de planeta anão.[Imagem: Alexandra Angelich (NRAO/AUI/NSF)] UZ224 Usando o radiotelescópio ALMA, astrônomos revelaram detalhes inéditos sobre um dos mais novos membros conhecidos do nosso Sistema Solar, só recentemente descoberto. Trata-se do possivelmente planeta-anão 2014 UZ224, mais informalmente conhecido como DD (sigla paraDistant Dwarf, ou "anão distante"). Adescoberta do DD foi confirmadaapenas no ano passado, usando dados dasupercâmera DECam, usada peloprojeto DES (Dark Energy Survey) para procurar indícios da Energia Escura. A cerca de três vezes a distância do Sol até Plutão, DD é o segundo objeto transnetuniano com uma órbita confirmada mais distante que se conhece, superado apenas peloplaneta anão Éris. Esta é a imagem real captada pelo radiotelescópio ALMA, no Chile. [Imagem: ALMA (ESO/NAOJ/NRAO)] Atualmente DD está a 92 unidades astronômicas (ua) do Sol - 92 vezes a…

A mostruosa GALÁXIA que cresceu demasiado depressa

Imagem
Impressão de artista da galáxia ZF-COSMOS-20115. A galáxia provavelmente expeliu todo o gás que despoletou a sua rápida formação estelar e crescimento, o que rapidamente a tornou numa galáxia compacta e avermelhada. Crédito: Leonard Doublet/Universidade de Swinburne
Uma equipe internacional de astrónomos avistou, pela primeira vez, uma galáxia massiva e inativa numa altura em que o Universo tinha apenas 1,65 mil milhões de anos. Os astrónomos pensam que a maioria das galáxias desta época têm uma massa baixa, mas que formam estrelas a um grande ritmo. No entanto, de acordo com o professor Karl Glazebrook, líder da equipa de investigação e Diretor do Centro para Astrofísica e Supercomputação da Universidade de Swinburne, esta galáxia é um "monstro" e está inativa.
Os cientistas descobriram que num curto espaço de tempo, esta galáxia massiva conhecida como ZF-COSMOS-20115, formou todas as suas estrelas (três vezes mais estrelas do que o total atual da Via Láctea) através de um ev…

Plumas de ENCÉLADO e o potencial em abrigar vida

Imagem
Encélado tem um oceano na sua subsuperfície que poderia suportar a vida? A descoberta de jatos de vapor de água sendo expelidos pelo polo sul do satélite foi feita pela sonda Cassini em 2005. A origem da água que alimentava esses jatos, contudo, era originalmente desconhecida. Desde a descoberta, as evidências se acumularam indicando que Encélado teria um profundo oceano em sua subsuperfície, aquecido pela chamada flexura de maré. A imagem acima mostra a superfície acidentada de Encélado em primeiro plano, enquanto que colunas de plumas de vapor de água nascem das fraturas congeladas. Esses jatos são mais visíveis em determinados ângulos e com determinadas sombras. No sobrevoo feito em 28 de Outubro de 2015, a Cassini descobriu que as plumas além de se originarem de um oceano na subsuperfície do satélite, são ricas em hidrogênio molecular, uma fonte de comida viável para micróbios que poderiam potencialmente viver ali. No vídeo abaixo um resumo de toda a história. Fonte:https://apod.na…

Descoberta grande mancha fria em Júpiter

Imagem
Tão grande que pode engolir várias Terras, a Grande Mancha Vermelha de Júpiter é uma tempestade gigantesca que existe há séculos, com ventos que ultrapassam os 600 km por hora. No entanto, esta mancha tem uma rival: os astrónomos descobriram que Júpiter tem uma segunda Grande Mancha, desta vez uma mancha fria.
Os astrónomos descobriram nas regiões polares do planeta uma mancha escura na atmosfera superior, cerca de 200º C mais fria do que o meio que a circunda. Chamada “Grande Mancha Fria”, esta intrigante estrutura é comparável em termos de tamanho à Grande Mancha Vermelha — 24000 km de um lado ao outro, 12000 km de altura. Os dados obtidos ao longo de 15 anos mostram que a Grande Mancha Fria é muito mais volátil que a sua lenta prima. Esta mancha varia drasticamente, tanto em forma como em tamanho, em poucos dias ou semanas — no entanto nunca desaparece, mantendo-se sempre mais ou menos no mesmo local.
Pensa-se que a Grande Mancha Fria é causada pelas auroras poderosas do planeta, as …

Ao seu alcance

Imagem
O céu que cobre o Observatório do Paranal do ESO parece óleo sobre água nesta Fotografia da Semana do ESO, com verdes, amarelos e azuis juntando-se para criar esta paisagem celeste incandescente. A paisagem rochosa e desolada faz lembrar um mundo alienígena, perfeitamente complementado com o espetáculo cósmico brilhante no céu. A estrutura principal é a nossa casa galáctica, a Via Láctea, arqueando ao longo do céu noturno chileno e enquadrando perfeitamente o observador que se encontra à esquerda. 
A luz emitida por bilhões de estrelas combina-se para criar o brilho da Via Láctea, com enormes nuvens escuras de poeira bloqueando a radiação em várias regiões, dando origem ao padrão salpicado que observamos. O efeito natural da luminescência atmosférica é responsável pela luz verde e laranja que parece emanar do horizonte.  O Very Large Telescope do ESO pode ser visto ao fundo, à direita, no topo do Cerro Paranal. O seu vizinho, ligeiramente mais baixo, é o Visible and Infrared Telescope…

Explosões de estrelas na constelação de Virgem

Imagem
Apesar de todos os esforços, de tudo que se sabe hoje, o total entendimento sobre a formação e a evolução das galáxias é algo que ainda está longe de ser totalmente entendido. Felizmente, as condições observadas dentro de certas galáxias, as chamadas galáxias de explosão de estrelas, podem nos dizer muito sobre como elas se desenvolveram com o passar do tempo. Galáxias de explosão de estrelas, contêm uma região, ou muitas regiões, onde as estrelas estão se formando a uma alta taxa, de modo que a galáxia está se alimentando do seu gás numa velocidade maior que ele pode ser reestabelecido.
A NGC 4536 é uma dessas galáxias e aparece nessa bela e detalhada imagem feita pela Wide Field Camera 3, ou WFC 3 do Telescópio Espacial Hubble. Essa galáxia está localizada a aproximadamente 50 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação de Virgem, e tem uma região com extrema formação de estrelas. Existem alguns fatores diferentes que levam a um ambiente  ideal onde as estrelas podem se…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...