Postagens

Mostrando postagens de Outubro 19, 2017

A concha da enorme estrela G79.29+0.46

Imagem
Estrelas assim tão voláteis são bastante raras. Capturada no meio de nuvens de poeira e visível para a direita e para cima do centro, está a massiva G79.29+0.46, uma das menos de 100 estrelas variáveis azuis luminosas (LBVs ou luminous blue variables) atualmente conhecidas na nossa Galáxia. As LBVs expelem conchas de gás e podem perder o equivalente à massa de Júpiter ao longo de 100 anos. A estrela, ela própria brilhante e azul, está envolta em poeira e, portanto, não é observável no visível. A estrela moribunda parece verde e rodeada por conchas vermelhas nesta imagem infravermelha que combina exposições do Observatório Espacial Spitzer e do WISE da NASA. G79.29+0.46 está localizada na região de formação estelar Cygnus X da Via Láctea. Não se sabe porque G79.29+0.46 é tão volátil, nem quanto tempo permanecerá na fase LBV nem quando explodirá como supernova. Fonte: NASA

Quando duas estrelas de NÊUTRONS colidem

Imagem
A imagem acima é uma ilustração e mostra a nuvem de expansão quente e densa de detritos arrancados de duas estrelas de nêutrons pouco antes de colidirem. Dentro desses detritos ricos em nêutrons, uma grande quantidade de alguns dos elementos mais pesados do universo foi forjada, incluindo o equivalente a centenas de vezes a massa da Terra de outro e platina. Isso representa a primeira vez que os cientistas detectaram a luz proveniente de um evento gerador de onda gravitacional, graças à fusão de duas estrelas de nêutrons, que ocorreu na galáxia NGC 4993, localizada a cerca de 130 milhões de anos-luz de distância da Terra, na constelação da Hydra. Crédito da Imagem: NASA Goddard Space Flight Center/CI Lab Fonte: https://www.nasa.gov

Medição do VLBA promete imagem completa da VIA LÁCTEA

Imagem
Os astrónomos mediram diretamente a distância a uma região no outro lado da Via Láctea, para lá do centro da Galáxia.Crédito: Bill Saxton, NRAO/UAI/NSF; Robert Hurt, NASA
Usando o VLBA (Very Long Baseline Array) da NSF (National Science Foundation), astrónomos mediram diretamente a distância de uma região de formação estelar no lado oposto ao Sol na nossa Via Láctea. Este feito quase que duplica o recorde anterior de medição de uma distância no interior da nossa Galáxia. Isto significa que, usando o VLBA, agora podemos mapear com precisão toda a extensão da nossa Galáxia," comenta Alberto Sanna, do Instituto Max Planck para Radioastronomia na Alemanha. As medições de distância são cruciais para a compreensão da estrutura da Via Láctea. A maioria do material da nossa Galáxia, composta principalmente por estrelas, gás e poeira, fica dentro de um disco achatado, no qual o nosso Sistema Solar está situado. Dado que não podemos ver a nossa Galáxia de face, a sua estrutura, incluindo a f…

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...