Postagens

Mostrando postagens de Julho 7, 2017

Os sete planetas mais extremos já descobertos

Imagem
Ilustração artística da estrela KELT-9 (esquerda) e do seu planeta superquente KELT-9b (direita).[Imagem: NASA/JPL-Caltech/R. Hurt (IPAC)]
Planetas extremos Astrônomos descobriram recentemente o planeta mais quente já encontrado - com uma temperatura superficial maior do que a de algumas estrelas.  À medida que a caça aos planetas fora do nosso Sistema Solar continua, já descobrimos muitos outros mundos com características extremas. E a exploração do nosso próprio Sistema Solar também revelou alguns concorrentes muito estranhos. Aqui estão sete dos mais extremos. O planeta mais quente A temperatura de um planeta depende principalmente de quão perto ele está da sua estrela hospedeira - e de quão quente essa estrela queima. Em nosso próprio Sistema Solar, Mercúrio é o planeta mais próximo do Sol, ficando a uma distância média de 57.910.000 km. As temperaturas no seu dia são de cerca de 430° C, enquanto o próprio Sol tem uma temperatura superficial de 5.500° C. Mas estrelas mais maciças do que…

O olho de Sauron ataca novamente!

Imagem
Na constelação do Peixe Autral fica uma das estrelas mais brilhantes do céu, a Formalhaut, que foi traduzida do árabe como 'boca do peixe' pelos gregos. Formalhaut tem o dobro da massa do nosso Sol e é 16 vezes mais luminosa, melhor ainda, está a apenas 25 anos luz de distância. Por que isso é bom? Porque essa estrela tem algo muito interessante e se estivesse mais distante, talvez demorássemos muito para entender seu mistério.  Formalhaut é bem brilhante, mas quando olhamos para ela com instrumentos capazes de enxergar o infravermelho, vemos que ela é bem mais brilhante do que deveria ser. A causa mais comum para casos como esse é haver uma grande quantidade de poeira rodeando a estrela. A poeira absorve luz e esquenta, mas ao mesmo tempo emite esse calor na forma de radiação infravermelha. A nuvem que forma estrelas e planetas têm muito gás, mas muita poeira também, que vai sendo consumida durante a formação e o que sobrou vai sendo literalmente assoprado para fora do sistem…

Uma visão para a M106

Imagem
Image Credit & Copyright: Peter Feltoti
Grande, brilhante e bonita, a galáxia espiral conhecida como M106 domina essa bela paisagem cósmica. O campo de visão mostrado nessa imagem tem 2 graus de largura e mostra uma região na constelação de Canes Venatici, perto do que seria o cabo do asterismo conhecido como Big Dipper. Também conhecida como NGC 4258, a M106 está localizada a aproximadamente 23.5 milhões de anos-luz de distância da Terra, e tem cerca de 80 mil anos-luz de diâmetro, e é o maior membro do grupo de galáxias conhecido como Canes II. Para uma galáxia tão distante assim como a M106 sua distância é medida com certa precisão graças ao estudo dos Masers, ou emissões laser de micro-ondas. Essas emissões são muito raras mas ocorrem naturalmente, e são produzidas pelas moléculas nas nuvens moleculares que orbitam o núcleo galáctico ativo. Outra galáxia espiral proeminente na imagem, é vista de lado, é a NGC 4217, localizada abaixo da M106. A distância até a NGC 4217 é conheci…

IC 342 – A galáxia escondida

Imagem
A IC 342 é um objeto cósmico que desafia os astrônomos. Embora seja brilhante, a galáxia está localizada perto do equador do disco galáctico da Via Láctea, onde o céu é repleto de gás cósmico, estrelas brilhantes, e espessas faixas de poeira escura. Para os astrônomos observarem a intrigante estrutura da IC 342, eles precisam vasculhar através de uma grande quantidade de material contido dentro da nossa própria galáxia. Como resultado, a IC 342 é difícil de ser registrada e isso dá a ela o apelido de Galáxia Escondida.  Localizada próxima da Via Láctea, em termos astronômicos, essa galáxia espiral estaria entre as mais brilhantes do céu se não fosse pela sua localização no meio de tanta poeira. A galáxia é muito ativa, como é indicado pela grande quantidade de cores  visíveis nessa imagem do Hubble, que mostra a região bem central da galáxia. Uma mistura de regiões de formação de estrelas azuis e quentes, avermelhadas, regiões de gás mais frio, e linhas de poeira opacas podem ser vist…

Gravidade: o que é e como ela atua?

Imagem
O que é gravidade?A gravidade é uma das quatro forças fundamentais da natureza, juntamente com as forças eletromagnética, forte e fraca. [box]As forças eletromagnéticas descrevem os fenômenos elétricos e magnéticos, as forças fracas são aquelas que explicam os processos de decaimento radiativo, tais como o decaimento nuclear e de várias partículas “estranhas”, e as forças fortes são aquelas responsáveis pelos fenômenos que ocorrem a curta distância no interior do núcleo atômico.[/box] A gravidade é a força que atrai dois corpos um para o outro. Por causa dela, maçãs caem em direção ao solo, e os planetas do nosso sistema orbitam o sol. Quanto maior a massa de um objeto, mais forte sua atração gravitacional. A gravidade é o que nos faz ter peso. Quando nos pesamos, a balança indica o quanto a gravidade está agindo em nosso corpo. A fórmula para determinar o peso de qualquer objeto ou pessoa é: peso é igual a massa vezes a gravidade. Na Terra, a gravidade é uma constante de 9,8 metros por …

Cem bilhões de estrelas fracassadas podem estar escondidas em nossa galáxia

Imagem
As anãs marrons, estrelas falhas que não conseguiram começar a fusão nuclear e que são mais parecidas com planetas do que com estrelas, são muito mais abundantes na nossa Via Láctea do que os astrônomos imaginavam. Uma nova pesquisa sugere que uma enorme quantidade de 100 bilhões deste corpos celestiais pequenos e fracos pode estar à espreita em toda a Via Láctea. Como a maioria das estrelas, as anãs marrons se formam quando nuvens de gás interestelar e poeira colapsam sob sua própria gravidade. Nas estrelas de sequência principal, como o nosso sol, o calor e a pressão inflamam o núcleo através da fusão nuclear. Mas algumas estrelas aspirantes nunca alcançam esse ponto: em vez disso, elas entram em um estado estável antes que a fusão possa começar. Sem fusão, essas estrelas falhadas não emitem muita luz, e podem ser difíceis de observar para os astrônomos. Este novo estudo tenta identificar a quantidade de anãs marrons que se escondem na Via Láctea, revelando um número que é muito maio…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...